Oito perguntas sobre: o site que permite que você publique seu próprio livro

Por Rui Maciel | 27 de Setembro de 2020 às 14h00
Wikimedia Commons - https://www.pngegg.com/pt/png-xzcwm

Se até pouco tempo o Brasil era considerado um país com baixos indicadores de leitura, o fato é que, nos últimos anos, esse cenário não pareceu mudar muito. Na verdade, até piorou. Na 5º edição da pesquisa "Retratos da Leitura no Brasil" - coordenado pelo Instituto Pró-Livro, desenvolvido em parceria com o Itaú Cultural e executado pelo IBOPE Inteligência - o estudo aponta que o número de leitores no nosso país diminuiu: de 56% para 52% nos últimos cinco anos.

Segundo os parâmetros do estudo, é considerado um leitor aquele que é aquele que leu, inteiro ou em partes, pelo menos 1 livro nos últimos 3 meses. E o "Não leitor" é aquele que declarou não ter lido nenhum livro nos últimos 3 meses, mesmo que tenha lido nos últimos 12 meses. E nessa última categoria, os motivos para não ter consumido uma obra literária foram vários: "falta de tempo" foi a razão dada por 34% dos entrevistados; já "não gostar de ler" ficou em segundo, com 28%; "não tem paciência" levou a medalha de bronze, com 14%. Por fim, "prefere outras atividades" (18%) e "tem dificuldade para ler" (6%), completam a relação.

Outros highlights nada animadores também aparecem na pesquisa: 48% dos brasileiros não leem, um número 4% maior em comparação à última edição de "Retratos da Leitura" (44%); além disso, 22% dos pesquisados afirmam não gostar de ler. Sem contar que a leitura ainda precisa competir com uma série de outras atividades. De acordo com o estudo, a atividade aparece apenas na 11º colocação no ranking do que as pessoas gostam de fazer em seu tempo livre. TV, internet, música, WhatsApp, ver vídeo ou filme, escrever, reunir-se com amigos ou família, redes sociais, ler jornais e revistas e fazer esportes - nessa ordem - estão na frente do hábito de ler um bom livro.

Mas o cenário não está em todo perdido. Ainda segundo o estudo, o brasileiro lê uma média de 4,95 livros por ano, sendo a leitura de 2,55 deles foi finalizada e 0,87 tratou-se de leituras obrigatórias na escola. Esses números são semelhantes ao edição anterior da pesquisa, feita em 2015.

E é pensando nesse público e também em um cenário mais otimista de leitura nos próximos anos que o Clube de Autores aposta. Fundada por Indio Brasileiro Guerra Neto, Ricardo Almeida e Anderson de Andrade, o site afirma ser a maior plataforma de autopublicação da América Latina. Basicamente, ela permite aos autores independentes publicarem suas obras sem tiragem mínima – sob demanda – e sem nenhum custo. Fundada em maio de 2009, a startup nasceu a partir da experiência dos sócios como autores e, hoje, afirma representar cerca de 15% do total de livros publicados no Brasil.

E, em uma primeira olhada no site, o processo parece ser, realmente, simples. No campo "Simule sua publicação", o aspirante a escritor escolhe o tipo de publicação (Ebook e/ou livro impresso), o formato do livro (A5, pocket, quarado ou A4) e outros itens, como número de páginas, tipo de papel, acabamento, etc. Na sequência, ele define quantos exemplares deseja e quanto quer receber por venda. Feito isso, basta clicar em "Simular" e, ao preencher seu nome e e-mail, ele receberá qual será o preço da obra nas livrarias e o custo do exemplar para o autor. Se concordar com as condições, basta clicar em "Publique seu livro gratuitamente" e preencher o cadastro. Tudo feito em poucos cliques.

E é nessa simplicidade proporcionada pela Tecnologia que o CEO do Clube de Autores, Ricardo Almeida, aposta para fazer o empreendimento crescer. Nessa edição do "Oito perguntas sobre", ele fala sobre o mercado de livros no Brasil, a interação os autores com a plataforma e ainda uma razão econômica indiscutível se você reclama que livros são caros demais.

Ricardo Almeida, CEO do Clube dos Autores: confiança no crescimento do hábito de leitura do brasileiro (Foto: divulgação)

Confira como foi o papo

Canaltech - Historicamente, o Brasil não é um dos países que mais consomem livros no mundo, com títulos vendendo alguns poucos milhares de exemplares já sendo considerados best sellers. Esse cenário está mudando? Quais os desafios que o Clube de Autores enfrenta no atual panorama?

Ricardo Almeida: Nós, às vezes, temos o hábito de nos minimizar como país e como potência. O Brasil tem um mercado editorial extremamente poderoso, com uma média de 5,4 horas semanais dispensada por brasileiro para a leitura. Sim, isso é bem menos que a média de um sueco, que passa 6,9 horas semanais lendo - mas nossa população é 20 vezes maior. O que isso significa? Que o livro é, inclusive economicamente, muito mais importante do que o que costumamos considerar.

E isso tende apenas a melhorar, diga-se de passagem, porque o hábito de leitura está muito maior na população jovem (84% dos brasileiros com 11 a 13 anos se declara leitor, contra 52% da população com 40 a 49 anos).

Nós sentimos esse impacto diretamente aqui no Clube de Autores: nossas vendas crescem de maneira exponencial na mesma medida que mais e mais autores publicam seus livros na plataforma. Apenas para se ter uma ideia, temos hoje cerca de 1.200 novos livros publicados todos os meses aqui - um número bastante considerável e que reflete o apetite do brasileiro por compartilhar histórias.


CT - Como os autores brasileiros veem o sistema de autopublicação atualmente? Ainda há resistência ao uso desta tecnologia?

