Publicidade

Homem fica sem fechar os olhos por 3 anos depois de cirurgia plástica dar errado

Por| Editado por Luciana Zaramela | 21 de Janeiro de 2022 às 11h30

Link copiado!

Wirestock/Freepik
Wirestock/Freepik

Fazer uma cirurgia plástica tem seus riscos, assim como todo procedimento médico, e qualquer falha pode afetar a qualidade de vida de uma pessoa significativamente. Um homem de 79 anos, recentemente, sentiu isso na pele e vem sofrendo com um problema nos olhos.

Pete Broadrust, pintor e decorador aposentado, gastou cerca de 11 mil euros em 2019 para fazer uma cirurgia de redução do inchaço nas bochechas. O homem dizia que suas bochechas "pareciam as de hamsters", e ficaram dessa forma após outro procedimento dar errado.

Ele conta que, em 1959, fez uma cirurgia dental para movimentar os dentes molares, que estavam mais longe do que deveriam, e essa cirurgia, que parecia ser simples, o deixou com as bochechas grandes.

Continua após a publicidade

Procedimentos

Pete, a cada vez mais inseguro com a sua aparência, optou por fazer algumas cirurgias plásticas: lifting no pescoço (quando a pele é esticada), blefaroplastia abaixo dos olhos (remoção da pele enrugada) e rinoplastia (melhora na aparência do nariz).

A operação nos olhos, no entanto, fez com que ele desenvolvesse uma condição chamada ectrópio, quando as pálpebras inferiores se afastam do globo ocular. Com isso, então, ele não conseguia fechar os olhos completamente.

O Canaltech está no WhatsApp!Entre no canal e acompanhe notícias e dicas de tecnologia

A pensioner has to tape his eyes shut before going to sleep after a botched £11,000 procedure to fix his ‘hamster’...

Publicado por Metro em Terça-feira, 18 de janeiro de 2022

Os médicos disseram que a condição era temporária e que com o tempo se resolveria, mas isso não aconteceu. Ele chegou a fazer outra cirurgia de correção, mas o problema não foi resolvido.

Como o ato de piscar é essencial para a saúde dos olhos, lubrificando a córnea, o homem precisa manter os olhos úmidos com o uso de colírios durante o dia, e com uma toalha úmida quente em cima dos olhos durante a noite. Broadrust conta que, no começo, sua visão ficava distorcida e mal conseguia enxergar, e que à noite tinha que prender as pálpebras com fita adesiva.

De acordo com um porta-voz do hospital onde a cirurgia foi feita, o cirurgião responsável pelo procedimento está suspenso e o caso está em investigação. Recentemente, ele passou por uma operação de correção e vem apresentando melhora gradual.

Continua após a publicidade

Fonte: IFL Science