CEO da Qualcomm diz que seus processadores vão rivalizar com o Apple M1 em 2022

CEO da Qualcomm diz que seus processadores vão rivalizar com o Apple M1 em 2022

Por Bruno Bertonzin | Editado por Wallace Moté | 02 de Julho de 2021 às 13h10
Divulgação/Qualcomm

Novo CEO da Qualcomm, o brasileiro Cristiano Amon deu uma entrevista à Reuters nesta semana e destacou um pouco dos planos da empresa para os próximos anos. Segundo o executivo, a fabricante de San Diego pretende acirrar a rivalidade com a Apple no mercado de processadores para notebooks a partir de 2022.

De acordo com as informações, Amon já garantiu para as fabricantes de notebooks que, a partir do próximo ano, elas terão uma nova opção de processadores de alto desempenho para equipar seus produtos, com performance capaz de rivalizar com os potentes chips M1, utilizados pela Apple em MacBooks e outros produtos desde o final de 2020.

Atualmente, a Qualcomm é uma das líderes no fornecimento de chipsets para celulares. As plataformas móveis Snapdragon estão presentes em boa parte dos smartphones produzidos em todo o mundo, desde os dispositivos de entrada, até flagships mais potentes, que utilizam o Snapdragon 888 e em breve passarão a adotar o Snapdragon 888+.

Quer ficar por dentro das melhores notícias de tecnologia do dia? Acesse e se inscreva no nosso novo canal no youtube, o Canaltech News. Todos os dias um resumo das principais notícias do mundo tech para você!

A empresa até vem investindo no que chama de "PCs sempre conectados" desde o final de 2018, quando anunciou o Snapdragon 8cx como o primeiro totalmente projetado para computadores, mas ainda não conseguiu emplacar chips que chamassem tanta atenção quanto o que fez a Apple com seu M1. Amon ainda comentou sobre a parceria que tem com a ARM há anos, mas destacou que é hora de a empresa começar a criar seus próprios núcleos de processamento, ao invés de licenciar os da parceira.

Linha Snapdragon 8cx está na segunda geração, mas ainda não conseguiu seu lugar de destaque (Imagem: Divulgação/Qualcomm)

No entanto, o executivo também foi cauteloso e explicou que o interesse da marca é oferecer às fabricantes de notebooks uma boa performance e, se a ARM desenvolver um hardware melhor, a Qualcomm pode voltar a licenciar seus produtos: “Precisávamos ter o melhor desempenho em um dispositivo movido a bateria. Se a ARM, com a qual temos um relacionamento há anos, eventualmente desenvolver uma CPU que é melhor do que o que podemos construir nós mesmos, então sempre temos a opção de licenciar da ARM.”

Não foram dados detalhes sobre qual seria o novo processador com foco em computadores da Qualcomm ou quais as suas especificações, mas a empresa costuma realizar uma conferência especial no início de dezembro onde apresenta ao mundo novas soluções, restando aguardarmos para ver se o Snapdragon Summit de 2021 reserva alguma novidade nesse sentido.

Fonte: TechRadar

Gostou dessa matéria?

Inscreva seu email no Canaltech para receber atualizações diárias com as últimas notícias do mundo da tecnologia.