Instalação direta de apps abre as portas para malware, diz executivo da Apple

Instalação direta de apps abre as portas para malware, diz executivo da Apple

Por Felipe Demartini | Editado por Claudio Yuge | 04 de Novembro de 2021 às 22h20
Unsplash/Youssef Sarhan

O diretor de software da Apple, Craig Federighi, voltou a se posicionar contra uma proposta de representantes da União Europeia, que querem impor regras contra sistemas fechados contra o iOS. Na visão dele, a instalação direta de apps, sem que estejam disponíveis na App Store, abre as portas para a realização de campanhas de malware contra os seus usuários.

Falando nesta quarta-feira (03) durante o Web Summit 2021, evento focado no mercado digital, Federighi citou a inexistência de campanhas e operações em larga escala contra o iOS, na comparação com outros sistemas operacionais como o Windows e o Android. No caso da plataforma do Google, por exemplo, ele cita um total de cinco milhões de ataques registrados todos os meses, enquanto os totais referentes aos iPhones e iPads são “quase inexistentes” devido à segurança proporcionada pela App Store.

Ao permitir a instalação direta de apps, entretanto, tais aparatos deixam de existir. Na visão do diretor de software, sem o processo de aprovação e as proteções disponíveis na App Store, os usuários acabam sendo expostos a riscos. Outra prova disso seria o fato de, no Android, esse tipo de ação até ser possível, mas altamente desencorajada pelo Google, justamente, pelos problemas de segurança em potencial.

Quer ficar por dentro das melhores notícias de tecnologia do dia? Acesse e se inscreva no nosso novo canal no youtube, o Canaltech News. Todos os dias um resumo das principais notícias do mundo tech para você!

O discurso é mais uma ocasião em que a Apple se posiciona contra uma proposta que ainda está em tramitação. Os Atos de Serviços Digitais e Mercados Digitais, como são chamados, criam regras que promovem a interoperabilidade de soluções entre diferentes plataformas e visam fomentar a concorrência reduzindo a possibilidade do que os legisladores chamam de gatekeepers, ou seja, os sistemas isolados em que as soluções só podem ser instaladas a partir de um único local.

Federighi também criticou uma das abordagens possibilitadas pelo formato, apontando riscos mesmo em caso de liberação de novas lojas de aplicativos para o iOS, mesmo sem a possibilidade de instalação direta. Novamente, ele cita a ausência de mecanismos de proteção e aprovação das soluções, que podem existir mesmo em marketplaces certificados, e voltou a afirmar que esse também não é um caminho encorajado por seu principal rival, o Google.

A proposta da União Europeia nasceu de uma disputa relacionada ao mercado fonográfico, devido a apontamentos do setor sobre uma suposta distorção praticada pela Apple em favor de seu próprio serviço musical, em detrimento dos outros. Em abril, a Comissão Europeia informou sobre um parecer favorável aos reclamantes e disse que começaria a avaliar o uso exclusivo da App Store, principalmente no que toca seus meios de pagamento, e as restrições quanto a alternativas mais baratas aos desenvolvedores no iPhone e iPad.

A fala de Federighi representa o segundo posicionamento do tipo, por parte da Apple, em questão de semanas. Em outubro, a empresa também divulgou um estudo criticando a medida e apontando um volume de ataques até 45 vezes maior contra o sistema operacional Android, fruto, justamente, da instalação de aplicativos fora dos mecanismos oficiais e controlados pela marca. O documento também vem em resposta a uma proposta semelhante, introduzida em agosto tanto no Congresso quanto no Senado norte-americanos, que também pode proibir a Maçã de impedir a instalação direta de aplicativos.

Fonte: ZDNet

Gostou dessa matéria?

Inscreva seu email no Canaltech para receber atualizações diárias com as últimas notícias do mundo da tecnologia.