Review Samsung Galaxy S21+ | A bateria maior faz diferença

Review Samsung Galaxy S21+ | A bateria maior faz diferença

Por Jucyber | Editado por Léo Müller | 23 de Agosto de 2021 às 19h10
Ivo/Canaltech

O Samsung Galaxy S21+ é a alternativa mais focada em quem prefere investir um pouco mais para ter como bônus uma tela maior e bateria mais robusta, influenciando diretamente na autonomia do celular.

Além disso, o design traz na construção características mais relacionadas a um celular premium, como o vidro na parte traseira. Este material não está presente na versão menor, e isso destaca ainda mais o “irmão maior”.

Será que neste caso tamanho é documento e vale a pena investir no celular? Confira na análise completa.

Quer ficar por dentro das melhores notícias de tecnologia do dia? Acesse e se inscreva no nosso novo canal no youtube, o Canaltech News. Todos os dias um resumo das principais notícias do mundo tech para você!

Prós

  • Tela de 120 Hz;
  • Proteção IP68;
  • Gravação em 8K;
  • Boa autonomia de bateria;
  • Sistema de som estéreo agradável.

Contras

  • Falta de carregador na caixa;
  • A largura atrapalha a empunhadura;
  • Trava no modo de economia de energia.

Confira o preço atual do Galaxy S21+ 5G

 

Design e Construção

O Galaxy S21+ traz uma roupagem completamente nova, quando comparado com o antecessor S20+. Porém, visualmente ele é uma versão amplificada no Galaxy S21, se diferenciado do “irmão menor” pelo tamanho e material utilizado na construção.

  • Dimensões: 161,4 x 75,6 x 7,8 mm
  • Peso: 202 gramas

Ele é mais pesado do que o esperado, mas o formato amplificado ainda chama a atenção de quem prefere smartphones maiores. A traseira é em vidro e isso dá o aspecto mais premium e próximo das expectativas de quem investe alto para ter um topo de linha.

À direita estão os dois botões para controle de volume e um terceiro, que é híbrido, possibilitando desligar o celular ou ativar a assistente pessoal Bixby.

Esse modelo conta com duas saídas de som. Uma foi aplicada discretamente no topo do aparelho e a outra na posição padrão, na parte de baixo do celular, próxima da conexão USB-C e da gaveta de chips.

Um recurso que merece ser destacado é a certificação IP68, que foi mantida pela Samsung no S21+, garantindo a proteção do smartphone contra água e poeira.

Conexões

Existe apenas uma entrada física no Samsung Galaxy S21+, que é a conexão USB-C para inserir o cabo de carregamento. O uso dos chips de operadora é realizado na gaveta dupla, em que é possível inserir dois cartões nano SIM.

A tecnologia Bluetooth 5.0 está presente no celular e entrega como vantagem para o usuário a opção de conectar mais equipamentos simultaneamente e de maneira mais estável. Para internet wireless, o Wi-Fi 6 faz a conexão ser ainda mais segura e rápida, considerando as configurações do roteador utilizado.

Samsung Galaxy S21+ 5G possui diversas tecnologias de conexão de última geração (Ivo/Canaltech)

O grande diferencial da linha Galaxy S21 é o 5G, que também está presente no S21+. Apesar do leilão dessa nova rede ainda nem ter começado Brasil — e não existe uma previsão mais concreta para tal —, a sul-coreana já deixou claro que o celular está preparado para esse momento.

Assim como em versões anteriores, a tecnologia NFC está presente no topo de linha da marca. Dessa forma, o usuário pode utilizar o Samsung Pay como alternativa para o pagamento por aproximação.

Tela

A tela do Galaxy S21+ é AMOLED dinâmica de 6,7 polegadas, um tamanho que chama a atenção de quem prefere smartphones com displays maiores.

Mesmo se destacando em amplitude, o grande ponto negativo do visor desse celular é a resolução Full HD+ de 2400 x 1080 pixels. Essa qualidade em uma tela grande deixa os pixels mais aparentes, o que pode ser incômodo no uso constante e não combina com um aparelho tão caro.

O Galaxy S21+ 5G tem tela de 120 Hz (Ivo/Canaltech)

Entretanto, as cores exibidas na tela são vívidas e realistas, permitindo que a experiência de uso seja positiva nesse quesito. Além disso, o display tem taxa de atualização de 120 Hz.

