5 motivos para NÃO comprar o Chevrolet Cruze Midnight

5 motivos para NÃO comprar o Chevrolet Cruze Midnight

Por Felipe Ribeiro | Editado por Jones Oliveira | 15 de Maio de 2022 às 09h30
Felipe Ribeiro/ Canaltech

Lançado no início de 2022, o Chevrolet Cruze Midnight chega com a missão de dar sobrevida ao sedan médio da General Motors, que vende cada vez menos no Brasil e pode estar com os dias contados na linha da marca por aqui. Uma pena, pois trata-se de um ótimo carro, conforme falamos em nossa avaliação da variante Premier.

Assim como fez com o Onix Plus, o Cruze Midnight é feito com base na variante LTZ, trazendo os mesmos equipamentos e uma roupagem mais esportiva e elegante, com tons escurecidos em todo o carro. Mas, cobrando quase R4 140 mil, esperava-se um pacote de equipamentos mais robusto, sobretudo em segurança ativa.

Com isso em mente, o Canaltech separou os 5 motivos para você não comprar o Chevrolet Cruze Midnight.

5. Acabamento

Embora tenha um bom acabamento, o Cruze Midnight fica devendo quando comparamos com rivais diretos, como o Toyota Corolla e o aposentado Civic de 10ª geração. Há material sensível ao toque na cabine, é verdade, mas a presença de plástico duro no painel, por exemplo, foi além do que gostaríamos de ver em um modelo dessa categoria.

Um sedan médio não pode brincar com texturas desse jeito. O ideal seria manter apenas o soft touch (Imagem: Felipe Ribeiro/Canaltech)

4. Esportivo apenas na roupagem

Embora tenha um ótimo motor 1.4 turbo de 153cv, o Cruze Midnight está longe de ser um esportivo. Os ajustes feitos no carro privilegiam uma condução mais voltada ao conforto, o que deve afasta potenciais compradores desse tipo de carro.

Além disso, não há a possibilidade de realizar troca de marchas manuais em aletas atrás do volante, apenas por um botão no câmbio.

Sobra estilo ao Cruze Midnight, mas isso não lhe rendeu uns cavalinhos a mais (Imagem: Felipe Ribeiro/Canaltech)

3. Central multimídia pequena

A central multimídia MyLink que equipa o Cruze Midnight é bem completa, mas poderia ser maior. Ela compensa tendo boa resolução, é verdade, mas, para um carro desse porte, faz falta uma tela maior.

A MyLink é completa, mas muito pequena para o porte do carro (Imagem: Felipe Ribeiro/Canaltech)

2. Preço

Pelo que entrega, o Cruze Midnight poderia custar um pouco menos. Os R$ 140 mil cobrados pela Chevrolet em uma versão que nem é a mais completa de seu sedan ficaram salgados. Há concorrentes mais completos e que custam praticamente a mesma coisa, como o próprio Toyota Corolla em sua versão de entrada GLi.

A versão Midnight do Cruze custa mais do que deveria (Imagem: Felipe Ribeiro/Canaltech)

1. Segurança ativa

O Chevrolet Cruze Midnight poderia ser mais equipado em termos de segurança ativa, assim como é sua versão topo de gama, a Premier. Sim, ela custa mais caro, mas se a estratégia da GM é melhorar o posicionamento do modelo nas vendas, talvez o ideal fosse reduzir um pouco o preço-base e fazer essa versão "em cima" da mais completa possível.

O Cruze Premier, por exemplo, é equipado com alerta de ponto cego, alerta de saída de faixa, alerta de colisão frontal com detecção de pedestres e frenagem automática de emergência.

Como auxílio ao motorista, apenas o piloto automático, que pode se acionado com botões no volante (Imagem: Felipe Ribeiro/Canaltech)

Gostou dessa matéria?

Inscreva seu email no Canaltech para receber atualizações diárias com as últimas notícias do mundo da tecnologia.