O que aconteceu com os astronautas da NASA que foram à Lua?

O que aconteceu com os astronautas da NASA que foram à Lua?

Por Danielle Cassita | 14 de Fevereiro de 2021 às 10h00
NASA

Em julho de 1969, os primeiros humanos pisavam na Lua pela primeira vez durante a missão Apollo 11. Até hoje, as missões do programa são referência quando o assunto é a presença humana em nosso satélite natural — e com razão, já que, das 17 missões do programa, 9 foram para lá. Mas, afinal, o que aconteceu com os astronautas que foram à Lua?

O programa foi iniciado com a tragédia da Apollo 1, que resultou na morte dos astronautas Virgil Grissom, Edward White e Roger Chaffee. As demais missões foram direcionadas a verificações de segurança e testes dos veículos e módulos que, futuramente, seriam usados fora da Terra. No total, doze homens caminharam em nosso satélite natural, e mais tantos outros estiveram em sua órbita.

Saiba mais sobre os astronautas que foram para a Lua com o programa Apollo e o que eles fizeram após seu trabalho nas missões da NASA:

Quer ficar por dentro das melhores notícias de tecnologia do dia? Acesse e se inscreva no nosso novo canal no youtube, o Canaltech News. Todos os dias um resumo das principais notícias do mundo tech para você!

Apollo 8

Da esquerda para a direita, Frank Borman, Bill Anders e Jim Lovell (Imagem: Reprodução/NASA)

Lançada em 21 de dezembro de 1968, a Apollo 8 foi a primeira missão do programa a orbitar a Lua, o que permitiu que os tripulantes fizessem imagens inéditas do solo lunar e do nosso planeta — aliás, foi feita até uma transmissão ao vivo para a Terra, que mostrou os astronautas se revezando para ler o Livro de Gênesis, da Bíblia, durante a noite de Natal. Os astronautas que fizeram parte da missão foram os seguintes:

Frank Borman

Inicialmente, ele tinha sido escalado para comandar a Apollo 9, mas Borman acabou sendo o comandante da Apollo 8. Ele se aposentou da NASA em 1970 e se tornou vice-presidente de operações na Eastern Air Lines. Posteriormente, assumiu a posição de diretor executivo na empresa, mas acabou deixou o cargo em 1986, e escreveu sua autobiografia.

Desde 1998, Borman vive em um pequeno rancho em Montana, nos Estados Unidos, e é o astronauta mais velho ainda vivo atualmente.

William Anders

Selecionado pela NASA em 1964, ele foi piloto reserva das missões Gemini 11 e Apollo 11, e atuou na Apollo 8 como piloto do módulo lunar. Além da experiência que teve na aviação militar antes de se tornar astronauta, ele somou aproximadamente 6 mil horas de voo.

Depois da Apollo 8, Anders passou mais alguns anos na NASA, e acabou deixando a agência espacial para assumir a direção da Nuclear Regulatory Commission. Ele trabalhou com o governo federal durante 26 anos e atuou em empresas de segmentos diversos, como energia nuclear e sistemas de aeronaves.

James Lovell 

Lovell foi piloto do módulo de comando da Apollo 8, e foi responsável por utilizar os instrumentos da nave para determinar a posição do veículo de acordo com a posição das estrelas. Ele participou da leitura de algumas passagens bíblicas para a transmissão à Terra.

Antes do programa, Lovell atuou como piloto reserva da missão Gemini 4, em 1965, e foi também um dos tripulantes da Gemini 7, que orbitou a Terra. A Apollo 8 não foi sua última missão no programa; alguns anos depois, Lovell estaria no comando da Apollo 13.

Apollo 9

Da esquerda para a direita, Russell Schweickart, David R. Scott e James McDivitt no navio de recuperação ao fim da missão (Imagem: Reprodução/NASA)

Lançada em 3 de março de 1969 com o foguete Saturn V, a Apollo 9 teve o objetivo principal de realizar um teste de órbita com o módulo lunar tripulado, além de análises dos sistemas do veículo de lançamento e da nave. Os astronautas também precisaram verificar e garantir que os módulos conseguiam voar sozinhos e se acoplar novamente, e passaram um total de dez dias na órbita baixa da Terra. Ela contou com os seguintes astronautas:

James McDivitt

Inicialmente, McDivitt foi o piloto do módulo de comando da missão Gemini 4, que foi aquela em que Ed White fez a primeira caminhada espacial dos astronautas norte-americanos. Depois, McDivitt comandou a Apollo 9. Junto de Russel, ele passou para o módulo lunar para testar os comandos da nave que seria usada para pousar na Lua futuramente.

