Microssono: o que a ciência diz sobre método que o Batman usa para dormir

Microssono: o que a ciência diz sobre método que o Batman usa para dormir

Por Nathan Vieira | Editado por Luciana Zaramela | 16 de Abril de 2022 às 16h00
Marcin Lukasik/Unsplash

Por muito tempo, questionou-se como o Batman dorme, uma vez que dedica o período diurno à vida como Bruce Wayne e o período noturno à luta contra o crime. Nos quadrinhos, esse mistério já foi respondido: o herói descansa através de microssonos, uma prática que a ciência considera como prejudicial à saúde.

Diferente do Super-Homem e da Mulher-Maravilha, o Batman não possui condições além de um ser humano, logo, dormir é uma necessidade. Quando se pensa na lista interminável de tarefas, como a patrulha em Gotham City, reuniões de diretoria na Wayne Enterprises, reuniões na Liga da Justiça e sessões de treinamento (individuais ou com o Robin), a conta não fecha, já que um ser humano precisa dormir aproximadamente oito horas por dia.

Com o passar dos anos, Bruce Wayne aprendeu a administrar sessões de microssono, permanecendo inconsciente por um curto período de tempo. Esse conceito foi introduzido pela primeira vez em Batman #682, de Grant Morrison e Lee Garbett. Na ocasião, o mordomo Alfred demonstra preocupações sobre os hábitos pouco saudáveis de seu patrão. Em resposta, Wayne ativa o modo microssono, escapando do sermão e acordando segundos depois.

Batman descansa através de sessões de microssono (Imagem: Reprodução/DC Comics)

Embora o herói tenha usado essa prática a seu favor ao treinar o cérebro para entrar intencionalmente em microssono durante estudos ou trabalho, na vida real o microssono é visto como algo perigoso.

O que é microssono

De acordo com a Sleep Foundation, o microssono pode envolver tanto cochilos esporádicos de poucos minutos ou até segundos (nesse último caso, é mais parecido com o que o Batman aplica em seu cotidiano). Nesse momento, a pessoa pode até mesmo manter os olhos abertos, o que traz a impressão de que ainda está acordada.

Mas diferente do caso do morcego, o microssono não acontece de maneira proposital, e está diretamente relacionado a questões como privação do sono ou distúrbios, como apneia. Pessoas sem nenhum distúrbio ainda podem vivenciar, mas durante uma tarefa monótona, como dirigir em uma estrada vazia de madrugada.

Por enquanto, a ciência ainda não tem uma resposta exata para o que acontece com o cérebro durante essa experiência, mas pesquisadores já chegaram a notar que, durante um episódio de microssono, as ondas cerebrais medidas por um eletroencefalograma diminuem visivelmente, e envolve uma atividade cerebral que difere daquela encontrada no sono regular. Acontece que, durante o microssono, grande parte do cérebro — que geralmente é desativada durante o sono — ainda fica ativa.

Microssono é considerado prejudicial à saúde (Imagem: thananit_s/Envato)

Sintomas e perigos do microssono

O microssono pode ser difícil de identificar, porque acontece até mesmo quando a pessoa está de olhos abertos. No entanto, os principais sintomas incluem:

  • Olhar vazio
  • Cabeça baixa
  • Espasmos pelo corpo
  • Incapacidade de lembrar os últimos dois minutos
  • Piscadas lentas
  • Dificuldade para manter os olhos abertos
  • Bocejo excessivo

Os especialistas alertam que o uso de álcool e certos medicamentos pode levar a episódios de microssono, tal como a utilização de medicamentos anti-histamínicos (costumeiramente indicados para o tratamento de reações alérgicas, como urticária, coriza, rinite alergia ou conjuntivite, por exemplo).

Privar-se de uma noite de sono e aderir a sessões de microssono durante o dia pode acarretar diversas consequências atreladas à privação do sono, como ganho de peso ou sistema imunológico enfraquecido. Além disso, o sistema nervoso central é a principal via de informação do corpo, e o sono é necessário para mantê-lo funcionando corretamente.

O sono também afeta os processos que mantêm o coração e os vasos sanguíneos saudáveis, incluindo aqueles que afetam os níveis de açúcar no sangue, pressão arterial e inflamação. Se a privação do sono continuar por muito tempo, a pessoa pode começar a ter alucinações e aumento de riscos psicológicos como ansiedade, depressão ou comportamento impulsivo.

Prevenção e tratamentos do microssono

Se você não for o Batman, é melhor procurar um profissional caso os episódios de microssono façam parte da sua vida. Ainda assim, para tratar e prevenir esse inconveniente, é importante dormir o suficiente à noite. Fazer alguns ajustes no estilo de vida e desenvolver uma rotina pode melhorar a qualidade do sono, como:

  • Evitar cafeína e álcool antes de dormir
  • Desligar todas as luzes ou sons ao redor
  • Evitar atividades estimulantes antes de dormir
  • Manter o quarto em uma temperatura confortável

Atualmente, não existe um tratamento recomendado especificamente para o microssono, que não é considerado oficialmente como um distúrbio. No entanto, a investigação da causa por trás desses episódios se faz necessária, assim o médico pode indicar o melhor tratamento para a condição que estiver atrelada a esse comportamento diferenciado.

Fonte: CBR, Screenrant, Sleep Foundation, Healthline, CDC, NIH (1, 2)

Gostou dessa matéria?

Inscreva seu email no Canaltech para receber atualizações diárias com as últimas notícias do mundo da tecnologia.