Natto japonês pode ser aliado contra COVID-19, mas vamos com calma

Natto japonês pode ser aliado contra COVID-19, mas vamos com calma

Por Fidel Forato | Editado por Luciana Zaramela | 30 de Julho de 2021 às 10h40
Picturepartners/Envato Elements

Publicado na revista científica Biochemical and Biophysical Research Communications, um estudo japonês está chamado a atenção por sugerir uma ligação positiva entre o extrato de natto — um alimento tradicional do país, feito com soja fermentada — e a capacidade de neutralização do coronavírus SARS-CoV-2. No entanto, a pesquisa foi feita com células em laboratório, o que significa que o consumo do alimento não é considerado uma forma de prevenção da COVID-19.

A partir da tradicional comida japonesa, a equipe do Centro para Doenças Infecciosas de Epidemiologia e Pesquisa de Prevenção (CEPiR), da Universidade de Agricultura e Tecnologia de Tóquio, da Universidade de Miyazaki e do Instituto Nacional de Tecnologia conduziram este curioso estudo sobre os benefícios do natto. Vale explicar que, durante o processo de fermentação da soja, uma bactéria conhecida como Bacillus subtilis atua no preparado e este outro agente pode ter alguma ligação com o efeito recém-descoberto.

Pesquisadores verificaram eficácia de extrato de soja fermentado japonês contra o coronavírus em laboratório (Imagem: Reprodução/Picturepartners/Envato Elements)

Mais estudos são necessários para verificar os efeitos do extrato de natto em humanos contra a COVID-19. Inclusive, a pesquisa foi financiada por uma indústria alimentícia japonesa, a Takano Foods, que ofereceu o extrato usado.

Quer ficar por dentro das melhores notícias de tecnologia do dia? Acesse e se inscreva no nosso novo canal no youtube, o Canaltech News. Todos os dias um resumo das principais notícias do mundo tech para você!

Diferença entre pesquisas in vitro e in vivo

Durante os estudos de um novo composto, há inúmeras variáveis e a maioria deles acaba descontinuada por falta de eficácia comprovada. Por exemplo, na etapa de pesquisa in vitro, muitas substâncias são capazes de inativar um agente infeccioso. Isso porque o patógeno está bastante vulnerável, como uma bactéria isolada em uma placa de petri.

No caso do vírus, é possível que se tenha um pouco mais de dificuldade, porque o vírus precisa de uma célula para se multiplicar, ou seja, ele precisa estar dentro da célula, e não fora. Isso reflete num aumento pequeno, mas considerável de complexidade para descobrir substâncias com atividade antiviral.

Dessa forma, a substância experimental precisa transpassar a membrana da célula que está infectada e, assim, poderá chegar ao vírus. Depois, ainda vai precisar entrar no vírus para interagir. Só que, mesmo com esse maior grau de dificuldade, o mecanismo é completamente diferente de uma atividade in vivo, já que ainda mais barreiras precisam ser ultrapassadas. Quando chega na pesquisa em seres humanos é que a maioria desses experimentos fracassa. Este é o caso de inúmeros medicamentos, como a cloroquina.

Pesquisa com a soja japonesa fermentada

No caso da pesquisa japonesa, o extrato de natto conseguiu inibir, totalmente, "a infecção das células da síndrome respiratória aguda grave coronavírus 2 (SARS-CoV-2) e herpesvírus bovino 1 (BHV-1)" em laboratório, segundo os autores. No caso da COVID-19, a eficácia foi testada contra a variante Alpha (B.1.1.7), descoberta pela primeira vez no Reino Unido.

"Natto, um alimento tradicional de soja fermentada no Japão, é bem conhecido por ser nutritivo e benéfico para a saúde. Neste estudo, examinamos se o natto neutraliza a infecção por vírus, como a síndrome respiratória aguda grave coronavírus 2 (SARS-CoV-2), bem como o herpesvírus bovino 1 (BHV-1). Curiosamente, nossos resultados mostram que tanto o SARS-CoV-2 quanto o BHV-1 tratados com um extrato de natto tiveram sua capacidade de infectar células totalmente inibida", confirmam os pesquisadores no artigo.

Em outra etapa da investigação preliminar, a equipe aqueceu o extrato de soja fermentada. "Quando o extrato de natto foi aquecido a 100 °C por 10 min, essa atividade antiviral foi perdida, sugerindo que um ou mais fatores inibitórios no extrato são sensíveis ao calor", refletem os autores. A partir dessas descobertas, a equipe de pesquisa sugere que medicamentos poderiam ser pensados, no futuro, com essa substância.

Para acessar o estudo completo sobre a eficácia do natto japonês contra a COVID-19 in vitro, publicado na revista científica Biochemical and Biophysical Research Communications, clique aqui.

Gostou dessa matéria?

Inscreva seu email no Canaltech para receber atualizações diárias com as últimas notícias do mundo da tecnologia.