Ômicron: nova cepa recombinante é encontrada em criança na cidade de São Paulo

Ômicron: nova cepa recombinante é encontrada em criança na cidade de São Paulo

Por Fidel Forato | Editado por Luciana Zaramela | 27 de Abril de 2022 às 10h20
Wirestock/Freepik

Após análises genômicas, um laboratório da rede Dasa identificou uma nova cepa recombinante da Ômicron. Registrada pela primeira vez no mundo, esta subvariante do vírus da covid-19 foi coletada em uma criança de 3 anos na cidade de São Paulo. O teste foi realizado no dia 16 de fevereiro deste ano.

"Trata-se de um [vírus] recombinante ainda não descrito e não há no GISAID [banco internacional de dados com genomas do vírus da covid-19] nenhuma amostra idêntica", explica a Dasa, em comunicado. Apesar da descoberta, a cepa ainda não pode ser considerada um nova linhagem. Para isso, é necessário que pelo menos 5 amostras de diferentes indivíduos contenham esta mesma recombinante, o que ainda não aconteceu.

Laboratório descobre nova cepa recombinante da Ômicron em criança de três anos (Imagem: Reprodução/IciakPhotos/Envato)

Além disso, o laboratório identificou duas amostras da cepa recombinante XE — combinação entre as subvariantes da Ômicron, BA.1 e BA.2. Ambas amostras são de crianças de 10 anos, que também estavam em São Paulo. A coleta foi feita no dia 11 de março deste ano.

No mundo, a variação do vírus da covid-19 foi descoberta, inicialmente, em janeiro de 2022, no Reino Unido. Mais tarde, o Instituto Butantan também encontrou a cepa XE no Brasil.

O que é um vírus recombinante?

As três amostras identificaram vírus recombinantes da covid-19. Vale explicar que este tipo de cepa surge quando um agente infeccioso apresenta um pedaço de seu genoma provindo de uma linhagem parental e outro pedaço de uma outra linhagem distinta.

Entre os mais famosos, esta o Deltacron. A cepa é uma recombinação entre um vírus Delta e um vírus Ômicron e, muito provavelmente, surgiu a partir de um caso de coinfecção — a pessoa foi infectada pelos dois vírus ao mesmo tempo.

Se, após a recombinação, o vírus recombinante tem viabilidade biológica, ele se dissemina e infecta outras pessoas, isso caracteriza uma linhagem. No entanto, a maioria dos casos não evolui dessa forma e se limita a poucos infectados.

Como as novas cepas da covid foram descobertas?

Como parte das atividades de vigilância genômica da covid-19, a Dasa desenvolve o GENOV. A iniciativa funciona em moldes similares ao que o Instituto Butantan e a Fundação Oswaldo Cruz (Fiocruz) realizam.

A diferença é a abrangência, já que as amostras são provenientes apenas de pacientes que procuraram uma das unidades da rede Dasa para realização de teste de RT-PCR para SARS-CoV-2 e foram selecionados aleatoriamente através do algoritmo usado pelo GENOV.

Gostou dessa matéria?

Inscreva seu email no Canaltech para receber atualizações diárias com as últimas notícias do mundo da tecnologia.