Na prática, isso quer dizer que os conteúdos exibidos na tela possuem uma fluidez maior e isso influencia diretamente na navegabilidade. Um ponto que exige atenção é a descrição do recurso como “Adaptável” nas configurações do sistema.

Isso significa que o ajuste vai ser alterado entre diversas frequências, ajustando-se à necessidade no momento do uso. De acordo com a empresa, essa adaptação varia entre 45 Hz e 120 Hz, explorando taxas maiores apenas em apps mais exigentes e jogos compatíveis.

Configuração e Desempenho

A Samsung já realizou o lançamento do Galaxy S21+ com a interface One UI 3.1, possibilitando que os usuários tivessem acesso aos recursos mais recentes implementados no sistema personalizado do aparelho, em conjunto com o Android 11.

Como grande novidade na interface, a sul-coreana implementou o Exynos 2100, caracterizado pela marca como o “Novo Exynos” no momento do anúncio da linha de celulares em 2021. Comparando com a versão instalada na linha Galaxy S20, existem diversas novidades positivas em relação ao desempenho.

A velocidade do Galaxy S21+ está mais próxima da entregue no Snapdragon 888, chipset usado pela Samsung na versão vendida nos Estados Unidos. Sendo assim, os usuários terão a mesma experiência de uso, independentemente da plataforma.

Juntamente ao novo chipset, a Samsung disponibiliza 8 GB de RAM no modelo, com alternativas de 128 GB ou 256 GB de armazenamento interno. Infelizmente o celular não possui opção de expansão via cartão microSD. Então, é preciso ter atenção ao espaço com arquivos mais pesados, como as gravações em 8K.

De modo geral, é agradável utilizar o Galaxy S21+ para navegar entre diferentes aplicativos, jogar, tirar fotos e realizar filmagens. A quantidade de memória RAM alinhada com o chipset e o armazenamento interno fazem toda a diferença no dia a dia. 

Segurança

A parte de segurança do Galaxy S21+ é semelhante à encontrada em outros aparelhos da geração S21 de flagships da Samsung. Existem duas formas de biometria que mais se destacam e chama a atenção dos usuários.

Uma delas é o reconhecimento facial, em que é possível identificar o dono do celular por meio do rastreamento rápido do rosto. Uma das vantagens desse recurso é conseguir se adaptar a diferentes tipos de usuários, pois permite a leitura da face com ou sem óculos.

Outra biometria é o leitor de digitais ultrassônico, que foi instalado novamente sob o display. Essa opção é a que mais me agrada por conseguir realizar o desbloqueio de forma rápida e precisa, além da Samsung garantir que a tecnologia utilizada no S21+ é mais eficaz do que a solução de outras fabricantes.

Câmera

O Galaxy S21+ tem um conjunto triplo de câmeras na traseira, com ajustes personalizados para alcançarem um formato de qualidade fotográfica diferente em cada sensor. Já para selfies, a empresa, se mantém trabalhando com apenas uma câmera frontal, trazendo ajustes para agradar ao público.

Câmera Principal

A câmera principal é de 12 MP e tem abertura f/1.8, com uma visibilidade maior graças à lente grande-angular, algo em que a empresa vem apostando no sensor de maior qualidade e se tornou um ponto positivo.

Com a evolução na nitidez, existe um melhor detalhamento do ambiente fotografado, algo importante para gerar resultados atraentes e condizentes com um celular premium.

Essa câmera consegue se sair muito bem em diversas situações de iluminação por trabalhar com a Inteligência Artificial e o HDR, que ajudam a evitar que fotos no contraluz fiquem com o fundo estourado.

O foco funciona muito bem, pois é rápido e preciso no modo automático e se torna ainda mais interessante para os usuários que gostam de tirar o celular do bolso e já realizar os cliques sem que muitos ajustes sejam necessários.

Câmera ultra grande-angular

Com câmera ultra grande-angular de 12 MP tem abertura de f/2.2, e garante um ângulo de captura de 120°, facilitando a inclusão de mais elementos na fotografia.

Esse sensor se sai muito bem, mesmo que seja necessário ter cautela no uso, principalmente se o objetivo for editar posteriormente. Isso porque esse sensor tende a deixar as fotos com um pouco mais de ruídos na hora dos ajustes.

