Publicidade
Economize: canal oficial do CT Ofertas no WhatsApp Entrar

Sonificação: dados do satélite Aeolus são transformados em música

Por| Editado por Patricia Gnipper | 28 de Julho de 2023 às 10h35

Link copiado!

ESA/ATG medialab
ESA/ATG medialab

O novo vídeo Life of Aeolus (A Vida de Aeolus, em tradução literal) recorda a trajetória do satélite Aeolus, que vai reentrar na atmosfera da Terra nesta sexta-feira (28). A sequência foi publicada pela Agência Espacial Europeia (ESA) e traz uma sonificação produzida a partir dos dados sobre ventos, que o satélite coletou durante um ano.

Com a sonificação, os dados obtidos pelo satélite foram transformados em sons, com cada informação recebendo tom, volume e notas musicais em durações correspondentes. Já fenômenos como erupções vulcânicas e tempestades receberam sons de tambores ou de ventos sintéticos.

Confira um pouco do resultado:

Continua após a publicidade

Os dados dos topos das nuvens foram representados por sons de flautim, enquanto o clarinete e outros instrumentos indicam dados obtidos mais perto da superfície da Terra. Os sons de flautas, oboés e outros instrumentos musicais mostram a densidade das nuvens, pressão do ar, velocidade dos ventos e mais.

Na sequência sonora completa, com pouco menos de 30 minutos, cada segundo representa um dia de dados coletados conforme o Aeolus orbitou a Terra 16 vezes por dia. “É um equilíbrio entre ter algo que tenha precisão em relação aos dados e que seja acessível ao público”, explicou o compositor Jamie Perera.

A ESA lançou o satélite Aelous em 2018 para coletar dados sobre os ventos na Terra, contribuindo para a previsão de tempestades tropicais, furacões e outros fenômenos meteorológicos. Ele encerrou suas atividades em julho, e a agência espacial iniciou operações para guiá-lo de volta à Terra.

A órbita do satélite vem diminuindo desde o início da semana, e a reentrada na atmosfera deve acontecer durante a noite de sexta (28). Segundo a ESA, cerca de 80% da estrutura do satélite deve acabar queimada, enquanto os 20% que restarem devem afundar no oceano Atlântico.

Abaixo, você encontra a sonificação completa:

Fonte: ESA