Twitter anuncia reforço no combate à desinformação sobre vacinas da COVID-19

Por Alveni Lisboa | Editado por Douglas Ciriaco | 28 de Abril de 2021 às 13h35
Alveni Lisboa/Canaltech

O Twitter anunciou nesta quarta-feira (28) uma atualização no sistema para aprimorar os mecanismos de combate à desinformação sobre a vacina da COVID-19. A ação tem como base a chegada da Semana Mundial da Imunização, que terá como foco esse ano o combate à pior pandemia dos últimos 100 anos.

A rede social começará a exibir avisos sobre a vacinação na linha do tempo dos usuários. As mensagens terão links para uma página especial criada pela plataforma com dados sobre segurança, eficácia, disponibilidade e planos de imunização das pessoas.

Esta mensagem começará a aparecer na timeline dos usuários (Imagem: Divulgação/Twitter)

Aqui no país, a página linkada traz tuítes da Organização Pan-Americana da Saúde, Organização Mundial da Saúde, Anvisa, Instituto Butantã e de notícias recentes cujo tema seja a vacina. Há também posts dos perfis oficiais de governos estaduais e outras autoridades políticas e da saúde que tratam do calendário vacinal

Além do Brasil, os ativos serão ativados temporariamente para outros 15 países: Arábia Saudita, Argentina, Austrália, Canadá, Colômbia, Egito, Espanha, Emirados Árabes Unidos, Estados Unidos, Índia, Irlanda, Japão, México, Nova Zelândia e Reino Unido.

Redes sociais no combate às fake news

O Twitter e as demais redes sociais, em especial os aplicativos de chat como o WhatsApp e o Telegram, têm sido muito utilizados como ferramentas de propagação de notícias falsas sobre a COVID-19 de um modo geral. Não é à toa que as empresas do segmento tem se unido para lançar ações que busquem incentivar a vacinação e combater os males da desinformação.

Apesar disso, no último final de semana, o Twitter removeu diversas postagens que criticavam a forma como o governo da Índia lida com a pandemia. A rede teria cedido a pressões do governo local, que evocou dispositivo legal para cercear a liberdade de expressão. Em janeiro, medidas de distanciamento foram afrouxadas para permitir celebrações religiosas e reuniões políticas, o que é apontado como o responsável pela crise atual no país.

O Facebook exibe mensagens sobre a COVID e remove conteúdos com informações falsas (Imagem: Divulgação/Facebook)

Já o YouTube passou a remover conteúdos que recomendem uso da Cloroquina ou Ivermectina como tratamento da doença. Estudos médicos já comprovaram que não existe correlação entre o uso de tais medicamentos e a cura do coronavírus. Mesmo assim, muita gente tem abusado ao tomar doses inapropriadas de tais medicamentos, o que causa problemas no fígado e até a morte.

Nesta semana o Instagram lançou um adesivo para as pessoas usarem em seus stories quando forem se vacinar ou ao compartilhar conteúdos referentes a tal assunto. A ideia é similar ao adesivo "Em Casa", liberado no início da pandemia, no ano passado, para incetivar o isolamento social.

(Imagem: Reprodução/Instagram)

No atual momento, as autoridades de saúde são unânimes ao afirmar que somente a imunização em massa dará fim ao cenário pandêmico atual. Mesmo assim, muita gente espalha boatos sobre a ineficácia do ato, mentiras sobre reações adversas e até teorias infundadas sobre eventual politização da doença, que fez mais de 395 mil vítimas no Brasil.

Gostou dessa matéria?

Inscreva seu email no Canaltech para receber atualizações diárias com as últimas notícias do mundo da tecnologia.