Como essas startups querem ressuscitar o combalido setor de bares e restaurantes

Como essas startups querem ressuscitar o combalido setor de bares e restaurantes

Por Rui Maciel | 30 de Julho de 2021 às 09h15
Divulgação

Não é novidade que o setor de bares e restaurantes foi um dos mais atingidos pela pandemia da COVID-19. Segundo pesquisa divulgada em maio último pela Associação Brasileira de Bares e Restaurantes (Abrasel), entidade que reúne empresas da área, 72% dos estabelecimentos relataram estar em dificuldade para honrar pagamentos como impostos, aluguéis e débitos com fornecedores. Além disso, 77% estavam trabalhando com prejuízo no mês de abril.

No entanto, a tecnologia pode ser um dos fatores primordiais para a recuperação de estabelecimentos do gênero. E de olho nesse cenário, está a FAB LAB, um hub de inovação que, no fim de junho, selecionou onze startups, que desenvolvem soluções que podem otimizar processos em diversas áreas de bares e restaurantes.

O setor de bares e restaurantes foi um dos mais afetados pela pandemia da COVID-19 (Imagem: Divulgação / Fab Lab)


Entre as startups escolhidas, há soluções digitais que proporcionam melhorias para setores como experiência do cliente, marketing, reciclagem, gestão, suprimentos e até mesmo segurança para as mulheres. Todos terão a oportunidade de testagem do negócio nos estabelecimentos parceiros do hub e que pagarão por este serviço.

Quer ficar por dentro das melhores notícias de tecnologia do dia? Acesse e se inscreva no nosso novo canal no youtube, o Canaltech News. Todos os dias um resumo das principais notícias do mundo tech para você!

Abaixo, confira quais foram as startups escolhidas, as soluções que elas desenvolvem e em quanto elas podem reduzir os custos dos estabelecimentos. E lembre-se: elas podem tornar aquela cervejinha nossa de cada dia mais barata.

Business Inteligence

SmartMenu (Análise de dados para Delivery)

A solução envolve ferramentas de Business Intelligence para marcas que operam pelo delivery e permite que os bares e restaurantes identifiquem e monitorem a oferta dos seus principais competidores de forma rápida e intuitiva. Com isso, elas podem elaborar uma estratégia de go-to-market, de acordo com a demanda dos clientes.

Tela da SmartMenu: ferramenta de BI para monitoramento da concorrência (Imagem: divulgação)

Atualmente, a SmartMenu tem três clientes no ramo do Food Service e agora quer ganhar tração com operadores desse ramo, principalmente redes e franquias que tenham alguma atuação relevante dentro dos marketplaces do setor (iFood, Rappi, Uber Eats, Aiqfome, entre outros).

"O crescimento do Delivery acelerou a adoção de modelos de negócios mais enxutos, focados em entrega e retirada. Nós acreditamos que bares e restaurantes que operem através do modelo de Cloud Kitchen serão um segmento importante de clientes. A principal contribuição da SmartMenu em relação a redução de custos está relacionada aos investimentos em marketing. Uma Análise de Concorrência permite tomar melhores decisões em relação ao cardápio e condições de entrega, aumentando a aquisição e retenção de clientes nos marketplaces. Essa otimização acaba reduzindo o custo de aquisição de novos clientes e aumentando sua fidelidade", afirmou Gabriel Beleli, cofundador da startup. 


Menyoo (Inteligência de Mercado)

Com uma tecnologia de métrica precisa para alavancar vendas, a solução da Menyoo permite que o estabelecimento controle o cardápio em diversos canais como Facebook, Google, Instagram, WhatsApp, TripAdvisor, Yelp, Foursquare, entre outros. Além disso, bares e restaurantes podem centralizar o controle do menu digital e ainda traduzir para diversos idiomas e ainda torná-lo acessível para deficientes visuais e auditivos.

Hoje nossa solução está em mais de 8 mil estabelecimentos em todo o Brasil. O objetivo da startup nos próximos meses é concentrar a aquisição dos novos estabelecimentos em regiões específicas para validar funcionalidades de comparação de preço.

"Nossa solução tem o plano inicial gratuito. Com isso, os estabelecimentos que se cadastram têm uma economia de 100% nos custos de ter um cardápio digital", afirmou Tiago Espejo, CEO da Menyoo. "E por ser um cardápio acessível para deficientes visuais e auditivos também trazemos a economia da aquisição de cardápios especiais físicos que podem variar de R$300 a R$1,5 mil". 

Finanças

VCMD (Meios de pagamento)

A VCMD é um hub de integração B2B2C e já possui parceiros como TOTVS, EGESTORA e EBANX. A solução equaliza, de maneira estratégica as duas pontas, com os bares oferecendo uma economia estrutural, financeira e operacional e os usuários realizando uma experiência fluida do início ao fim evitando o principal inimigo da noite: as filas para pagamento.

