Publicidade
Economize: canal oficial do CT Ofertas no WhatsApp Entrar

Dourados é a 1ª cidade a começar vacinação em massa contra dengue

Por| Editado por Luciana Zaramela | 04 de Janeiro de 2024 às 09h53

Link copiado!

 shammiknr/Pixabay
shammiknr/Pixabay

Na quarta-feira (3), a cidade de Dourados começou a vacinar a população em massa contra a dengue. De forma inédita, o município do Mato Grosso do Sul aplica a vacina Qdenga, desenvolvida pela farmacêutica japonesa Takeda. A fórmula ainda não está disponível em outras cidades, através do Sistema Único de Saúde (SUS), apenas na rede privada.

Para entender o que ocorre na primeira cidade a começar a vacinação em massa contra a dengue no Brasil, é preciso destacar que essa ação é parte de uma pesquisa que busca medir a efetividade da imunização. O estudo ocorre após a aprovação da Agência Nacional de Vigilância Sanitária (Anvisa), em março do ano passado.

Vacinação em Dourados

Continua após a publicidade

Através da iniciativa pioneira, a vacina contra a dengue deve ser aplicada em cerca de 150 mil pessoas que moram na cidade de Dourados, com idades entre 4 e 59 anos, independente de comorbidades e doenças imunossupressoras. Pessoas que já tiveram a doença transmitida pelo mosquito Aedes aegypti também podem se imunizar. 

A expectativa é que seja possível vacinar toda a população apta através da campanha de imunização. “Se atingidos [estes objetivos], teremos em pouco tempo, uma queda drástica no número de internações gerais por dengue, principalmente em UTI, que teria mais leitos liberados para que possamos atender outros pacientes”, afirma o secretário municipal de Saúde, Waldno Lucena, em nota. 

Para receber a primeira dose da vacina Qdenga, a pessoa deve comparecer a uma Unidade Básica de Saúde (UBS), com um documento de identificação e a carteirinha do SUS. A segunda dose será aplicada daqui a três meses.

Continua após a publicidade

Pesquisa vai medir efetividade

Em nota enviada ao Canaltech, a Takeda explica que o envio das 300 mil doses para a cidade envolve uma "parceria colaborativa entre a empresa, a Secretaria Municipal de Saúde (SMSD) e um pesquisador para o acompanhamento do impacto da vacina nesta localidade".

Segundo a farmacêutica, "este tipo de monitoramento técnico é previsto para qualquer imunizante aprovado e avalia o impacto da vacinação na vida real, conforme recomendações das agências regulatórias e da Organização Mundial da Saúde (OMS)". Dessa forma, será possível obter insights sobre a importância da imunização em uma grande população. 

E a vacinação no resto do Brasil?

Continua após a publicidade

Por enquanto, o caso de Dourados é único no Brasil. A partir de fevereiro deste ano, o Ministério da Saúde começará a receber doses da vacina contra a dengue e, até o final do ano, serão mais de 5 milhões de doses recebidas. No entanto, a vacinação não será em massa. 

Segundo a pasta, a distribuição da vacina da dengue será focada em público e regiões prioritárias inicialmente. As definições de quem receberá primeiro o imunizante ainda não foram publicadas, mas isso deve ser feito em breve. 

Vacina Qdenga

Diferente dos outros imunizantes, a vacina Qdenga pode ser aplicada em pessoas que nunca tiveram ou que já tiveram dengue — outra fórmula disponível no mercado brasileiro só pode ser aplicada em quem já desenvolveu a doença, a Dengvaxia. Estão aptos a serem imunizados pessoas de 4 até 60 anos. 

Continua após a publicidade

Após tomar as duas doses da vacina, a eficácia geral estimada foi de 80,2% contra a dengue causada por qualquer sorotipo, segundo os estudos clínicos. A vacinação também reduz as hospitalizações em 90%. A expectativa é que a proteção dure cerca de 5 anos.

Recorde nos casos de dengue

Vale destacar que medidas para conter o avanço da dengue, como a primeira cidade a vacinar em massa contra a doença, são mais do que necessárias. Em 2023, o Brasil bateu o recorde histórico de mortes em decorrência da dengue. No total, foram 1.079 óbitos. Em 2022, foram 1.053. 

Fonte: Prefeitura de Dourados Agência Brasil