Honor assume a liderança no mercado de celulares na China pela primeira vez

Honor assume a liderança no mercado de celulares na China pela primeira vez

Por Vinícius Moschen | Editado por Wallace Moté | 29 de Abril de 2022 às 09h24
Reprodução/Honor

Novos relatórios divulgados pela agência de mercado Canalys mostram que a Honor está em pleno crescimento na China, reforçando a decisão sábia de se separar da Huawei após os embargos impostos pelo governo dos Estados Unidos. Pela primeira vez em sua curta história, a marca lidera a lista das empresas que mais vendem smartphones em seu país de origem, desbancando concorrentes mais tradicionais.

Declínio da Huawei gera alta competitividade (Imagem: Canalys)

A Honor começou a ter seus dados considerados de forma separada apenas no início de 2021, já que antes era uma submarca da Huawei. Entretanto, o desmembramento ocorreu em um contexto de crise na empresa-mãe, já que sanções impostas por governos ocidentais provocaram grandes quedas em uma fatia de mercado que já chegou a ultrapassar os 40%.

Desde então, o panorama chinês é de muita competitividade, em que várias empresas possuem vendas em proporções semelhantes. Nesta conjuntura, a Honor atingiu cerca de 20% do total de smartphones comercializados por lá no primeiro trimestre de 2022, com uma quantidade próxima a 15 milhões de unidades vendidas.

A empresa é seguida de perto pela Oppo, em que as vendas são consideradas em conjunto com a OnePlus. As duas marcas atingem 18% das vendas na China, um decréscimo de cinco pontos percentuais em relação ao primeiro trimestre do ano passado.

A marca estrangeira com melhor colocação no ranking é a Apple, em uma espécie de “empate técnico” com a Oppo. A companhia de Cupertino também tem 18%, mas fica pouco atrás da concorrente na quantidade bruta de dispositivos comercializados.

A Xiaomi, marca que se destaca como a chinesa mais popular no mercado global, fica apenas na quinta colocação. Com 14% da fatia e 10,6 milhões aparelhos vendidos, ela também fica atrás da Vivo Mobile, com 12,2 milhões de dispositivos enviados e 16% do total.

Empresa

Vendas

1º T - 2022

(em milhões)

Fatia de mercado

1º T - 2022

Vendas

1º T - 2021

(em milhões)

Fatia de mercado

1º T - 2021

Honor 15,0 20% 4,9 5%
Oppo 13,9 18% 21,0 23%
Apple 13,8 18% 11,8 13%
Vivo 12,2 16% 21,6 23%
Xiaomi 10,6 14% 13,5 15%
Outras 10,2 13% 19,7 21%

Mercado em dificuldades

De acordo com analistas da Canalys, a realização de lockdowns em várias cidades chinesas provocou maiores dificuldades no mercado consumidor, que ainda não tinha se recuperado de ondas anteriores da covid-19.

Por conta de atrasos logísticos, as empresas precisaram tomar medidas cuidadosas em seus estoques, o que também afeta as vendas a curto prazo.

Mesmo assim, a expectativa para os próximos meses é positiva: com uma provável redução na crise dos semicondutores, as marcas poderão retomar um ritmo visto antes do início da pandemia.

Mercado de celulares na China ainda não teve a retomada esperada (Imagem: Canalys)

Entretanto, especialistas também afirmam que as empresas precisam tomar cuidado em relação aos seus canais de distribuição, já que precisarão cumprir um provável aumento de demanda. Estratégias equivocadas poderão causar mais escassez e filas de espera para recebimento dos dispositivos.

Fonte: Canalys

Gostou dessa matéria?

Inscreva seu email no Canaltech para receber atualizações diárias com as últimas notícias do mundo da tecnologia.