Professor da Universidade de Nova York diz que Tesla será comprada em até um ano

Professor da Universidade de Nova York diz que Tesla será comprada em até um ano

Por Rafael Arbulu | 29 de Maio de 2019 às 13h41

O professor da Universidade de Nova York, Scott Galloway, fez uma previsão audaciosa no evento South by Southwest (SXSW) em março deste ano: ele antecipa que a Tesla, fabricante de automóveis elétricos de luxo liderada por Elon Musk, será adquirida por alguma outra empresa dentro de um ano.

A princípio, o parágrafo acima parece aleatório, porém Galloway tem crédito em suas previsões: quando a Amazon anunciou a sua aquisição da rede de mercados populares norte-americana Whole Foods, ele antecipou a compra meses antes de ela ocorrer.

Nesse final de maio, estamos vendo sinais de que Galloway pode ter acertado mais uma: atualmente, a Tesla vem passando por graves problemas de desvalorização acionária, com seus papéis na Bolsa sendo comercializados a menos de US$ 200 — uma queda de 35% nos meses mais recentes, desde que o ano começou. Analistas indicam que a demanda pelos automóveis fabricados pela empresa segue em queda, o que fariam dela uma excelente candidata a ser comprada por uma empresa grande de tecnologia, a preços populares.

Quer ficar por dentro das melhores notícias de tecnologia do dia? Acesse e se inscreva no nosso novo canal no youtube, o Canaltech News. Todos os dias um resumo das principais notícias do mundo tech para você!

O Canaltech recentemente publicou nota, mostrando que, em um passado distante, Elon Musk teve encontros com a Apple para tratar justamente deste assunto. Na época, porém, a Tesla tinha mais valor do que tem hoje.

Elon Musk (foto), CEO da Tesla: especialista antecipa aquisição da montadora de carros elétricos em até 12 meses

Agora, Galloway reforça sua previsão com mais detalhes: falando durante a apresentação do podcast Recode with Sara Swisher, da Vox Media, nessa última sexta (24), o professor universitário disse: “Eu acho que os investidores estão finalmente se cansando dessa situação. Minha previsão é a de que, dentro de 12 meses, a Tesla terá valor abaixo de US$ 100 por ação e provavelmente será adquirida porque há valor real nela”.

Por “valor real”, Galloway provavelmente se refere aos avanços da montadora americana na área de dirigibilidade autônoma e pesquisas de inovação: goste ou não da Tesla, o seu sistema de piloto automático é, hoje, um dos únicos comercialmente disponíveis ao público e também um dos mais populares. A empresa também investe em novas funções para seus veículos e consegue implementá-las via atualização de software, algo que outras montadoras ainda têm dificuldade em fazer.

Mas quem tem essa grana?

A Tesla, hoje, tem um valor de mercado que rodeia a casa dos US$ 35 bilhões. Com a desvalorização prevista por Galloway, é possível que esse valor caia para algo entre US$ 20 bilhões a US$ 25 bilhões. Mesmo com uma queda tão brusca, são poucas as montadoras que poderiam dispor de tanto dinheiro para adquirir a empresa de Elon Musk: “Mesmo se cair de US$ 35 bilhões para US$ 17 bilhões… temos talvez umas duas empresas que poderiam comprá-la: talvez a Toyota, talvez a Daimler Benz, mas isso é uma aposta meio fraca”, ele disse.

Ao invés disso, Galloway aponta para o mercado tecnológico. Rumores de uma aquisição da Tesla pela Apple vêm flutuando o noticiário especulativo há anos, vide o link que postamos mais acima. "Os caras que poderiam comprá-la, que realmente têm esse balanço financeiro, são as empresas de tecnologia, mas elas não querem entrar nos negócios de baixa margem”, argumenta Galloway. “Será que a Google começaria a ver ‘carros’ como mais uma plataforma para anúncios, talvez?”

O professor da Universidade de Nova York, Scott Galloway: "Tesla será adquirida por uma empresa de tecnologia, não por outra montadora" (Foto: Hubert Burda Media)

Vale citar, por exemplo, que a Amazon registrou um balanço comercial de US$ 17 bilhões recentemente. E a empresa vem investindo muito em áreas inovativas do mercado de automóveis: recentemente, a empresa anunciou um investimento na Rivian, uma montadora de SUVs elétricos.

De qualquer forma, Galloway está seguro de que, se de fato alguém comprar a Tesla, não será nenhuma montadora automotiva: “[A Tesla] É uma grande marca, com um grande produto. Mas elas [montadoras] não vão comprá-la”.

A Tesla não quis comentar as especulações.

Fonte: Business Insider; Recode Podcast (via Spotify)

Gostou dessa matéria?

Inscreva seu email no Canaltech para receber atualizações diárias com as últimas notícias do mundo da tecnologia.