Publicidade
Economize: canal oficial do CT Ofertas no WhatsApp Entrar

TikTok pode se separar da ByteDance para evitar problemas com os EUA

Por| Editado por Douglas Ciriaco | 15 de Março de 2023 às 12h30

Link copiado!

Forbes
Forbes
Tudo sobre TikTok

Os executivos da filial do TikTok nos Estados Unidos estudam uma possível separação da empresa chinesa ByteDance para evitar problemas com os órgãos reguladores. A ideia seria cortar os laços com a matriz para evitar qualquer alegação de espionagem ou vazamento de informações para o governo da China.

Segundo a Bloomberg, a mudança ainda está longe de ser acertada e precisaria da aprovação da sede em Pequim. No entanto, a medida poderia ajudar a minimizar a pressão dos órgãos reguladores norte-americanos e europeus sobre a plataforma, acusada de vínculo com o Partido Comunista da China.

A separação da ByteDance exigiria a venda a uma controladora ocidental ou a abertura de capital por meio de uma oferta pública. O problema é que isso teria impactos severos na operação chinesa, então seria algo pensado apenas em último caso, conforme relatado na matéria.

Continua após a publicidade

Para tentar amenizar os narizes torcidos, o TikTok teria lançado um esforço conjunto de lobby, estimado em cerca de US$ 1,5 bilhão (quase R$ 8 bilhões, em conversão direta) para convencer os órgãos reguladores. O "Projeto Texas", segundo a Bloomberg, teria como finalidade convidar autoridades e a empresa Oracle para examinar o software.

Como tudo é especulação, tanto o TikTok quanto a ByteDance não se posicionaram oficialmente sobre o assunto. É provável que isso só ocorra se realmente houver uma movimentação para acalmar o mercado.

Por que o TikTok está sob pressão?

Existem muitos rumores sobre um possível banimento do TikTok em definitivo do solo dos Estados Unidos e até na União Europeia. As acusações seriam de que o governo chinês poderia abusar do seu poder local para monitorar pessoas, especialmente aquelas com cargos estratégicos em governos.

Isso levou várias instituições a proibirem a instalação da rede social em dispositivos oficiais, como a Câmara dos Representantes dos EUA — equivalente à Câmara dos Deputados no Brasil — e na Comissão Europeia. Neste segundo caso, a desinstalação deve ser ocorrer até hoje (15), sob pena de ter os aplicativos corporativos, como e-mail institucional e Skype for Business, banidos do aparelho.

Enquanto isso, várias autoridades já baniram o app de dispositivos governamentais e senadores já preparam projetos de lei para impedir a distribuição de apps feitos em países que representem risco aos Estados Unidos, como Rússia e China. Por enquanto, nada nesse sentido ainda avançou, mas pode ser apenas uma questão de tempo.

Fonte: Bloomberg