Sequelas neurológicas pós-COVID-19 não significam lesão cerebral; entenda

Sequelas neurológicas pós-COVID-19 não significam lesão cerebral; entenda

Por Nathan Vieira | Editado por Luciana Zaramela | 05 de Agosto de 2021 às 21h50
microgen/envato

Um estudo recente da Universidade de Gotemburgo (Suécia) observou pacientes com COVID-19 em diferentes gravidades, e constatou que as sequelas neurológicas deixadas pela doença não são devidas a uma lesão cerebral. A forma como a COVID-19 causa sintomas neurológicos persistentes ainda não é totalmente compreendida. 

Com isso em mente, o estudo recrutou 100 pacientes com a doença e os dividiu em grupos de acordo com a gravidade: leve, moderada e grave. Em seis meses de acompanhamento clínico, 50 dos 100 indivíduos relataram um ou mais sintomas neurológicos, sendo que os mais comuns foram fadiga, névoa mental, perda de memória e falta de concentração. 

(Imagem: Robina Weermeijer/Unsplash)

"Os resultados do estudo enfatizam a importância de novas pesquisas que precisam validar a escala de sintomas neurológicos persistentes e de recuperação, mas também investigar a verdadeira causa dessa condição", afirmam os pesquisadores da Universidade de Gotemburgo.

Quer ficar por dentro das melhores notícias de tecnologia do dia? Acesse e se inscreva no nosso novo canal no youtube, o Canaltech News. Todos os dias um resumo das principais notícias do mundo tech para você!

"Complicações neurológicas são comuns em COVID-19 e podem, em alguns pacientes, continuar vários meses após a fase aguda. É reconfortante afirmar que as concentrações elevadas de marcadores de lesão cerebral voltem ao normal de três a seis meses após a fase aguda de COVID-19, indicando que nenhum dano cerebral contínuo está presente", aponta Magnus Gisslén, professor que liderou a pesquisa. O relatório completo pode ser encontrado aqui.

Fonte: Medical Xpress

Gostou dessa matéria?

Inscreva seu email no Canaltech para receber atualizações diárias com as últimas notícias do mundo da tecnologia.