Publicidade

Como criar a sua casa inteligente em 2022

Por| Editado por Léo Müller | 27 de Julho de 2022 às 17h09

Link copiado!

Rafael Damini/Canaltech
Rafael Damini/Canaltech

Montar uma casa inteligente não é uma tarefa tão difícil quanto parece. Você pode começar com qualquer eletrônico que se conecte à internet, e partir daí para expandir e transformar cada ambiente da casa em um quarto ou sala inteligente. Hoje, você vai aprender como criar sua casa inteligente começando do zero.

Também vou dar algumas dicas de cuidados para evitar alguns problemas com o passar do tempo. Você sabia que é fundamental ter um app para centralizar os dispositivos? Pois é, vou explicar sobre isso.

Antes de começar, lembre-se que as sugestões abaixo são apenas isso, mesmo. Não são regras, mas seguir uma delas pode ser útil para começar. Com o tempo, você vai descobrir especificidades do seu dia-a-dia que podem ajudar a encontrar seu próprio caminho.

Continua após a publicidade

O que é uma casa inteligente?

Também chamada de casa conectada, a casa inteligente possui um ou mais aparelhos eletrônicos conectados à internet. Não estou falando de computadores ou celulares, mas sim de produtos que já fazem parte do nosso cotidiano há várias décadas.

Ou seja, são lâmpadas, tomadas, aparelhos de ar condicionado, até geladeiras e fogões. Eletrônicos que surgiram há muitos anos, e agora ganharam recursos extras com conexão Wi-Fi. Isso permite que você programe o funcionamento deles de maneira remota.

Continua após a publicidade
O Canaltech está no WhatsApp!Entre no canal e acompanhe notícias e dicas de tecnologia

E esta é uma das principais ideias de ter uma casa inteligente. Digamos que você sai do trabalho em um dia de calor e quer chegar em casa para relaxar. É possível programar para que o ar condicionado ligue 15 ou 20 minutos antes da sua chegada. Ao entrar em casa, ela já está fresquinha.

Também é possível programar lâmpadas para ligar ou desligar em horários pré-programados. A luz da garagem, por exemplo, pode acender pouco antes da sua chegada, e se apagar minutos depois de você se deitar.

Estes são apenas alguns exemplos. As funcionalidades e possibilidades são inúmeras, e cada um pode se organizar da maneira que achar melhor.

E ainda tem os assistentes virtuais. A casa inteligente não precisa obrigatoriamente de um, mas ele facilita o trabalho. Com isso, você pode controlar luzes e outros eletrônicos com comandos de voz.

Continua após a publicidade

Produtos de casa conectada incluem ainda tomadas, interruptores, televisores, rádios, aparelhos de ar condicionado e até lavadora de roupas. Há até mesmo geladeiras e robôs aspiradores que se conectam à internet, ampliando os recursos disponíveis.

Por onde começar

O primeiro dispositivo conectado vai depender da sua necessidade ou grau de investimento possível. Dá para começar com um ar condicionado, se você precisa de um e tiver condição de pagar o custo adicional das funcionalidades que ele oferece.

Continua após a publicidade

Para quem quer começar aos poucos, eu sugiro uma tomada inteligente. Ou um interruptor. Ou até mesmo um kit de casa conectada, que não é muito barato, mas traz um adaptador de tomada, uma lâmpada e um controle universal.

Este último pode ser útil para quem já tem outros dispositivos com controle remoto infravermelho. Isso inclui televisão e ar condicionado, além de conversores de TV por assinatura, soundbar e afins.

Escolha o seu assistente

Pode ser interessante também você definir qual assistente vai preferir para ajudar a organizar sua casa. Se optar pela Alexa, é só baixar o app Amazon Alexa e adicionar todos os dispositivos ali, já separando por ambiente. Se for o Google, basta instalar o Home (que já vem no Android).

Continua após a publicidade

Esse passo é importante por dois motivos. O primeiro é certificar-se de sempre comprar dispositivos compatíveis com o assistente escolhido. É verdade que quase tudo à venda no Brasil tem compatibilidade com ambos, mas há algumas exceções.

O segundo motivo é mais simples: organização. Eu mencionei que é interessante escolher um assistente logo no início para você já centralizar os dispositivos em um só app. Cada marca tem seu próprio aplicativo para configurar, e geralmente só funcionam com seus próprios produtos.

Você pode centralizar tudo na Alexa ou no Google Home, além de algumas outras opções das fabricantes, como o Smart Things, da Samsung, e o Casa, da Apple. Mas Amazon e Google são os mais fáceis de conseguir compatibilidade com diferentes dispositivos.

Continua após a publicidade

E não precisa investir em um dispositivo Echo ou Nest logo no início. Basta organizar a casa conectada pelo app para já ter tudo separado quando um alto-falante ou smart display chegar.

Sugestões de dispositivos

Você pode começar com qualquer dispositivo inteligente que julgar útil. Mas se você não tem ideia qual seria, vou listar aqui alguns dos mais em conta e explicar o que cada um oferece de diferente em relação às versões “offline”.

Lâmpada inteligente

Continua após a publicidade

Uma lâmpada precisa acender e apagar, certo? Bom, se isso é o bastante para você, tudo bem. Mas é bom saber que uma lâmpada inteligente vai além de oferecer apenas programação de ligar ou desligar em horários definidos ou funcionar com comandos de voz.

A primeira função é a dimerização, que não é exclusiva dos modelos inteligentes, mas é um recurso pouco comum nas “offline”. Ou seja, uma lâmpada inteligente pode ficar acesa com brilho entre 1% e 100%, e você pode aumentar ou diminuir a qualquer momento pelo app.