Depois, McDivitt seguiu como gerente do programa Apollo até se aposentar como general de brigada e, posteriormente, trabalhou em organizações privadas.

Russell Schweickart

Schweickart entrou na NASA em 1963 e, durante seu trabalho, foi piloto do módulo lunar da Apollo 9; ele realizou um spacewalk durante o quarto dia da missão, e foi fotografado por McDivitt durante a atividade. Depois de deixar a NASA, ele foi presidente executivo da CTA Commercial Systems e diretor da Low Earth Orbit Systems, onde trabalhou no desenvolvimento de constelações de satélites de comunicação.

Hoje, Schweickart é aposentado, e ajudou a fundar em 2011 a B612 Foundation, uma organização sem fins lucrativos para o desenvolvimento e testes de conceitos de voos espaciais para proteger a Terra de possíveis impactos de asteroides.

David Scott

Scott entrou na NASA em 1962, e foi piloto do módulo de comando da Apollo 9: foi ele quem pilotou o módulo durante o primeiro acoplamento com o módulo lunar. Posteriormente, passou seis anos trabalhando na gestão da NASA, e se aposentou da Força Aérea em 1975. Três anos depois, Scott conduziu empresas de consultoria de gestão de projetos, aplicações comerciais da tecnologia espacial, entre outros.

Ele também foi consultor técnico do famoso filme “Apollo 13” e da série “From the Earth to the Moon".

Apollo 10

Da esquerda para a direita, Eugene Cernan, John Young e Thomas Stafford (Imagem: Reprodução/NASA)

Em 18 de maio de 1969, foi lançada a Apollo 10, a primeira missão que realizou um voo completo e tripulado em torno da Lua. Os astronautas fizeram todas as manobras necessárias, exceto a descida, pouso e subida do módulo lunar. Assim, eles ensaiaram as etapas que seriam executadas durante a Apollo 11. Foram eles:

Thomas Stafford

Stafford foi o comandante da Apollo 10 durante o voo na órbita da Lua. Ele e Cernan separaram o módulo lunar e chegaram a cerca de 15 km de distância da superfície lunar, deixando tudo preparado para a tripulação da Apollo 11 realizar a alunissagem, que foi realizada 11 meses depois.

Ao fim das atividades na NASA, ele voltou para a Força Aérea por algum tempo e se aposentou da carreira militar em 1979. Stafford é o co-fundador da Technical Consulting Firm, e também atuou como conselheiro para diversas agências governamentais. Hoje, compõe o comitê de curadores da Astronaut Scholarship Foundation.

Eugene Cernan

Capitão da Marinha norte-americana, o primeiro voo de Eugene foi com a missão Gemini 9, na qual fez um spacewalk de oito minutos. Depois, ele foi um dos tripulantes da Apollo 10 como piloto do módulo lunar. Sua participação no programa não se encerrou nesta missão: ele também esteve na Apollo 17, e se tornou o último homem a pisar na Lua.

John Young

Young voou com a missão Gemini 3, que lhe rendeu a medalha NASA Exceptional Service Medal, e também foi tripulante da missão Gemini 10. Já durante a Apollo 10, foi piloto do módulo de comando durante o “ensaio” para o pouso que aconteceu na missão seguinte. Aquela estava longe de ser sua última missão espacial: alguns anos depois, ele se tornou mais um na lista dos homens que caminharam na Lua, com a Apollo 16.

Apollo 11

Os astronautas Neil Armstrong, Michael Collins e Edwin E. Aldrin Jr (Reprodução/NASA)

Foi em 20 de julho de 1969 que os astronautas da Apollo 11 realizaram o primeiro e mais icônico pouso tripulado na Lua, onde completaram com sucesso o objetivo nacional estabelecido pelo presidente John F. Kennedy oito anos antes. O momento histórico foi transmitido em todo o mundo, e os astronautas voltaram em segurança em 24 de julho. Fizeram parte da missão os seguintes tripulantes:

Neil Armstrong

Seu primeiro voo orbital foi em 1966, a bordo da missão Gemini 8. Já em julho de 1969, Armstrong comandou a célebre Apollo 11, e se tornou o primeiro homem a pisar na Lua. Apenas um ano depois, ele decidiu deixar a NASA e se aposentar como astronauta — ele só voltou à agência espacial depois para contribuir nas investigações do ocorrido com a Apollo 13 e da tragédia do ônibus espacial Challenger.