R.A.: Havia uma resistência à autopublicação lá no passado, quando começamos, em 2009. Com o tempo, esse tipo de preconceito foi diminuindo até desaparecer.

O motivo mais importante para isso é que os benefícios passaram a ser facilmente percebidos pelo autor: ao se autopublicar aqui no Clube, por exemplo, ele define diretamente cada característica do seu livro, determina quanto quer ganhar de direitos autorais, consegue distribuir sua obra física e digitalmente pelas maiores livrarias do mundo e ainda acompanha suas vendas com total transparência.

Essas características podem parecer óbvias para um leigo no mercado mas, se comparadas com o mundo editorial tradicional, são absolutamente disruptivas.

CT - O sistema de autopublicação oferecido pelo site parece ser bastante intuitivo. Na versão impressa, que formatos, tipo de papel e acabamento são so preferidos pelos autores?

R.A.: Temos um conjunto bem grande de combinações que podem ser escolhidas pelo autor incluindo tamanho (A5, A4, pocket e quadrado), acabamento (brochura, capa dura ou espiral), coloração (preto e branco ou colorido) e tipo de papel (offset, polen e couche, de diferentes gramaturas). A maior parte dos autores, no entanto, optam por um formato que passamos a considerar padrão: tamanho A5, acabamento brochura (capa mole com lombada quadrada), miolo preto e branco e papel offset com 75g.

Modo de funcionamento do Clube dos Autores: o autor define todo o processo (Foto: divulgação)



CT - Na questão da precificação, como funciona a cabeça dos autores? Eles cobram caro demais, cobram barato demais, mudam muito de ideia? Vocês dão algum tipo de aconselhamento nesse sentido?

R.A.: A precificação varia bastante de livro para livro e de autor para autor. Na média, o preço de um livro no Clube de Autores (R$ 38) é menor que o preço médio de livro do Brasil (R$ 40). Sempre recomendamos que o autor tenha esses valores como parâmetro, mas que não cometa o erro de achar que, para vender, seu livro tem que ser extremamente barato.

Se o preço é um fator importante na escolha do consumidor - e não há como negar isso - ele também não é o único. A qualidade da sinopse do livro, a atratividade da capa, a recomendação de outros leitores, enfim: há toda uma série de fatores que convergem para a decisão de compra. Até porque, por mais que se repita insistentemente que o livro é caro no Brasil, a verdade é que ele não é. R$ 40, para ficar no valor médio nacional, é muito menos do que se costuma gastar, por exemplo, com uma ida ao cinema - e um bom livro costuma durar muito, muito mais que as 2 horas de entretenimento na telona).

CT - E em relação aos e-books, ainda há algum tipo de resistência a esse formato? Ou ele já vem sendo mais adotado tanto pelos autores, como pelos leitores?

R.A.:Não vemos resistência a ebooks - mas também não enxergamos mais espaço para aquelas previsões fatalistas que pregavam ferozmente que os ebooks substituiriam o livro impresso por completo. Hoje, no Clube de Autores, ebooks representam pouco menos de 20% das nossas vendas - há uma predileção indiscutível pelo formato impresso (mesmo quando fazemos um corte pelas faixas etárias menores). E não vemos muita mudança nisso. Ao contrário: na medida em que os anos vão passando, o que percebemos inclusive é o crescimento maior de impressos do que de ebooks.

Processo de publicação de um livro no site do Clube dos Autores: tudo a poucos cliques (Foto: divulgação)


CT - Como o Clube de Autores faz o trabalho de divulgação das obras junto às livrarias e e-commerces?

R.A.: Quem define se quer ou não ter o seu livro distribuído é o autor. Do nosso lado, nós oferecemos uma distribuição gratuita e extremamente ampla, em todos os formatos. Livros impressos, por exemplos, são vendidos em livrarias como Estante Virtual, Amazon, Mercado Livre, Submarino, Livraria Cultura e Americanas, além de outras; livros digitais, em praticamente todos os leitores (Kindle, Apple, Kobo etc.). O processo é inteiramente automatizado e extremamente simples.

CT - Quais são os gêneros mais vendidos / procurados no site? Além da publicação e divulgação, o Clube de Autores oferece outros serviços extras?

R.A.: Com um volume tão grande de livros publicados todos os dias, é difícil determinar um gênero específico. Dependendo do mês, o topo da lista pode ser encabeçado por romances, por obras biográficas, por livros infanto-juvenis ou até poesia. Há espaço para todos os gêneros aqui. Mas a imensa maioria dos livros é de autores brasileiros: ainda são, realmente, poucos os estrangeiros que publicam aqui.

Nós criamos, em 2010, um site focado na prestação de serviços editoriais - o www.profissionaisdolivro.com. br . Por lá, todo autor que quiser pode contratar capa, revisão, diagramação, ilustração e praticamente todo tipo de serviço que ele sentir necessidade para publicar o seu livro.

O livro autopublicado no site pode ser oferecido às maiores livrarias (Foto: divulgação) 


CT - Existem autores até então desconhecidos do grande público - ou mesmo aspirantes a escritores - que se destacaram a partir da autopublicação no site? Há alguma prática ou estratégia em comum?

R.A.: É comum aparecer, aqui no clube, novos autores que, com o tempo, acabam sendo "descobertos". Praticamente todos os meses aparecem casos de escritores que começam a despontar em vendas e recebem propostas de editoras convencionais. Alguns vão, outros seguem aqui conosco - e nós sempre procuramos deixar a decisão a cargo deles, sem exigir nenhum tempo mínimo de permanência, exclusividade ou nada do gênero.


Gostou dessa matéria?

Inscreva seu email no Canaltech para receber atualizações diárias com as últimas notícias do mundo da tecnologia.