COVID-19 | Fim do isolamento pode causar estresse chamado "síndrome da cabana"

COVID-19 | Fim do isolamento pode causar estresse chamado "síndrome da cabana"

Por Nathan Vieira | 19 de Outubro de 2020 às 20h40
Gerd Altmann / Pixabay

A pandemia tem gerado inúmeros impactos na população, e um deles diz respeito à saúde mental. Inclusive, já fizemos aqui no Canaltech um especial de duas partes justamente sobre essas consequências psicológicas da pandemia (você pode conferir a primeira parte aqui e a segunda parte aqui). No entanto, o fim do isolamento ou do distanciamento social pode causar em algumas pessoas um fenômeno que os psicólogos chamam de “síndrome da cabana”.

Trata-se, basicamente, de um estresse adaptativo entre pessoas que possam passar por dificuldades emocionais ao ter que sair do estado de retiro em sua casa e voltar às atividades presenciais no trabalho, às compras no comércio, etc. Você já ouviu falar dessa expressão? Acontece que, diferente do pressuposto, a "síndrome da cabana" não é nova. Sua origem se dá no início do século XX, voltada a casos de pessoas que ficavam isoladas em períodos de nevasca no Hemisfério Norte e que depois tinham que retomar o convívio. Atualmente, ela diz respeito a trabalhadores que estão sempre afastados em razão do ofício.

Em entrevista à Agência Brasil, psicólogas de diferentes regiões do Brasil explicam que todo tipo de isolamento pode desencadear a síndrome, principalmente se é um período extenso e que está ligado ao medo, e que essa transição de sair do ambiente confortável, e controlado, para o mundo lá fora pode soar como uma coisa ameaçadora e assustadora, num cenário em que sair não é mais natural como antes.

Quer ficar por dentro das melhores notícias de tecnologia do dia? Acesse e se inscreva no nosso novo canal no youtube, o Canaltech News. Todos os dias um resumo das principais notícias do mundo tech para você!

Fim do isolamento pode causar estresse adaptativo chamado "síndrome da cabana", segundo especialistas na área da psicologia (Imagem: Fernando Cferdo/Unsplash)

Isso se dá principalmente porque, antes, as pessoas saíam de casa, estavam na rua e pronto, e agora não, têm que se preocupar com a máscara, têm que se preocupar em ter o distanciamento físico das pessoas. Para as pessoas com síndrome da cabana, a casa é o melhor lugar para estar, explicam as especialistas. A retomada das atividades pode ser pouco produtiva no momento inicial, e o recomendado é que as pessoas fiquem atentas aos sinais de ansiedade, medo e até pânico. Pode haver desconfortos como taquicardia, sudorese e dificuldade de dormir. O apetite pode mudar, desde a perda da fome até a ingestão de maior número de alimentos.

As psicólogas orientam que cada pessoa mensure o seu estresse adaptativo. Uma sugestão é sair de casa com alguém em quem confie, e que também se previna contra a COVID-19. Outra dica é ensaiar a saída, iniciando com uma descida até a portaria do prédio ou ao portão da casa. Depois, em outro momento, alguns passos na rua, e mais adiante, passeios maiores para restabelecer a confiança.

Fonte: Agência Brasil

Gostou dessa matéria?

Inscreva seu email no Canaltech para receber atualizações diárias com as últimas notícias do mundo da tecnologia.