Câmera Teleobjetiva

A câmera com maior resolução é a teleobjetiva — também conhecida como telefoto —, que tem 64 megapixels e abertura f/2.0, proporcionando capturas de boa qualidade, mesmo que seja de objetos ou pessoas distantes.

Ela faz imagens com zoom híbrido de 3x, proporcionando um nível de detalhes dentro do aceitável para este formato fotográfico.

Ela também traz o zoom digital de 30x, que não explora tanto o hardware, mas sim o software e não se sai muito bem nessa situação. Então, para evitar frustrações pela falta de qualidade, é melhor nem usar em uma distância focal tão grande.

Modo retrato

O modo retrato na câmera traseira está muito bom, mostrando melhorias positivas em relação ao Galaxy S20+. Apesar disso, ainda acredito que seria ideal aprimorarem a nitidez da imagem final, pois não adianta ter um bom contorno se falta qualidade na foto.

Obviamente que esta limitação pode estar relacionada com o fato do recurso ser aplicado via software, e isso afeta a foto inevitavelmente.

Modo Noturno

O modo noturno no Galaxy S21+ é bom, pois o software recebeu uma boa evolução e agora faz a leitura do ambiente de maneira mais inteligente e completa, dando imagens mais nítidas e com a clareza esperada do elemento em destaque.

Os resultados não trazem muita diferença em relação ao “irmão menor”, mas é perceptível que a entrada de luz poderia ser melhor, mas o fato da identificação do elemento ser feita de maneira clara pela Inteligência Artificial — mesmo em locais totalmente escuros — dá um outro patamar de qualidade.

Câmera frontal

O sensor da câmera frontal possui 10 MP com abertura f/2.2 e tem como adicional o formato wide. Dessa maneira é possível tirar selfies com maior distância do rosto e até com outras pessoas, sem o auxílio de acessórios para aumentar o campo de visão.

Assim como o S21, não há muito a acrescentar sobre as fotos além da qualidade do S21+ permitir que a resolução seja explorada de maneira ok, mesmo que ainda apresente um pouco do efeito que “emboneca” a pele — inclusive quando o modo de embelezamento está desativado.

O fato de ter a opção de HDR automático já garante que as fotos em contraluz sejam melhores. O smartphone permite que o usuário tenha acesso a um ajuste equilibrado e com visibilidade semelhante à aplicada em smartphones de outras fabricantes mais avançadas no quesito fotografia, como a Apple na linha iPhone 12.

As cores ficam equilibradas e isso facilita para quem não tem muito conhecimento de edição de imagens e quer publicar diretamente nas redes sociais, sem que ajustes adicionais sejam necessários, já que a imagem é processada com uma qualidade interessante.

O modo escuro é uma adição bem-vinda à câmera de selfies, pois a luminosidade extra permite boas capturas, especialmente porque o sistema traz um pouco de otimização para evitar ruídos.

Em adição, o modo retrato também está presente e funcionando via software. O recurso entrega um bom contorno e o recorte é feito com a qualidade semelhante à da câmera traseira.

Vídeo

Focando em melhorar ainda mais os vídeos, a câmera frontal oferece modo de filmagem em resolução máxima de 4K a 30 fps ou 60 fps, opções que são interessantes para os usuários que desejam gravar Stories com melhor qualidade, vídeos para o TikTok ou até mesmo vlogs.

O upgrade para filmagens na câmera traseira foi melhor, pois a Samsung inseri no Galaxy S21+ a opção de gravações em 8K a 24 fps, que pode ser interessante para capturas com alta nitidez e riqueza de detalhes. A frequência ainda garante um “gostinho de cinema” às imagens devido aos 24 fps.

Em conjunto com isso, está o modo “Visão do Diretor” em que existe a opção de alternância entre as três câmeras traseiras do smartphone para criar uma filmagem dinâmica.

Sistema de Som

Não há do que reclamar em relação ao áudio do S21+, pois os dois alto-falantes da AKG conseguem entregar bons resultados de som estéreo. Desta forma, fica nítida a separação entre voz e sons secundários, um aspecto diferenciado no celular premium.

