Publicidade

Quando vai ser o pico da chuva de meteoros Gemínidas em 2023?

Por| Editado por Patricia Gnipper | 13 de Dezembro de 2023 às 20h20

Link copiado!

Siarhei Nester/Pexels
Siarhei Nester/Pexels

A chuva de meteoros Gemínidas, ou Geminídeas, chega ao pico de atividade nessa semana. Alguns especialistas preveem que o evento será durante a noite de quinta-feira (14) e a madrugada de sexta (15), mas outros citam a noite entre quarta (13) e quinta (14). Afinal, qual data é a correta?

Quando o assunto é o momento do pico, as chuvas de meteoros podem ser um pouco imprevisíveis. Uma das maneiras de calcular as chances é por meio do registro de observações anuais, ou seja, catalogar quantos meteoros são observados em cada evento.

Esse método depende da colaboração de astrônomos amadores e observadores em geral em todo o planeta. Qualquer pessoa pode se cadastrar em organizações dedicadas ao assunto e enviar os dados de suas observações.

Continua após a publicidade

Pico da chuva de meteoros Gemínidas

A organização International Meteor Organization (IMO) fornece um gráfico de observações anuais de cada chuva de meteoros. Segundo os dados do IMO, o pico da Gemínidas ocorre com maior frequência nas noites entre os dias 14 e 15 de dezembro. No entanto, alguns anos tiveram maior quantidade de observações registradas entre 13 e 14 de dezembro.

Mas por que isso acontece? O astrônomo Phil Plait explica que “o pico não ocorre em um único momento e pode ser amplo o suficiente para durar alguns dias”. Além disso, ele lembra que depende do fuso-horário da região do observador, o que torna ainda mais difícil determinar um horário com precisão.

Continua após a publicidade

Geralmente, os horários divulgados em sites e portais de notícia levam em conta os horários divulgados por especialistas estadunidenses e agências espaciais, como a NASA. Entretanto, há outras fontes muito confiáveis, como o próprio IMO — que, por sinal, prevê o pico entre os dias 13 e 14.

O astrônomo, professor e autor Dr. Rodolfo Langhi também afirmou que o pico da Gemínidas "ocorre por volta da madrugada de 14 de dezembro, a partir das 2:00 da manhã (de 13 para 14 de dezembro)".

Como ver os meteoros gemínideos

A conclusão é que vale a pena olhar para o alto nas duas noites aproveitando a ausência da Lua, que está com apenas 1% de seu brilho total. Note que após o pico, a queda pode ser brusca.

Continua após a publicidade

Resumindo: procure observar desde a noite dessa quarta-feira (13) até a madrugada entre quinta (14) e sexta-feira (15). Para observar os meteoros, não é necessário nenhum instrumento, apenas seus olhos após cerca de 20 minutos para se acostumar com a escuridão da noite.

Outras dicas importantes:

  • Fuja da poluição luminosa: procure um local afastado das iluminação artificial da cidade.
  • Procure lugares elevados: isso vai aumentar seu campo de visão.
  • Não olhe apenas para o radiante: os Geminídeos parecem vir todos da estrela Castor, na constelação de Gêmeos, mas podem aparecer em qualquer lugar do céu.
  • Prepare-se: leve algum lanche, uma cadeira, coberta ou até mesmo um saco de dormir. O melhor jeito é ficar deitado e ter paciência para apreciar por algumas horas.
Continua após a publicidade

Chegue cedo ao local, pois o radiante vai aparecer acima do horizonte às 21h40, sendo essa a única chuva com pico nas primeiras horas da noite. Nesse horário, você pode observar um Earthgrazer, isto é, um meteoro duradouro que percorre o céu horizontalmente.

Sobre a chuva Gemínidas

A chuva de meteoros Geminídeos é anual, e acontece quando a Terra passa pela nuvem de detritos deixada pelo asteroide 3200 Phaethon (ou Faetonte). Essa “sujeira” se solta do asteroide durante sua passagem próxima do Sol.

Quando a Terra passa por esse trecho, alguns desses grãos de poeira acabam entrando em nossa atmosfera e são desintegrados antes mesmo de atingir o solo do nosso planeta. O resultado da queima por atrito na atmosfera é o brilho que damos o nome de meteoro.

Continua após a publicidade

A chuva Gemínidas pode trazer até 150 meteoros por hora, mas no hemisfério Sul o número é reduzido pela metade, aproximadamente. Eles queimam na atmosfera superior da Terra enquanto viajam a cerca de 35 km/s.

Fonte: International Meteor Organization