A solução da startup já está em basicamente todos os bares de Curitiba (PR) e em alguns bares de Balneário Camboriú (SC). Agora, nos próximos meses, a empresa pretende escalar rapidamente a operação para São Paulo e Rio de Janeiro.

"A VCMD consegue reduzir em 15% os custos estruturais como: quantidade excessiva de caixas, uma vez que os clientes têm todo o controle na palma da mão", disse Gabriel Vicintin, cofundador da VCMD. "Já nos custos operacionais, temos redução da ociosidade dos funcionários dos caixas, uma vez que esta equipe além de poder ser mais enxuta, pode ser remanejada para atender o fluxo noturno no balcão e/ou auxiliar na equipe de garçons. Por fim, é possível zerar todas as taxas financeiras, ou seja, se o cliente gastar R$100 no estabelecimento, este valor é recebido sem os descontos da operação".


Débito Direto (Crédito Financeiro)

Trata-se de uma plataforma de inteligência para pagamentos de boletos de forma antecipada ou negociada. A solução centraliza e agrupa todas as contas a pagar do estabelecimento em um único lugar e auxilia no pagamento, podendo ser por Pix com desconto, boleto a prazo ou até 10 vezes no cartão de crédito.

Atualmente, o Débito Direto atende 21 bares, restaurantes e lanchonetes, com o objetivo de chegar a duzentos estabelecimentos até o final deste ano. Hoje, a startup atua fortemente na região de Blumenau (SC) e cidades vizinhas, mas está presente ainda em bares no Paraná, Rio Grande do Sul e São Paulo. Nos próximos meses, o foco será a cidade de São Paulo.

"Na modalidade PIX, oferecemos até 5% de desconto se o cliente pagar suas contas conosco", afirmou Bruno Grahl, CEO da Débito Direto. "Além disso, ainda há a questão da economia de tempo que o estabelecimento faz ao pagar todas as contas em uma única plataforma".

Marketplace

Image Inc (Marketplace de fotógrafos)

A plataforma democratiza o acesso a imagens digitais tornando acessível ao pequeno e médio empreendedor, por exemplo, manter um portfólio de qualidade para expor seu negócio. A startup oferece pacotes de serviço ajustáveis a necessidade do cliente e criou um processo de contratação rápido, que une prestadores de serviços aos clientes em formato marketplace. Os profissionais oferecem fotografia especializada, vídeos e imagens de drones, em uma plataforma 100% digital, com preços fixos e que podem ser parcelados.

Atualmente, a Image Inc já possui 17 cases de atuação, sendo boa parte deles em bares e restaurantes, mas também temos cases diversos, como, por exemplo, lojas de redes como Kopenhagen e Trifil. O objetivo é expandir a solução para os setores de hotelaria e turismo, corporativo, imobiliárias, construtoras, ensaios para pessoas, pets, LinkedIn, entre outros.

"O Image Inc. possui um processo inteligente de alinhamento e execução das demandas, que evita esses problemas, podendo chegar a até 65% de redução de custos", disse Raquel Molina, CEO da plataforma. "Além disso, o processo traz confiabilidade e aumenta as chances de satisfação com os entregáveis, visto que só direcionamos as demandas para os prestadores parceiros que foram selecionados e treinados para atender os padrões de qualidade dos serviços contratados".  


Cook Cold (Marketplace de manutenção de cozinhas industriais)

Este aplicativo de agenciamento e gestão conecta profissionais verificados para solucionar demandas técnicas para equipamentos de cozinhas industriais/profissionais. A solução permite aos estabelecimentos solucionarem os problemas de seus equipamentos com mais agilidade e segurança.

Cook Cold: marketplace para manutenção de equipamentos de cozinhas industriais/profissionais (Imagem: divulgação)

Hoje o Cook Cold atende mais de 500 clientes detentores de equipamentos de cozinhas industriais/profissionais. Para os próximos meses, o plano é realizar uma expansão sustentada para cidades e capitais de porte, atuando no mercado da linha residencial e implementar um marketplace de produtos e acessórios na plataforma. Além disso, seus fundadores estudam ampliar novos serviços como limpeza pós-obra, serviços de faxina, nutricionistas, projetos, etc.

"Com relação ao custo, podemos dizer que nosso aplicativo, por oferecer soluções mais assertivas e em curto espaço de tempo, promove uma redução de gastos excessivos em serviços e peças incorretas, gás, energia e água, além de aumentar a vida útil do equipamento", declarou Matheus Ambrosio, cofundador da Cook Cold.  "A porcentagem de impacto financeiro é variável. Já tivemos situações de redução de 35% de custos no processo de manutenção". 

Resíduos

Green Mining

Esta cleantech (startup que atua na área do meio ambiente) usa tecnologia para ter uma coleta mais eficiente com total rastreabilidade do material coletado e dos atores envolvidos na cadeia de logística reversa. Ao desenvolver o serviço para as indústrias que devem cumprir a logística reversa, a empresa afirma gerar uma economia importante para bares e restaurantes, pois a coleta é executada sem custo.