Dá até para configurar rotinas para aumentar ou reduzir o nível do brilho conforme a noite avança. Além disso, a maioria dos modelos tem opção de cor quente ou fria, e você pode programar para tornar o ambiente mais aconchegante conforme chega a hora de ir dormir.

Continua após a publicidade

Tomada inteligente

O que uma tomada conectada faz que qualquer outra não pode fazer? Explicando de maneira bem simples, é como se fosse uma régua programável: você pode ligar ou desligar o aparelho à distância, sem tocar no interruptor dele.

Isso permite, por exemplo, que você programe recargas em um tablet, por exemplo. O dispositivo fica conectado o tempo todo à tomada, mas ela só passa energia durante alguns minutos por dia. Neste caso, você evita problemas com a bateria, e mantém o tablet quase sempre carregado.

Continua após a publicidade

Outra possibilidade é programar uma cafeteira para passar o café na hora de você acordar. Ou programar um timer para desligar uma televisão que não tenha este recurso nativamente.

Controle universal inteligente

Um dispositivo que substitui o controle remoto infravermelho de outros aparelhos, permitindo que você controle todos por um único dispositivo. E, como o controle universal se conecta à rede Wi-Fi, você pode ligar e desligar a TV ou ar-condicionado de qualquer lugar com internet.

Continua após a publicidade

Porém, tenha em mente que o controle universal inteligente só pode se conectar aos dispositivos que estão no mesmo ambiente. Ele conversa com os aparelhos pelo infravermelho, e só se comunica com o celular ou um assistente de voz pela internet.

A vantagem é que você pode substituir todos os controles de TV, ar condicionado, set-up box e afins por um único dispositivo. E ainda pode usar mais de um celular, desde que esteja logado à mesma conta no app da fabricante.

Kit casa conectada

Uma boa opção para quem quiser começar e testar bastante dispositivos ao mesmo tempo. Trata-se de um conjunto com uma lâmpada, uma tomada e um controle universal. Dá para encontrar de diversas marcas no Brasil.

Mas tome cuidado para se certificar que o preço compensa. Às vezes, comprar cada produto separadamente pode acabar sendo mais vantajoso.

Interruptor inteligente

Você não precisa de uma lâmpada inteligente para ligar ou desligar a luz ambiente pelo celular ou assistente de voz. Eu até recomendo trocar os seus interruptores por versões inteligentes, já que abre a possibilidade de usar tanto o acionamento manual quanto o por voz ou celular.

São duas opções aqui: ou você compra o interruptor mesmo, de parede, ou compra um adaptador que conecta à rede elétrica e à chave já existente. Ambos permitem ligar e desligar à vontade pelo celular e pela parede sem afetar o funcionamento do outro método.

A vantagem da lâmpada inteligente é a dimerização e a possibilidade de trocar a cor ou temperatura (o que depende do modelo). Mas ao desligar o interruptor, você interrompe o fornecimento de energia elétrica e deixa o dispositivo offline. Algo que não ocorre com o interruptor inteligente.

Mas tome cuidado: é necessário um eletricista profissional para fazer a instalação. É o único produto recomendado aqui que não é uma boa ideia você mesmo instalar em sua casa.

Outros

Você também pode começar com um bocal inteligente, que é só uma maneira de conectar um ponto de luz aproveitando uma lâmpada já existente. Mas custa praticamente o mesmo de uma lâmpada inteligente.

Além disso, há um grande número de outros produtos, desde câmeras inteligentes até smart TVs com funções de assistente virtual. Como já falei, tudo vai depender do que você precisa no momento. Se for hora de trocar um eletrodoméstico e você quer partir para uma versão conectada, pode ser uma boa ideia.

Como montar uma casa inteligente

Resumindo, você tem alguns poucos passos para começar a conectar sua casa. Não precisa se preocupar em comprar tudo da mesma marca. E dá para começar com praticamente qualquer dispositivo, seja uma lâmpada, tomada, um kit ou um eletrodoméstico.

Só precisa ter um celular, o que quase todo mundo hoje em dia já tem no bolso, e um produto que se conecte à internet. Aí é configurar e pronto. No começo, nem precisa se preocupar em centralizar tudo em um único aplicativo, basta usar o da marca do dispositivo.

Alto-falante inteligente ou smart display são dispositivos desejáveis, mas não imprescindíveis. Eu recomendo começar com algumas tomadas e interruptores, e partir para lâmpadas posteriormente.

A configuração da casa conectada é muito importante. Você pode usar o aplicativo de cada fabricante para fazer ajustes e programar o funcionamento dos dispositivos, mas eu acho mais simples centralizar o máximo possível em um único app.

Amazon Alexa e Google Home são os melhores para isso, por conta da compatibilidade com diversos modelos e marcas. Não precisa escolher uma fabricante e focar esforços em ter tudo da mesma marca. Dá para variar e aproveitar diferentes possibilidades oferecidas por cada uma delas.

Dependendo da sua rotina, você pode até se programar para não precisar de um assistente em nenhum momento. É só programar cada dispositivo para ligar e desligar nos horários que serão necessários e pronto. Mas isso exige um grau de organização bem alto.

Ainda assim, o assistente facilita muito a sua vida por conta dos comandos de voz. Imagina que você acabou de sentar no sofá com refri e pipoca para ver um filme e esqueceu a luz acesa. Falar com a Alexa ou Google Assistente pedindo para desligar a luz é realmente útil em situações como essa.