iPhone 13 vendido no Brasil é mais uma vez o mais caro do mundo

iPhone 13 vendido no Brasil é mais uma vez o mais caro do mundo

Por Renan da Silva Dores | Editado por Wallace Moté | 15 de Setembro de 2021 às 13h19
Reprodução/Apple

Após inúmeros rumores, a Apple anunciou nesta terça-feira (14) a aguardada família iPhone 13. Munida do novo processador A15 Bionic, os aparelhos prometem ser até 50% mais potentes que os concorrentes, enquanto oferecem "experiência cinematográfica" nas câmeras, maior autonomia de bateria e um visual mais moderno, com entalhe 20% menor.

Todas essas melhorias não chegaram a causar impacto no preço nos EUA, por exemplo, e até mesmo representaram uma queda de R$ 500 no preço oficial praticado no Brasil. Mesmo assim, sem grandes surpresas, o iPhone 13 brasileiro segue líder como o mais caro do mundo, como revelam levantamentos do site Nukeni e do site brasileiro de descontos Picodi.com.

iPhone 13 brasileiro é mais caro do mundo

A pesquisa realizada pelo Nukeni, com os quatro modelos de iPhone 13 em todas as configurações de armazenamento, revela que o mercado brasileiro segue oferecendo o iPhone mais caro do mundo. A liderança é por vezes compartilhada com a Turquia, mas o Brasil ainda mantém os valores mais altos na maioria dos casos, especialmente nos modelos com maior capacidade de armazenamento.

Quer ficar por dentro das melhores notícias de tecnologia do dia? Acesse e se inscreva no nosso novo canal no youtube, o Canaltech News. Todos os dias um resumo das principais notícias do mundo tech para você!

Tomando como referência as versões base de 128 GB, o iPhone 13 mini brasileiro é vice-líder, custando R$ 6.599, ou cerca de US$ 1.256. Na líder Turquia, o celular compacto da Apple é vendido pelo equivalente a R$ 6.835, ou algo em torno US$ 1.300. Do lado oposto, também sem causar surpresas, os EUA oferecem o iPhone 13 Mini mais barato, por US$ 729, ou R$ 3.828. O país é seguido de perto por Hong Kong, que vende o aparelho por US$ 771, ou cerca de R$ 4.050.

Custando o equivalente a US$ 1,446, o iPhone 13 vendido no Brasil é o mais caro do mundo (Imagem: Divulgação/Apple)

O Brasil assume a liderança do alto custo com o iPhone 13 tradicional, vendido por R$ 7.599, ou US$ 1.446, seguido pela Turquia, que vende o telefone por R$ 7.457, ou US$ 1.419. O iPhone 13 mais barato é novamente dos EUA, com preço de US$ 829, ou R$ 4.353, com Hong Kong na vice-liderança, vendendo o iPhone 13 por US$ 874, ou R$ 4.590.

É na Turquia que o iPhone 13 Pro mais caro do mundo é vendido, por R$ 9.943, ou US$ 1.893, enquanto o Brasil é vice-líder, vendendo o aparelho por R$ 9.499, ou US$ 1.808. O mais barato é mais uma vez dos EUA, custando US$ 999, ou R$ 5.246, seguido de Hong Kong, com preço de US$ 1.092, ou R$ 5.740.

A Turquia possui o iPhone 13 Pro Max mais caro do mundo, mas é seguida de perto pelo Brasil, posicionado na vice-liderança (Imagem: Reprodução/Apple)

Por fim, o iPhone 13 Pro Max mais caro também é turco, tendo preço sugerido de R$ 11.186, ou US$ 2.130, com o Brasil novamente ocupando a segunda posição, vendendo o celular por R$ 10.499, ou US$ 2.000. O modelo mais barato é dos EUA, custando US$ 1.099, ou R$ 5.771, junto ao de Hong Kong, com preço de US$ 1.210, ou R$ 6.350. Você pode conferir a lista completa com os valores de todos os modelos em diferentes países neste link, lembrando que em alguns países os impostos são incluídos no ato da compra, aumentando o valor sugerido pela empresa.

Preço do iPhone 13 Pro no Brasil equivale a quase 4 meses de trabalho

Paralelo a isso, tomando como base o iPhone 13 Pro de 128 GB, o site Picodi.com realizou um levantamento em que definiu quantos dias de trabalho são necessários para que um usuário consiga pagar o novo iPhone. O portal utilizou os valores oficiais do aparelho, bem como os dados de salário médio divulgados por ministérios ou escritórios de estatística de cada país, e considerou 21 dias úteis como média.

Um brasileiro precisa trabalhar mais de 79 dias para conseguir pagar o iPhone 13 Pro de 128 GB, em contraste aos 5,9 dias nos EUA (Imagem: Picodi.com)

Segundo a pesquisa, um brasileiro interessado no lançamento da Apple teria de trabalhar 79,2 dias, o equivalente a quase 4 meses, considerando apenas os dias úteis. Apesar de ainda representar um período exageradamente prolongado, especialmente quando consideramos que um usuário dos EUA teria de trabalhar apenas 6 dias, o número mostra uma evolução ao representar uma queda de 4 dias em comparação aos 83,3 dias do iPhone 12 Pro em 2020.

Detentora do iPhone 13 Pro mais caro do mundo, a Turquia curiosamente encontra-se em uma situação ainda mais delicada que o Brasil — por lá, interessados no aparelho precisariam trabalhar 92,5 dias, ou quase 4 meses e meio para conseguir adquiri-lo. A vice-liderança fica com as Filipinas, com 90,2 dias, em virtude do salário médio significativamente mais baixo, mesmo que os preços dos iPhones estejam mais próximos dos EUA.

Fonte: 9to5Mac, Picodi.com

Gostou dessa matéria?

Inscreva seu email no Canaltech para receber atualizações diárias com as últimas notícias do mundo da tecnologia.