Sócios da Green Mining: coleta de resíduos executada sem custo (Foto: divulgação)


Hoje, a Green Mining atua em mais de 800 bares e restaurantes em cinco estados do Brasil. O objetivo é chegar a 5 mil estabelecimentos atendidos pela sua tecnologia nos próximos 12 meses.

"A coleta de materiais recicláveis representa entre 45% e 55% da quantidade gerada em um estabelecimento. Portanto, um bar que gasta cerca de R$1 mil por mês com coleta e destinação, pode economizar anualmente mais de R$5 mil", afirmou Rodrigo Oliveira, CEO da Green Mining. "Divulgando a iniciativa, o comerciante pode ainda atrair mais clientes que simpatizam com as causas ambientais". 


iWASTES

Esta startup quer facilitar e fornecer soluções tecnológicas para uma gestão de resíduos mais eficiente e sustentável. Por meio da inteligência de dados, suas soluções conectam os diferentes agentes que compõem a cadeia da gestão ambiental, facilitando o gerenciamento de coleta, descarte, rastreio e emissão de licenças.

Hoje a iWASTES atua em 17 bares e restaurantes na cidade de São Paulo, além de outros três no interior do estado. Além de bares e restaurantes, a startup está expandindo sua atuação para alguns segmentos de indústrias, focando preferencialmente nos segmentos que possuam algum tipo de sinergia com bares e restaurantes.

"A iWASTES tem como objetivo, o zero desperdício ambiental e financeiro com os resíduos que são gerados. Portanto, temos o conhecimento e estrutura necessários para, junto com os geradores, chegarmos a cerca de 90% de redução de custo e ainda, com possibilidade de geração de receita", explicou Frederico Vieira, sócio-diretor da startup.

Segurança

AliceGo 

A femtech conecta mulheres a bares e restaurantes e oferece uma visão 360 sobre diversidade, inclusão e segurança, além de treinamento, acompanhamento e gestão de público. Os benefícios vão desde o compartilhamento espontâneo e maior alcance de público, até a prevenção e atenção a medidas de segurança. Hoje a solução da startup já está em 12 redes entre bares e restaurantes e tem previsão de expansão nacional até o final deste ano.

Segundo Eridan Lengruber, CEO e fundadora da AliceGo, a solução da startup pode trazer redução de até 35% no que é gasto com marketing por bares e restaurantes.

"Nossa solução permite também campanhas mais assertivas chegando até a consumidora final, já que estamos falando da consumidora que é responsável por gerar quase 80% a mais de mídia espontânea e tem um consumo mais qualificativo segundo pesquisas do setor. Isso sem contar o impacto gerado, contribuindo para um ecossistema combativo e ativo na questão de protocolos de segurança da mulher".


Supply

NetFoods

Essa plataforma conecta operadores de foodservice à indústria e fornecedores. Seu hub de soluções traz uma tecnologia proprietária, criando um ecossistema para atender as necessidades do mercado de Food, passando por: crédito, contratação, capacitação e conteúdos, armazenagem e logística.

NetFoods: marketplace para o setor de food com mais de 2,5 mil estabelecimentos cadastrados (Imagem: divulgação)


Hoje, a NetFoods conta com mais de 2.500 estabelecimentos cadastrados na região do estado de SP e está expandindo suas operações para região Nordeste a partir de agosto de 2021.

"Já temos casos de incorporação de 20% de economia no total de compras mensal, após a recorrência de uso de 60 dias", afirmou Adriano Rodrigues — CEO e fundador da NetFoods. "Com a facilidade de encontrar novos produtos e fornecedores com agilidade e eficiência e participação das campanhas de benefícios e serviços disponibilizados pela NetFoods, parceiros que utilizam a plataforma para cotações e compras economizam ainda em torno de 70% do tempo".

Benefícios

Barpass

Trata-se de um clube de benefícios para quem se alimenta fora de casa e que é utilizado a partir de um app. A solução concede descontos no fechamento da conta sem que o usuário precise lidar com restrições e cadastros infinitos. O diferencial da plataforma está nos pacotes de assinatura oferecidos para empresas que podem oferecer este serviço para seus colaboradores. Os estabelecimentos parceiros não pagam à Barpass para fazer parte da plataforma, mas precisam proporcionar desconto mínimo de 10% aos usuários do App.

Atualmente, a Barpass está em mais de 250 estabelecimentos em regiões como a cidade de São Paulo, Campinas, Rio de Janeiro e Florianópolis. A ideia é expandir para as capitais em que seus atuais clientes (empresas) tenham unidades.

"Dados de investimento com fidelização do cliente nem sempre são levados à risca pelos donos de estabelecimentos, e podem aumentar conforme o tempo", disse Felipe Ribeiro, fundador da Barpass. "Com o Barpass esse custo é gerenciado direto pela plataforma, e se resume a um mínimo de 10%, que, na verdade, é concedido diretamente para o cliente".

Gostou dessa matéria?

Inscreva seu email no Canaltech para receber atualizações diárias com as últimas notícias do mundo da tecnologia.