Como descobrir se seu celular tem um app espião instalado

Como descobrir se seu celular tem um app espião instalado

Por Dácio Castelo Branco | Editado por Claudio Yuge | 28 de Março de 2022 às 19h20
Chris Yang/Unsplash

Muito se fala sobre as ameaças virtuais como ransomware ou phishing, que podem ocasionar o vazamento de dados ou mesmo perdas financeiras. Só que existem outros tipos de problemas digitais além desses, e um dos que está se destacando nos últimos anos são os apps espiões, seja pela utilização em questões internacionais ou mesmo pelos problemas de privacidade sofridos pelas vítimas.

Quem acompanha as notícias do mundo sabe da polêmica que o aplicativo israelense Pegasus está causando já há alguns anos, utilizado por governos ditatoriais para espionar pessoas conectadas a oposição. E, embora esse app seja um caso específico e pareça estar bem longe da população brasileira, é bom que a população já esteja ciente sobre como esses programas atuam.

Então, independente de se tratar de uma operação governamental ou mesmo de um uso do programa espião para monitorar um alvo de um stalker, por exemplo, existem várias maneiras de ver como o app pode estar instalado em dispositivos, seja no PC ou smartphone. Confira:

Como identificar um aplicativo espião instalado no PC

Começando pelos computadores pessoais, programas espiões podem ser instalados nesses dispositivos de várias maneiras, embora as mais comuns sejam através de golpes de engenharia social, em que os controladores da ameaça manipulam a vítima a baixar o agente malicioso a partir de promessas de softwares com funções interessantes ou necessárias.

O problema desse tipo de ameaça nos computadores, porém, já é bem conhecido pela Microsoft e pela Apple, que disponibilizam em seus sistemas operacionais algumas ferramentas padrão que já identificam possíveis problemas facilmente e os bloqueiam. Soluções antivírus também realizam a identificação desses programas maliciosos, reforçando a necessidade de serem utilizadas nas máquinas.

Mas em alguns casos usuários ainda podem suspeitar que algo incomum está acontecendo no computador. Para checar por problemas vindos de possíveis aplicativos espiões, é recomendado que os usuários do Windows abram o Gerenciador de Tarefas e o de macOS o Monitor de Atividades, para checar todos os softwares que estão sendo executados na máquina.

Caso nessas soluções o usuário encontre qualquer aplicação fora do comum, ou que esteja utilizando o nome de um programa que não está sendo executado no momento, é possível que a infecção com soluções espiões tenha ocorrido — e é importante realizar uma pesquisa na internet com as características exibidas nos gerenciadores para confirmar a situação.

Se confirmado o problema, o ideal é realizar um escaneamento com sua solução antivírus e então deixar de quarentena a aplicação maliciosa - ou, se preferir, finalizar a tarefa no gerenciador, embora essa opção não seja definitiva igual o uso da ferramenta de segurança virtual.

Como identificar um aplicativo espião no iOS

iOS é menos sujeito a infecções com aplicativos espiões. (Imagem: Thiago Furquim/Canaltech)

Usuários de iPhone e demais aparelhos da Apple são alvos da campanha do aplicativo espião Pegasus, mas isso não quer dizer que esse tipo de situação seja comum no iOS, já que a abordagem da Maça em deixar sua loja de softwares mais fechada impede que programas maliciosos se propaguem com facilidade — o próprio Pegasus, por exemplo, só é instalável a partir do abuso de uma falha de dia-zero nos celulares, que já foi corrigida em versões mais atuais do firmware.

Mas essa situação só funciona desse jeito para os usuários que não tiverem realizado o jailbreak em seus dispositivos Apple — no “desbloqueio”, como os aplicativos não são checados de forma tão extensa quanto nos canais oficiais da Maça, infecções com outros tipos de softwares espiões podem ocorrer. Nesses casos, a forma de se livrar deles é restaurar as configurações de fábrica do aparelho.

Como identificar um aplicativo espião no Android

Android conta com mais aplicativos espiões que o iOS. (Imagem: Reprodução:Pixabay/neotam)

No Android, a situação muda bastante em relação ao iOS, já que embora oficialmente o Google, ao identificar aplicativos maliciosos em sua loja de softwares, os remova, o caminho até a identificação pode demorar — deixando a ameaça disponível para seus usuários.

Em caso de suspeita de uma infecção com aplicativos espiões no Android, existem algumas dicas que podem auxiliar na identificação. A principal é que o aparelho começa a ficar quente durante curtos períodos de uso, e que a bateria dele também está sendo consumida mais rapidamente.

O tempo para o telefone ser desligado ou ligado também pode aumentar, e notificações inesperadas e sem relação ao uso do aparelho também podem começar a aparecer. Em caso desses sinais se tornarem comuns, o recomendado é que o usuário acesse a lista de todos os aplicativos instalados no dispositivo e procure por programas suspeitos e que ele não se lembre de ter baixado.

Além disso, para maior proteção, também é importante utilizar soluções antivírus específicas do Android — o que pode ajudar também na identificação mais rápida dessas ameaças.

Fonte: Wired, ZDNET

Gostou dessa matéria?

Inscreva seu email no Canaltech para receber atualizações diárias com as últimas notícias do mundo da tecnologia.