Variante Delta do coronavírus pode se tornar predominante no Brasil, pontua OMS

Variante Delta do coronavírus pode se tornar predominante no Brasil, pontua OMS

Por Natalie Rosa | Editado por Luciana Zaramela | 28 de Julho de 2021 às 13h50
kjpargeter/Freepik

A propagação da variante Delta do coronavírus vem trazendo preocupações a mais na forma em que lidamos com a pandemia. A cepa, que se originou na Índia e vem se espalhando pelo Brasil, já pode representar uma ameaça de dominância, segundo declaração da OMS (Organização Mundial de Saúde).

Por enquanto, ainda não há informações se a cepa é mais perigosa do que a original, apenas que é mais transmissível. Então, para evitar que haja mais contaminações, é preciso retomar com as normas de distanciamento social adequadas, o que já foi afrouxado há algum tempo. Também é preciso incentivar o uso de máscaras mais seguras, como as PFF2, que são essenciais para o combate às variantes.

Imagem: Reprodução/Freepik

Jairo Mendez Rico, assessor regional em Enfermidades Virais da Organização Pan-americana de Saúde (Opas) e da OMS, é o autor das declarações sobre a predominância da variante. Para o especialista, as vacinas atuais são opções poderosas para combater as cepas, e que ainda não é necessário recomendar uma terceira dose para reforçar a proteção.

Quer ficar por dentro das melhores notícias de tecnologia do dia? Acesse e se inscreva no nosso novo canal no youtube, o Canaltech News. Todos os dias um resumo das principais notícias do mundo tech para você!

"A variante Delta mostrou ter uma capacidade de transmissão maior em comparação com outras variantes preocupantes, como a alpha ou a gama; mas até o momento não existem evidências que permitam inferir um comportamento mais agressivo ou severo dessa variante. Claro que, se o número de casos aumenta, também aumenta a proporção daqueles que podem ser graves ou exigir internação hospitalar", contou Rico para o Valor.

O especialista também pontua que nenhuma vacina é 100% eficaz, justificando a necessidade de continuar com uso de máscaras adequadas de proteção, além de isolamento e distanciamento físico e quarentena. Tudo isso, claro, em complemento com a vacina.

Fonte: Valor

Gostou dessa matéria?

Inscreva seu email no Canaltech para receber atualizações diárias com as últimas notícias do mundo da tecnologia.