Posteriormente, Armstrong integrou o corpo docente da University of Cincinnati, universidade em que lecionou engenharia aeroespacial até 1979. De espírito aventureiro, em 1985 ele foi a uma expedição no Polo Norte. Ele faleceu em 25 de agosto de 2012, aos 82 anos.

Edwin "Buzz" Aldrin Jr.

A primeira missão de “Buzz” foi realizada em 1966, durante o voo espacial Gemini XII. Já em julho de 1969, ele foi o piloto do módulo lunar durante a Apollo 11, missão na qual se tornou o segundo homem a pisar na Lua.

Ele se aposentou como astronauta em 1971 e deixou a carreira militar algum tempo depois. Aldrin passou uma etapa da vida na luta contra a depressão e o alcoolismo e, em 1996, fundou uma empresa de projetos de foguetes. Hoje, é um grande apoiador de missões tripuladas em Marte.

Michael Collins

Collins foi o piloto do módulo de comando da Apollo 11. Antes, havia tripulado também a Gemini 10. A missão do programa Apollo foi a última de sua carreira espacial; depois, ele passou o restante das atividades como diretor do National Air and Space Museum, e atuou também como vice-presidente da Vought Corporation, entre outras organizações, além de ter escrito quatro livros. Michael Collins morreu em 28 de abril de 2021, aos 90 anos, após lutar contra o câncer.

Apollo 12

Da esquerda para a direita, Charles Conrad, Richard Gordon e Alan Bean antes do lançamento (Imagem: Reprodução/NASA)

Lançada em 14 de novembro de 1969, essa missão deu prosseguimento ao trabalho iniciado durante a Apollo 11. Os astronautas conseguiram cumprir todos os objetivos designados, além de coletar amostras de solo, rochas e resgatar partes da da sonda Surveyor. Os astronautas desta missão foram os seguintes:

Charles “Pete” Conrad

O primeiro voo de Conrad foi com a missão Gemini 10. Depois, ele atuou como comandante da Apollo 12 e da Skylab II — tanto que os feitos nesta missão lhe renderam a condecoração com a medalha Congressional Space Medal of Honor em 1978. Conrad deixou a Marinha e a NASA em 1973, e foi vice-presidente da American Television and Communications Company. Pete faleceu em 8 de julho de 1999, devido a um acidente de motocicleta.

Alan Bean

Piloto de testes da Marinha norte-americana, Bean foi o piloto do módulo lunar durante a missão Apollo 12. Ele e Conrad passaram quase oito horas caminhando na Lua, e coletaram cerca de 30 kg de rochas lunares e solo, além de partes do lander Surveyor. Depois, ele foi novamente ao espaço como comandante do voo da missão Skylab.

Bean se aposentou da Marinha em 1975 e deixou a NASA em 1981. A partir daí, dedicou o tempo à pintura em tela, retratando temas relacionados às missões Apollo. Ele faleceu em 26 de maio de 2018, aos 86 anos.

Richard F. Gordon Jr.

Capitão da Marinha aposentado, Gordon foi o piloto do módulo de comando durante a Apollo 12, e se manteve na órbita no módulo Yankee Clipper enquanto Bean e Conrad trabalhavam na superfície lunar. Antes desta missão, ele havia pilotado a missão Gemini 11 e feito duas caminhadas espaciais.

Ele deixou a NASA em 1977, se dedicando então ao New Orleans Saints Professional Football Club como vice-presidente. Depois, atuou em algumas posições executivas em diferentes empresas nas indústrias de engenharia, tecnologia e petróleo. Gordon faleceu em 6 de novembro de 2017.

Apollo 13

Da esquerda para a direita, haise, Lovell e Mattingly com o foguete Saturn V ao fundo (Imagem: Reprodução/NASA)

Lançada em 11 de abril de 1970, essa foi a missão que ficou conhecida como a "falha bem sucedida da NASA". A Apollo 13 faria a terceira tentativa de pouso lunar, mas a missão foi abortada após um rompimento no tanque de oxigênio do módulo de serviços. Com o trabalho exemplar do comando da missão e dos astronautas, o módulo lunar serviu como "bote salva-vidas" e eles voltaram em segurança para casa. Conheça os astronautas desta missão:

James Lovell

A Apollo 13 foi a última missão de Lovell que, apesar do incidente que impediu o pouso na Lua, ele conseguiu um total de 700 horas no espaço, mais tempo do que qualquer outra pessoa já havia passado.

