Publicidade
Economize: canal oficial do CT Ofertas no WhatsApp Entrar

Apple quer criar seus próprios sensores de câmera para o iPhone

Por| Editado por Wallace Moté | 21 de Novembro de 2023 às 07h35

Link copiado!

Ivo Meneghel Jr/Canaltech
Ivo Meneghel Jr/Canaltech
Tudo sobre Apple

A Apple utiliza seus próprios processadores no iPhone e agora também no Mac. Não é de hoje, inclusive, que existem rumores falando que ela está desenvolvendo seu próprio modem 5G para um futuro iPhone. Agora, Mark Gurman, do site Bloomberg, diz que ela quer ir além e ter ainda mais componentes sob seu controle.

Segundo Gurman, que tem uma boa precisão em suas informações, a Apple estaria planejando expandir a sua estratégia de ter componentes proprietários, passando a desenvolver seus próprios sensores fotográficos. Isso permitiria a ela ter um maior controle sobre o processo de desenvolvimento dos seus produtos, reduzindo os custos e tendo uma dependência menor de terceiros.

Continua após a publicidade

Inclusive, ter seu próprio sensor de câmera não seria vantajoso apenas pensando em um futuro iPhone, mas também para novas gerações do Apple Vision Pro, seu headset de realidade mista — que segundo ela é o futuro da "computação espacial" —, assim como para carros autônomos e o especulado Apple Car.

Um iPhone com um sensor fotográfico proprietário da empresa pode permitir um melhor processamento de imagem, com uma comunicação mais profunda entre o processador e o sensor da câmera, desbloqueando ainda mais performance dos recursos fotográficos da marca — como é o caso do Photonic Engine e o Deep Fusion, por exemplo.

Claro, criar um componente como esse é um processo complicado. Assim, a Apple pode demorar anos para conseguir atingir o seu objetivo — para efeito de comparação, a Apple comprou a divisão de modems da Intel em 2019 para produzir seu próprio modem 5G, algo que ainda deve demorar mais uns anos para acontecer. Desse modo, a Maçã deve seguir utilizando sensores de outras marcas, como os da Sony, nos seus produtos por mais algum tempo.

Fonte: Bloomberg