Xiaomi Mi Band 4: ainda vale a pena comprar em 2020?

Por Felipe Junqueira | 03 de Agosto de 2020 às 16h45
Divulgação/Xiaomi
Tudo sobre

Saiba tudo sobre Mi Band 4

Ficha técnica

A Mi Band 5 foi lançada oficialmente no Brasil na última quarta-feira (29) sem grandes novidades em comparação com o modelo da geração anterior da Xiaomi. E aí, surgem as dúvidas: com a possível queda de preços da Mi Band 4, a pulseira ainda compensa ou é melhor já partir para a mais recente?

Ainda tem muito estoque da smartband de quarta geração no Brasil. O preço parte de perto de R$ 190 no varejo, enquanto na loja oficial da Xiaomi você encontra por R$ 350. Já a Mi Band 5 não vai ser encontrada por menos de R$ 300 no varejo, e custa R$ 450 na loja oficial.

Uma diferença de preço considerável para ter tela maior e algumas funções a mais, certo? Não necessariamente. Vamos ver a seguir os principais pontos das duas pulseiras para entender se ainda vale a pena gastar seu dinheiro no modelo antigo, ou se é mais jogo investir um pouco mais no modelo mais recente.

Mi Band 4: design e tela

A Mi Band 4 é uma caixa retangular com laterais arredondadas que se insere em uma pulseira de elastômero termoplástico (TPE). O dispositivo é resistente à água até 5 ATM, ou 50 metros de profundidade. A caixa da nova geração possui uma fivela de liga de alumínio, e tem sistema um pouco diferente para trocar a pulseira.

Há uma vantagem na quinta geração com relação à recarga, feita com um cabo magnético. Na Mi Band 4, tem que tirar a caixa da pulseira e inserir no carregador, que entra em um conector USB. A resistência à água é a mesma nos dois modelos.

O display da Mi Band 4 já era um OLED colorido, com 0,95 polegada. O vidro é temperado, com curvatura 2.5D, e o visor conta com toque capacitivo. A resolução é de 120 x 240 pixels e o brilho atinge 400 nits de intensidade. No modelo novo, muda o tamanho da tela, para 1,1 polegada, a resolução ganha mais alguns pixels e o brilho atinge 450 nits.

O ganho no papel parece considerável, mas, na experiência do dia a dia, você mal vai sentir. Claro, é compreensível quem quer aproveitar o melhor visor disponível no mercado, mas se pesar a diferença de preços, é uma boa quantia a mais para se gastar somente por alguns décimos a mais de polegadas e poucos pixels extras.

O brilho, sim, é um bom diferencial, mas ainda insuficiente para compensar um investimento tão mais alto. Assim como o sistema de recarga: ficou mais prático, mas o salto não é tão a ponto de justificar a opção pela quinta geração neste momento.

Mi Band 4: recursos e bateria

Mi Band 4 tem boa parte dos recursos presentes na quinta geração (Imagem: Divulgação/Xiaomi)

A quarta geração da pulseira da Xiaomi trazia entre os principais recursos a possibilidade de controlar músicas reproduzidas no celular, monitoramento de batimentos cardíacos e sono e contador de passos, distância e calorias queimadas. Também recebe notificações de mensagens e de recebimento de chamadas, com a possibilidade de recusar.

Com relação aos exercícios, são seis modos de treino: esteira, exercício, corrida ao ar livre, ciclismo, caminhada e natação. A nova geração adicionou mais cinco: pular corda, spinning, elíptico, aparelho de remo e ioga, além de detecção automática de caminhada ou corrida. Aqui, a importância dos novos recursos vai se dar pela sua necessidade específica em relação a algum deles.

Outra inclusão na Mi Band 5 é a câmera remota e várias funções ligadas à saúde, incluindo o ciclo menstrual, além de monitoramento de estresse. De resto, ambas possuem recursos básicos como relógio, cronômetro, despertador e temporizador, o que as deixa no mesmo patamar na maior parte do tempo.

A capacidade de bateria é maior na Mi Band 4, mas ambas devem entregar cerca de duas semanas longe da tomada. Isso significa que a facilidade para fazer a recarga é uma situação para ser lidada a cada 14 dias, mais ou menos.

Conclusão

É verdade que a Xiaomi trouxe um número considerável de novidades para a Mi Band 5, mas a menos que você pratique algum dos cinco novos exercícios monitoráveis, não há muito motivo para gastar cerca de R$ 100 a mais no modelo novo.

A Mi Band 4 ainda entrega uma ótima experiência, com muitos recursos bem bacanas. Não há diferença no tempo de uso antes de precisar recarregar a pulseira e o tamanho da tela aumentou, mas não chega a ser tanta coisa assim, portanto vale a pena, sim, economizar um bom dinheiro para ficar com um dispositivo que não está nem um pouco ultrapassado.

Gostou dessa matéria?

Inscreva seu email no Canaltech para receber atualizações diárias com as últimas notícias do mundo da tecnologia.

Ofertas Mi Band 4

  • Atacadão Digital*
    SmartBand Xiaomi Mi Band 4 Bluetooth
    R$ 177,60
  • Americanas
    Smartband Mi Band 4 Original - Lançamento
    R$ 184,99
  • Shoptime
    Smartband Mi Band 4 Original - Lançamento
    R$ 184,99