Crítica | The Liberator é boa história de guerra, e conquista pelo visual

Por Natalie Rosa | 14 de Novembro de 2020 às 10h00
Divulgação: Netflix

Um dos momentos mais tristes da história recente da humanidade é a Segunda Guerra Mundial, junto a ascensão do nazismo. Os Estados Unidos estiveram muito envolvidos nos combates, rendendo bastante assunto para o mundo do entretenimento, pois não é difícil encontrar diversas séries, filmes, documentários e livros sobre o tema.

Para diferenciar um pouco do tradicional de produções de guerra, a Netflix acaba de inserir em seu catálogo uma série sobre o tema que é um tanto quanto diferente. Em The Liberator, que conta com apenas quatro episódios, vemos a história sendo contada em um formato que é praticamente um live-action, mas que transforma os atores e os cenários, no caso muitos fundos verdes, em uma animação completa.

Quer ficar por dentro das melhores notícias de tecnologia do dia? Acesse e se inscreva no nosso novo canal no youtube, o Canaltech News. Todos os dias um resumo das principais notícias do mundo tech para você!

Atenção: esta crítica contém spoilers de The Liberator!

A série The Liberator nasceu a partir de um livro chamado The Liberator: A Odisséia de 500 dias de um soldado da Segunda Guerra Mundial das praias da Sicília aos portões de Dachau, publicado em 2012, e foi ao ar no último dia 11 de novembro em homenagem ao Veterans Day. Na data, os Estados Unidos reconhecem seus soldados de guerra, os que se foram e os sobreviventes.

Imagem: Divulgação/Netflix

As imagens da produção são todas feitas com uma técnica parente da rotoscopia, essa que consiste em redesenhar os quadros de uma filmagem para a transformar em uma animação. É claro que grande parte das cenas parecem ter se apoiado em muito cenários verdes, o que não impediu, no entanto, que objetos como paredes, portas, pedras, plantas e outros elementos não entrassem em sintonia dos personagens, uma vez que é muito fácil perceber que eles são reais, são atores de verdade.

A rotoscopia pode ser vista em outros títulos, como em vários filmes de Star Wars, em O Rei Leão, A Bela e a Fera, As Viagens de Gulliver, entre muitos outros. Porém, em The Liberator, o que acontece é a técnica chamada Enhanced Hybrid Animation, ou trioscope, talvez "trioscopia" na tradução para o português, que ainda não existe. Ela foi inventada pelo estúdio de animação School of Human, sendo a trama a sua primeira amostra.

Essa tecnologia fornece a característica da trama por completo, já que a animação permanece a mesma do começo ao fim, em 100% das cenas, deixando na tela uma imagem que mais parece uma "textura" de gibi, como se fosse possível tocar e sentir. De fato, assistir à trama é uma experiência única.

Imagem: Divulgação/Netflix

Mas não só de visual é feita a série The Liberator, como também de uma história que emociona, não deixando de lado a fórmula das produções que falam sobre a guerra. O protagonismo fica por conta do ator Bradley James, que pode ser visto nos filmes Anjos da Noite: Guerras de Sangue (2016), Merlin: O Começo da Lenda (1998), e nas séries iZombie e Homeland. Na trama, ele interpreta Felix Sparks, que comanda o 3° Batalhão do 167° Regimento de Infantaria da Segunda Guerra Mundial.

O foco da série é abordar não só os desafios de enfrentar os inimigos nazistas durante a Segunda Guerra Mundial, como também mostrar na prática a discriminação que existia nos Estados Unidos naquela época, quando vários indígenas e mexicanos-americanos também foram lutar pelo país. Há falas de preconceito estrategicamente encaixada nos diálogos, fazendo com que a resposta funcione como uma "ficha caindo" não só para quem está rebatendo o comentário preconceituoso, como para quem está assistindo e talvez nunca pode ter pensado naquilo.

Imagem: Divulgação/Netflix

Felix é o grande líder desses soldados e também a pessoa mais desconstruída do time, que em momento algum poupa esforços para vencer os nazistas e fascistas, e toda a crueldade que esteve por trás dessa terrível ideologia criada por Hitler. No entanto, suas decisões não são todas perfeitas, assim como os seus soldados, que com erros e acertos acabam sofrendo as consequências inevitáveis da violência de uma guerra. Entre feridos e mortos, não há como não se sentir empático diante daquela situação que, mesmo acabando em sobrevivência, deixa sequelas por toda a vida.

Os gráficos da série acabam chamando mais atenção que a história em si, assim como a atuação do elenco, que por sinal não deixa a desejar. É uma técnica tão diferente que muitas vezes você se flagra analisando cada detalhe, cada contorno, as cores, as feições e o cenário, se deixando levar pela distração. Por outro lado, não é uma história complicada e difícil de entender, até mesmo por quem não conhece muito bem a história e não está acostumado com a temática.

Imagem: Divulgação/Netflix

Mais do que tiros, mortes e confrontos, The Liberator traz uma humanização a mais para a Segunda Guerra Mundial, trazendo reflexões e empatia para o outro lado da tela, despertando uma curiosidade em conferir mais histórias reais sobre aquela época. A trama foi baseada em fatos, mostrando ao fim do último episódio o que aconteceu com os personagens principais.

The Liberator está disponível na Netflix em quatro episódios.

Gostou dessa matéria?

Inscreva seu email no Canaltech para receber atualizações diárias com as últimas notícias do mundo da tecnologia.