Ele é mais eficaz quando se eleva o som do smartphone até o último volume. O grande ponto positivo é a ausência de distorções, deixando o áudio mais limpo.

Saída de som no topo do Galaxy S21+ 5G (Ivo/Canaltech)

Uma recomendação para quem quiser aproveitar ainda mais as opções de áudio presentes na interface da Samsung, como o equalizador digital e outras tecnologias implementadas pela marca, é a compra dos fones TWS da linha Buds, que possuem compatibilidade total com o aparelho, conectividade rápida e permitem uma elevação na experiência sonora.

Bateria e Carregamento

A respeito da bateria, o Galaxy S21+ consegue se destacar tanto na capacidade quanto no tamanho. Isso porque a Samsung implementou 4.800 mAh nesta versão do flagship. Na prática, o tempo de uso dele é maior, evitando que a recarga no meio do dia seja necessária.

A evolução da autonomia é notória, mesmo comparando com o Galaxy S21, indicando que o ganho energético ao escolher a versão com display maior vai ser positivo, mesmo que o preço alto seja uma barreira a ser analisada pelos consumidores.

É interessante ver que a Samsung conseguiu aplicar um bom upgrade no topo de linha com tela maior sem acrescentar tantos miliamperes para tal, e isso fez toda a diferença para ele se destacar.

Infelizmente a Samsung seguiu a Apple e parou de fornecer o carregador na caixa. E, mesmo com tecnologia de carregamento rápido de 25 W, é preciso ter paciência para esperar o celular ser recarregado.

A bateria do Galaxy S21+ 5G tem uma ótima durabilidade (Ivo/Canaltech)

Para conseguir ter o resultado próximo do previsto, o teste de carregamento foi realizado com um carregador compatível de 25 W. Em relação ao tempo estimado para a energia do smartphone voltar ao máximo, ele alcançou 50% da carga em 40 minutos, mas precisou de 1 hora e 35 minutos para chegar em 100%.

Este período poderia ser menor caso a empresa optasse por uma versão de carregamento rápido mais avançada, como 50 W ou 65 W. Essas potências já são utilizadas em outras fabricantes, como a Xiaomi e Realme.

Esquentou um pouco!

Assim como foi dito no review do Galaxy S21, o Exynos 2100 realmente conseguiu evoluir de maneira positiva, quando comparado com o Exynos 990, implementado na geração anterior de smartphones.

Porém, durante o jogo Asphlat 9, foi notória a diferença na temperatura quando o celular atingiu 10% de bateria. O aparelho começou a forçar o modo de economia de energia, e por não confirmar a ativação da função, o celular começo a esquentar mais do que o esperado.

Ele chegou a 40 °C e foi uma surpreendente por ele estar conseguindo lidar melhor com a exploração do hardware do que o modelo menor. Antes desse evento isolado, ele estava esquentando até 35 °C.

Testes práticos

Com o foco de compreender o funcionamento energético do aparelho, foram realizados dois tipos de testes. No primeiro o celular realizou a reprodução de séries na Netflix por 3 horas com o aparelho conectado à rede WiFi e com o brilho da tela em 50%.

Neste caso, a bateria registrou um consumo de 17%, dando a estimativa de até 17 horas para zerar a carga. No segundo teste, o foco era saber como seria o comportamento do S21+ em jogos por 1 hora em cada título, e o terceiro indica a experiência de uso no dia a dia. Os resultados alcançados foram os seguintes:

Teste em jogos

  • Asphalt 9: o consumo foi de 24% de bateria, com uma estimativa total de uso de aproximadamente 4 horas.
  • Call of Duty Mobile: o consumo foi de 17% de bateria, com uma estimativa total de uso de aproximadamente 6 horas.
  • Free Fire: o consumo foi de 12% de bateria, com uma estimativa total de uso de aproximadamente 8 horas.
  • PUBG: o consumo foi de 17% de bateria, com uma estimativa total de uso de aproximadamente 6 horas.
  • League of Legends: Wild Rift: o consumo foi de 13% de bateria, com uma estimativa total de uso de aproximadamente 7 horas.
  • Crash On The Run: o consumo foi de 13% de bateria, com uma estimativa total de uso de aproximadamente 7 horas.

