Publicidade

Casos de leptospirose aumentam no RS; entenda os riscos

Por| Editado por Luciana Zaramela | 24 de Maio de 2024 às 07h00

Link copiado!

Governo do Rio Grande do Sul/Flickr/Gustavo Mansur
Governo do Rio Grande do Sul/Flickr/Gustavo Mansur

Nesta semana, a Secretaria da Saúde (SES) do Rio Grande do Sul confirmou as duas primeiras mortes por leptospirose, associadas com as enchentes e os alagamentos que afetam o estado do Sul do Brasil. Já foram feitos 29 diagnósticos oficiais da doença, mas os números ainda devem aumentar ao longo das semanas, já que as águas ainda não baixaram.

A demora nos dados sobre leptospirose ocorre, já que os casos são somente confirmados após a análise do Laboratório Central do Estado (Lacen). Independente desse resultado “mais demorado”, o tratamento contra leptospirose deve ser adotado já no momento da suspeita, com o uso de antibióticos. Hoje, novos tipos de exame são desenvolvidos.

Além da leptospirose, casos de dengue devem subir por causa dos alagamentos e das poças de água, já que criam ambientes propícios para a proliferação do mosquito da dengue. Quadros de hepatite A, tétano e diarreias bacterianas causadas pela Salmonella também devem ocorrer por causa das chuvas.

Continua após a publicidade

Mortes por leptospirose no Sul

No momento, dois homens, moradores de regiões inundadas, foram vítimas mortais da leptospirose. O primeiro tinha 67 anos e vivia em Travesseiro, no Vale do Taquari. Já o segundo tinha 33 anos e morava em Venâncio Aires, no Vale do Rio Pardo.

Em nota, a SES do Rio Grande do Sul afirma que, apesar da leptospirose ser uma doença endêmica na região, a frequência pode aumentar com as inundações e enchentes. Antes da tragédia, até o mês de abril, já tinham sido notificados 129 casos e seis mortes.

O Canaltech está no WhasApp!Entre no canal e acompanhe notícias e dicas de tecnologia

Risco das enchentes

Com ou sem enchente em uma região, a leptospirose é causada por uma bactéria do gênero Leptospira. A principal forma de contaminação é através da urina de animais infectados, como ratos.

Com as cheias, os ratos saem dos esgotos e bueiros e passam a habitar zonas mais próximas dos humanos. Consequentemente, o risco de entrar em contato com a urina contaminada é maior.

Poças de água parada e lama representam maior probabilidade de infecção do que as águas correntes. Isso porque, quando a água está em movimento, a diluição da urina é maior, dificultando a infecção. Mesmo assim, é possível ser infectado através da pele ou de mucosas expostas. Normalmente, os primeiros sintomas surgem de cinco a 14 dias após a exposição.

Continua após a publicidade

Leptospirose ou dengue?

No início da doença, é muito fácil confundir a leptospirose com a dengue. Afinal, ambas causam febre, calafrios, dor de cabeça, fraqueza e dores no corpo. Sem exames de acesso simples, é preciso apostar na análise clínica.

“Dengue e leptospirose são muito similares nos sintomas iniciais e o que ajudaria no diagnóstico diferencial seria o hemograma, mas sabemos que na maioria dos abrigos este exame não estará disponível, por isso a importância da avaliação por profissional de saúde”, afirma Valeska Lizzi Lagranha, bióloga do Centro Estadual de Vigilância em Saúde (Cevs), em nota.

Um dos diferenciais é que, em pessoas com leptospirose, é mais comum dores na panturrilha e na lombar. Enquanto isso, pacientes com dengue tendem a apresentar dor atrás dos olhos e nas articulações.

Continua após a publicidade

Como o responsável pelo diagnóstico é o médico, o recomendado é que, em caso de suspeita de qualquer uma das doenças, a pessoa procure imediatamente atendimento de saúde. Assim, o tratamento será iniciado imediatamente. 

Como evitar leptospirose?

Na situação que o Rio Grande do Sul enfrenta, como a região metropolitana de Porto Alegre e as zonas rurais, é difícil impedir todas as formas de infecção da leptospirose, já que as ruas ainda estão alagadas – bombas de sucção ajudam a acelerar o escoamento em alguns locais.

Quando for possível, as pessoas devem utilizar botas, luvas de borracha e outros EPIs (Equipamentos de Proteção Individual) disponíveis. Na hora da limpeza de casas invadidas pelas águas das enchentes, a melhor estratégia é usar água sanitária, que pode eliminar os patógenos.

Continua após a publicidade

Fonte: SES (1) e (2)