Está fazendo home office? Então fique de olho nestas dicas de segurança digital

Por Claudio Yuge | 23 de Março de 2020 às 12h12
Pixabay

Com a ameaça do novo coronavírus (SARS-CoV-2) e autoridades em todo o mundo cumprindo protocolos de prevenção, muitos trabalhadores têm ficado em casa ou locais compartilhados sem aglomeração de pessoas para realizar suas funções de forma remota. Sem uma rede profissional protegida contra ataques digitais, aumenta a preocupação com a segurança dos dispositivos, até porque muitos golpistas estão aproveitando esse momento para invadir sistemas. Então é preciso ficar de olho.

Abaixo estão algumas dicas para você se precaver contra atividades fraudulentas em ambientes virtuais, afinal o que está em jogo não são somente seus dados, mas também informações importantes e confidenciais de empresas.

1. Use uma VPN

Se você estiver trabalhando remotamente e precisar de acesso remoto aos datacenters da sua organização, uma VPN é vital. Para isso, não se faz necessário exatamente um serviço VPN, uma configuração de conexão criptografadas aos servidores já é suficiente. As companhias costumam ter técnicos capazes de fornecer o passo-a-passo para os colaboradores, então fique atento para seguir as instruções de seu grupo.

Se estiver usando uma rede Wi-Fi pública, certifique-se de usar uma VPN, que, neste caso, pode ser comercial. O tráfego exposto em hubs abertos pode ser interceptado e gerar muita dor de cabeça.

2. Use diferentes credenciais

Se você usa o mesmo laptop para fins pessoais e corporativos, é recomendável ter logins distintos para cada atividade. Além de permitir a compartimentação inteligente de dados e fluxo de trabalho, reduz as chances de dados e documentos confidenciais da sua organização serem vistos por olhos não-autorizados — e também pode servir para organizar melhor programas para quem utiliza as máquinas no ensino domiciliar dos filhos.

3. Não deixe dispositivos “jogados”

Fique de olho em laptops e tablets em áreas sociais, guarde as máquinas que não estão em uso, evitando até mesmo deixá-las espalhadas pela casa. Embora as visitas de pessoas de fora da sua residência não estejam em alta no momento, diminuir os riscos de acesso desautorizado ou eventual dano em um dispositivo continua sendo essencial nesses tempos de crise — até porque consertar esses prejuízos agora pode levar mais tempo ou custar caro.

4. Instale um antivírus

Por mais que todo mundo já esteja careca de saber disso, é sempre bom ter um aplicativo para proteção do seu sistema. Os laptops emprestados pelas empresas costumam vir com suas próprias soluções, mas não custa lembrar que, caso a máquina não tenha um software de defesa instalado, você pode fazer isso por conta própria.

Todo computador é suscetível a uma infinidade de malwares, de cavalos de Troia a worms que destroem dados e ransomware. Embora os antivírus não sejam garantia absoluta contra as ameaças digitais, pelo menos eles podem impedir grande parte ou avisá-lo sobre a presença de uma atividade estranha.

Se você armazenar localmente muitas informações sensíveis e/ou confidenciais, considere um conjunto de segurança mais sofisticado, de um fornecedor confiável que ofereça proteção em tempo real.

5. Cuidado com golpistas que se passam por colegas de trabalho

Ao navegar em casa, você já está ciente sobre as mais diversas ameaças contra seu sistema. Mas em um cenário de trabalho remoto, pode ser que se esqueça sobre as atividades criminosas que envolvem um ambiente corporativo.

Golpistas podem aproveitar para se infiltrar na sua rede profissional de contatos e se passar por algum colega de trabalho pedindo detalhes sobre suas operações e até mesmo requisitando informações importantes — como um hacker se passando por seu superior enquanto pede por um arquivo. Evite responder a mensagens incomuns sem a confirmação verbal de seus parceiros.

6. Instale um software de rastreamento no dispositivo

Os laptops fornecidos pelos empregadores costumam vir com um aplicativo de monitoramento para o caso de perda ou roubo. Ferramentas de código aberto como Prey e Pombo são gratuitas e podem ser uma mão na roda caso você não saiba onde sua máquina foi parar.

GPS, roteadores sem fio e outros dados baseados em localização são coletados e enviados ao servidores e, assim como as ferramentas “Ache meu telefone”, da Apple e o do Google, o dispositivo pode ser localizado ou ter seus dados excluídos remotamente.

7. Mantenha o armazenamento criptografado

A criptografia de disco é uma opção disponível na maioria dos sistemas operacionais, tanto em máquinas de mesa quanto nos laptops. Em muitos casos, é um extra que pode ser ativado quando necessário. Nos produtos da Apple com iOS 8 ou posterior, a criptografia é um recurso ativado por padrão.

Esse recurso de segurança, no entanto, precisa ser ativado manualmente na maioria dos casos — verifique o sistema operacional para obter detalhes. Essa é a melhor ferramenta de proteção na batalha contra ladrões que procuram dados. Se um dispositivo perdido ou roubado for encontrado e você não consiga obtê-lo de volta, os dados criptografados armazenados nele serão ilegíveis. Caso essa opção não esteja embutida, é possível também encontrar alternativas para isso na web.

8. Proteja sua máquina fisicamente

Por fim, é vital que você tome medidas para manter seu laptop ou tablet guardado em um local protegido da sua casa. Um armário com chave é a melhor forma de manter seu dispositivo longe das mãos de quem não deveria ter acesso ao seu hardware.

Fonte: TechRadar  

Gostou dessa matéria?

Inscreva seu email no Canaltech para receber atualizações diárias com as últimas notícias do mundo da tecnologia.