Teste número 2 - Streamings de vídeo variados

  • Netflix: a reprodução de série gera o consumo de 7% de bateria, com uma estimativa total de uso de aproximadamente 14 horas.
  • Disney Plus: a reprodução de série gera o consumo de 11% de bateria, com uma estimativa total de uso de aproximadamente 9 horas.
  • Amazon Prime Video: a reprodução de série gera o consumo de 8% de bateria, com uma estimativa total de uso de aproximadamente 12 horas.
  • YouTube: a reprodução de série gera o consumo de 8% de bateria, com uma estimativa total de uso de aproximadamente 12 horas.

Teste na experiência de uso

Para o uso normal, navegando entre apps de rede social e jogando casualmente na conexão Wi-Fi, foi registrada a autonomia total de 10 horas e 7 minutos, de acordo com o tempo de tela ligada. Um desempenho muito bom para a categoria, mostrando que a adição de miliamperes fez toda a diferença.

Concorrentes Diretos

Atualmente o Galaxy S21+ tem poucos concorrentes à venda aqui no Brasil. Com isso, os adversários do aparelho são compatíveis aos que confrontam o S21, principalmente quando a parte fotográfica é o diferencial. O Zenfone 7 consegue ser um bom competidor nesse quesito, apesar de perder no quesito modo noturno e recursos de filmagem.

Em desempenho, eles são semelhantes, apesar do modelo da Asus conseguir se destacar por ter a plataforma da Qualcomm aqui no país, algo que pode fazer a diferença para os usuários que são fãs do Snapdragon, mesmo que seja uma versão anterior.

Entretanto, quando se trata do conjunto geral, o iPhone 12 Pro eleva as expectativas, já que o iOS traz uma roupagem diferenciada de funcionamento do sistema, em alinhamento com o hardware que chama a atenção do público, principalmente para uso a longo prazo.

O Samsung Galaxy S21+ 5G tem preço menor e maior qualidade geral do que os concorrentes (Ivo/Canaltech)

Para redes sociais, o modelo da Apple ainda é o mais cobiçado porque a API de câmera do iOS é “mais compatível” com diversos aplicativos — principalmente Instagram e TikTok — e permite uma qualidade mais próxima da original nas publicações.

Em relação ao preço, o Galaxy S21+ está sendo comercializado na faixa dos R$ 4 mil, enquanto o concorrente da ASUS chega a um valor próximo de R$ 5 mil e o modelo da Apple ultrapassa R$ 6 mil. Sendo assim, o dispositivo da Samsung ainda tem um “custo-benefício” maior.

Conclusão

O Samsung Galaxy S21+ foi uma aposta arriscada e positiva da marca e, por este motivo, ele é uma opção de compra melhor do que o S21 5G. A presença do vidro na traseira dá o aspecto premium esperado para um celular na faixa de preço em que ele se encontra.

A tela maior é ideal para quem gosta assistir streaming e outras mídias. Porém, pode ser um aliado ainda mais interessante para a visualização de rotas em aplicativos de GPS.

Em relação ao desempenho, a experiência de uso é a mesma do S21, tendo apenas algumas diferenças quando se trata da temperatura, que é mais baixa no S21+.

O Galaxy s21+ 5G vale mais a pena do que o modelo menor (Ivo/Canaltech)

Por ter uma capacidade energética maior, é possível garantir longas horas de uso e isso é um grande diferencial ao público que busca um topo de linha para usar o dia todo longe das tomadas.

O novo conjunto triplo de câmeras entrega bons resultados, mesmo em baixa luz. O modo noturno recebeu um upgrade bem-vindo e isso proporciona fotografias melhoradas quando a falta de luminosidade da noite é explorada.

Para quem é criador de conteúdo, além do display amplificado, o modo “Visão do Diretor” permite uma maneira versátil de realizar gravações, dando uma nova roupagem para imagens que seriam mais estáticas ou dariam mais trabalho para gerar o resultado desejado.

Sendo assim, os usuários que estiverem dispostos a pagar o preço alto do Galaxy S21+, levarão para casa um celular bem equilibrado em recursos, mas com melhorias importantes no hardware.

Gostou do Samsung Galaxy S21+ 5G? Então, confira a oferta que separamos para você no link abaixo:

Gostou dessa matéria?

Inscreva seu email no Canaltech para receber atualizações diárias com as últimas notícias do mundo da tecnologia.