Depois de se aposentar da NASA e da Marinha em 1973, Lovell ainda trabalhou em diversas empresas. Em 1999, a família Lovell abriu um restaurante e mesmo hoje, aos 92 anos, ele ainda concede entrevistas e participa de programas televisivos sempre que pode.

Fred Haise 

Piloto da Marinha e da Força Aérea norte-americana, Haise estava no voo da Apollo 13 como piloto do módulo lunar; a ideia era que caminhasse na Lua junto do comandante Lovell, o que não aconteceu, e esta foi a última vez que foi para o espaço. Posteriormente, o astronauta foi assistente técnico dos ônibus espaciais, e executou voos de testes.

Ele deixou a NASA em 1979 para atuar como vice-presidente de programas espaciais com a Grumman Aerospace Corporation, e se manteve ligado à empresa até se aposentar. Hoje, Haise vive no Texas.

John “Jack” Swigert Jr.

Engenheiro aeroespacial e piloto de testes, Swigert entrou para a tripulação da Apollo 13 como piloto do módulo de comando apenas três dias antes do lançamento da missão, já que Ken Mattingly havia sido exposto à rubéola e precisou ser afastado; o trabalho dele foi elogiado por Lovell.

Swigert tirou uma licença da NASA em 1973 para se tornar diretor executivo do comitê de Ciência e Tecnologia da Casa Representativa dos EUA, e se aposentou oficialmente da agência espacial em 1977 para iniciar atuar na política; ele foi eleito em 1982 e faleceu em 28 de dezembro de 1982, antes de assumir o cargo.

Apollo 14

Stuart A. Roosa, Alan B. Shepard Jr. e Edgar D. Mitchell, com o emblema da missão ao fundo (Imagem: Reprodução/NASA)

Após o incidente que impediu o pouso da missão anterior na Lua, a Apollo 14 foi lançada em 31 de janeiro de 1971 e realizou com sucesso o terceiro pouso de uma nave tripulada em nosso satélite natural. Desta vez, a missão principal era pousar próximo da cratera Cone, para os astronautas realizarem pesquisas geológicas nos arredores da formação geológica. Quem fez parte da missão, foram os astronautas abaixo:

Alan B. Shepard Jr.

Shepard foi o comandante da Apollo 14. Junto de Edgar Mitchell, realizou duas caminhadas espaciais pela Lua para coletar cerca de 40 kg de rochas para análise, além de realizar experimentos na superfície lunar, como a famosa tacada em uma bolinha de golfe para demonstrar os efeitos da gravidade lunar.

Ele deixou a NASA em 1974, mas continuou trabalhando para dar suporte à exploração espacial com a fundação e presidência da Astronaut Scholarship Foundation, uma instituição que arrecada fundos para a ciência escolar e alunos de engenharia. Ele faleceu em 21 de julho de 1998, aos 74 anos.

Edgar D. Mitchell

Durante a Apollo 14, missão da qual foi piloto do módulo lunar, Mitchell se tornou a sexta pessoa a caminhar na superfície da Lua. Esse não foi seu único voo espacial, já que ele foi piloto de apoio do módulo lunar na missão Apollo 16 e se aposentou da NASA e da Marinha em 1972.

Depois de se aposentar, fundou o Institute of Noetic Sciences em 1973 para realizar pesquisas; posteriormente, foi também co-fundador da Association of Space Explorers, uma instituição internacional para o compartilhamento das experiências das viagens espaciais. Mitchell foi o último tripulante da Apollo 4 a falecer, e morreu em 4 de fevereiro de 2016.

Stuart A. Roosa

Antes de se tornar o piloto do módulo de comando da Apollo 14, Roosa teve uma carreira tão variada que trabalhou em atividades que foram desde o combate a incêndios florestais até o controle de uma nave com destino à Lua. Durante a missão, enquanto Shepard e Mitchell coletavam rochas lunares, Roosa realizou observações científicas da órbita.

Após a Apollo 14, Roosa foi piloto suporte do módulo de comando para a Apollo 16 e 17, e foi transferido para o programa dos ônibus espaciais em 1973, onde atuou por três anos. O astronauta deixou a NASA em 1976 e atuou em vários cargos, como vice-presidente de operações internacionais da U.S. Industries Inc. para estabelecer oportunidades de desenvolvimento no Oriente Médio. Ele faleceu em 12 de dezembro de 1994.

