Publicidade

Google vai destruir bilhões de dados do modo privado do Chrome

Por| Editado por Douglas Ciriaco | 01 de Abril de 2024 às 18h16

Link copiado!

Rubaitul Azad/Unsplash
Rubaitul Azad/Unsplash
Tudo sobre Google

Após um imbróglio com a Justiça estadunidense que custou US$ 5 bilhões aos cofres do Google, a empresa afirmou que vai destruir “bilhões de dados” relacionados ao modo anônimo do Chrome, seu navegador de internet. Além disso, ela vai atualizar suas divulgações de coleta de informações e manter uma configuração para bloquear cookies de terceiros do aplicativo por padrão pelos próximos cinco anos.

Segundo a acusação, a Gigante de Buscas teria coletado esses dados de forma imprópria depois de ludibriar os usuários — as informações são do site The Wall Street Journal.

Processo apontou e-mails comprometedores

Continua após a publicidade

Tudo começou com um processo na Justiça dos Estados Unidos no primeiro semestre de 2020. A ação coletiva exigia o valor de US$ 5 bilhões (perto de R$ 26 bilhões em uma conversão direta nos valores de hoje) e alegava que a empresa adquiriu dados sem a permissão dos usuários através do Modo Anônimo do Chrome.

Mesmo se defendendo, a Big Tech chegou a um acordo no valor estipulado, anunciado no fim de 2023. A partir daí, a companhia decidiu alterar informações no Chrome sobre a navegação anônima e adicionou uma linha que comprova a privacidade do modo, mas destaca que há a coleta de informações por serviços online, como do próprio Google.

O processo também apontou e-mails comprometedores entre executivos da Gigante de Buscas. Em uma mensagem de 2019, a Diretora de marketing do Google, Lorraine Twohill, disse ao CEO da empresa, Sundar Pichai, que a palavra “privado” era a nomenclatura errada para denominar o modo anônimo do navegador, pois poderia “exacerbar equívocos conhecidos”.

Em outro e-mail, Twohill destacou que estavam “limitados na forma como podiam comercializar o modo anônimo, porque ele não é verdadeiramente privado, exigindo, portanto, uma linguagem realmente confusa que seria quase mais prejudicial”.

Continua após a publicidade

Acordo ainda não está finalizado

É importante ressaltar que o tribunal não aprovou o primeiro processo feito por uma classe de demandantes por danos financeiros. Isso quer dizer que apenas indivíduos podem processar a Big Tech, algo feito no último dia 26 de março por cerca de 50 pessoas do estado da Califórnia.

O acordo ainda precisa ser aceito pela juíza Yvonne Gonzalez Rogers do Distrito Norte da Califórnia antes de cheques começarem a ser assinados.

Continua após a publicidade

O Canaltech entrou em contato com o Google a respeito do tema, que respondeu da seguinte maneira:

"Ficamos satisfeitos em resolver esta ação judicial, que sempre acreditamos ser infundada. Os autores originais queriam 5 bilhões de dólares e estão recebendo zero", apontou a Big Tech. "Nunca associamos dados aos usuários quando estão usando o modo de navegação anônima. Estamos felizes em excluir dados técnicos antigos que nunca foram associados a um indivíduo e nunca foram usados para qualquer forma de personalização", concluiu.  

De qualquer maneira, você pode conferir motivos para usar o Chrome e razões para não usar o navegador no dia a dia, pois assim pode formar sua própria opinião sobre o aplicativo.

Fonte: The Wall Street Journal