Publicidade

Neuralink busca voluntários para implante cerebral em três países

Por| 02 de Junho de 2024 às 09h31

Link copiado!

Samuel Ijimakin/Pixabay
Samuel Ijimakin/Pixabay

Após instalar o primeiro chip no cérebro humano, a Neuralink expande as fronteiras em busca de novos voluntários para os testes clínicos. Agora, a startup cofundada pelo bilionário Elon Musk recruta possíveis pacientes no Reino Unido. Pessoas dos EUA e do Canadá continuam a ser aceitas.

Os interessados em conviver com um chip da startup de neurotecnologia precisam obrigatoriamente ter mais de 18 anos, como revela o formulário para inscrições da Neuralink. Esses indivíduos precisam apresentar tetraplegia, paraplegia ou outras condições que afetam diretamente a autonomia, como cegueira, surdez e incapacidade de falar.

Embora a Neuralink tenha aberto a chamada para recrutar voluntários do Reino Unido para testarem o chip de Musk, a startup não recebeu nenhuma autorização para testes clínicos em solo britânico. 

Continua após a publicidade

Então, é provável que os pacientes selecionados se desloquem até os EUA, onde há aval da agência Food and Drug Administration (FDA) para uma nova rodada de estudos. Em breve, a segunda pessoa com o chip deve ser anunciada.

Chip da Neuralink no cérebro

Desde janeiro deste ano, há uma pessoa vivendo com um implante cerebral da Neuralink: o estadunidense Noland Arbaug, de 30 anos. Ele foi diagnosticado com tetraplegia, após um acidente, e não consegue movimentar os membros do corpo.

Com o chip, Arbaug é capaz de controlar um cursor de mouse, ampliando a sua autonomia no dia a dia, com o “poder da mente”. Inclusive, ele já jogou partidas de xadrez e até de Mario Kart.

Continua após a publicidade
O Canaltech está no WhatsApp!Entre no canal e acompanhe notícias e dicas de tecnologia

No entanto, o paciente teve problemas com o chip no cérebro, após a retração de fios do implante. É possível que até 85% dos fios tenham se desconectado, de forma acidental.

Apesar disso, segundo os desenvolvedores, foi possível contornar o erro, ajustando o sistema para que ele conseguisse detectar a atividade cerebral, com menos eletrodos em operação. O caso ainda é monitorado.

Fonte: Neuralink