Surto de coronavírus atrasa grande evento de League of Legends

Por Nathan Vieira | 27 de Janeiro de 2020 às 18h05

Nas últimas semanas, o mundo inteiro tem se preocupado com o coronavírus, que tem afetado principalmente a China. A cidade mais afetada até o momento é Wuhan, que chegou até mesmo a entrar em isolamento. O surto de coronavírus se originou em 31 de dezembro, e existem mais de 2,7 mil casos no país, com cinco casos confirmados nos EUA e dezenas em outros países. Até agora, mais de 80 pessoas morreram pelo vírus. Com isso, o principal torneio da League of Legends da China adiou sua segunda semana de jogo devido ao surto de coronavírus. À medida que o número de casos continua a aumentar, os organizadores agora se preocupam com os riscos à saúde de ter multidões de pessoas em um só lugar.

Um tuíte da conta oficial da League of Legends Pro League (LPL) disse nesta segunda-feira (27) que a semana 2 do seu evento foi adiada devido a preocupações com o coronavírus: "Decidimos adiar a semana 2 da LPL até garantirmos a segurança e a saúde de nossos jogadores e torcedores. Para nossos fãs, pedimos sinceras desculpas pelo ocorrido e compartilharemos toda e qualquer informação o mais rápido possível. Fiquem seguros e obrigado a todos pelo apoio", declarou a conta.

A LPL é uma liga de 16 semanas onde as melhores equipes da China jogam uma contra a outra no League of Legends, um popular jogo multiplayer online de arena de batalha. A partida dos torneios começou em 13 de janeiro e a segunda semana começaria em 5 de fevereiro.

Em nosso boletim atualizado, concluímos que ainda é muita cedo para determinar se o vírus surgiu a partir de cobras ou de outro animal. No entanto, como os morcegos fazem parte da alimentação de diversas espécies desse réptil, a teoria é de que o coronavírus tenha se desenvolvido dentro de morcegos que foram devorados por cobras, passando ainda por mutações, o que ajudou a tornar o vírus tão nocivo para humanos. Por enquanto, trata-se apenas de uma hipótese e que precisa ser comprovada por mais estudos.

Coronavírus preocupa China e o resto do mundo

Na última sexta (24), a Xiaomi foi uma das empresas a ajudar os moradores da cidade chinesa em que o vírus foi originado: resolveu distribuir máscaras para os habitantes dessa cidade, que conta 11 milhões de habitantes. Enquanto isso, a JD.com prometeu doar 1 milhão de máscaras e outros suprimentos médicos, e a Douyin, companhia que desenvolve um app semelhante ao TikTok, está apostando campanhas que trazem informações de prevenção do vírus.

Fonte: CNET

Gostou dessa matéria?

Inscreva seu email no Canaltech para receber atualizações diárias com as últimas notícias do mundo da tecnologia.