Apollo 15

David Scott, Al Worden e James Irwin com o satélite que foi lançado antes de deixarem a órbita lunar (Imagem: Reprodução/NASA)

Lançada em 26 de julho de 1971 com o foguete Saturn V, a Apollo 15 foi a missão de estreia do veículo elétrico para os astronautas conseguirem se deslocar por distâncias maiores na Lua. Essa foi a primeira missão criada para uma estadia mais longa na Lua, e os astronautas ficaram na superfície lunar de 30 de julho a 2 de agosto. Foram eles:

David R. Scott

Durante o comando da Apollo 15, a primeira missão de exploração científica estendida na Lua, Scott completou 546 horas e 54 minutos no espaço, sendo que 20 horas foram passadas em atividades extraveiculares. Nesta missão, ele dobrou o tempo de estadia de voos anteriores e utilizou o primeiro veículo Lunar Roving Vehicle para explorar a Lua.

Scott foi nomeado Assistente Técnico do Programa Apollo em 1972, e atuou depois como assistente para as operações de missão do projeto Apollo-Suyuz. Por fim, ele se aposentou da Força Aérea em 1975 como coronel. Depois de deixar a NASA, o ex-astronauta passou a atuar em projetos governamentais variados, além de ter escrito livros e trabalhado com a equipe da missão indiana Chandrayaan-1.

James Irwin

Desde criança, Irwin sonhava em pisar na Lua e transformou esse desejo em realidade durante a Apollo 15: como comandante do do módulo lunar, foi o oitavo homem a pisar em nosso satélite natural durante a missão mais cientificamente intensa do programa. Junto de Scott, caminhou na superfície lunar para coletar amostras.

Durante a missão, alguns sinais indicavam que o coração do astronauta não estava muito bem. Ele deixou a NASA em 1972 para fundar a High Flight Foundation, uma organização religiosa que ainda existe, e se dedicou à escrita de livros. Irwin faleceu em 1991 por conta de um ataque cardíaco.

Alfred Worden

Worden foi piloto do módulo de comando da missão, e se manteve na órbita da Lua enquanto os outros astronautas exploraram a superfície lunar; ali, ele conseguiu tirar fotos da Lua com grande nitidez, além de utilizar os instrumentos científicos a bordo para obter mais informações sobre a Lua e o espaço.

Depois da Apollo 15, se tornou cientista aeroespacial sênior no Ames Research Center, da NASA, e ainda ocupou alguns cargos depois de se aposentar da carreira militar. Além disso, também escreveu alguns livros. Al Worden faleceu em março do ano passado, aos 88 anos.

Apollo 16

Da esquerda para a direita, Thomas K. Mattingly II (piloto do módulo de comando), John W. Young (comandante) e Charles M. Duke Jr (piloto do módulo lunar) (Imagem: Reprodução/NASA)

Essa missão foi lançada em 16 de abril de 1972. Os principais objetivos científicos eram coletar, analisar e pesquisar amostras da região de Terras Altas de Descartes, além de experimentos no voo e tirar fotografias da órbita lunar. A missão durou onze dias, e os astronautas passaram mais de 70 horas na superfície lunar. Eles voltaram para a Terra em 27 de abril; conheça quem são:

John Young

Young foi o comandante da Apollo 16 e, junto de Charles Duke, alunissou o módulo lunar Orion na chamada região de Terras Altas de Descartes. Eles prepararam equipamentos científicos e exploraram a região com o rover e, ao fim da missão, coletaram mais de 40 kg de amostras lunares.

Posteriormente, Young foi o comandante do ônibus espacial Columbia durante o voo STS-1 e da missão STS-9, a primeira da estação espacial Spacelab. Ele se aposentou da Marinha como capitão em 1976, e deixou a NASA em 2004. Young faleceu em 5 de janeiro de 2018, aos 87 anos.

Charles M. Duke Jr.

Duke foi piloto do módulo lunar durante a Apollo 16 e, apesar de uma vibração estranha que ocorria no motor do módulo, tudo correu bem e os astronautas conseguiram pousar com sucesso na superfície lunar para iniciar a exploração científica da região, que durou mais de 20 horas.

Ele se aposentou da NASA em 1975 para trabalhar na iniciativa privada, e se tornou um dos diretores da fundação Astronaut Scholarship — por coincidência, a instituição é perto de onde a nave da Apollo 16 foi lançada com destino à Lua.

Thomas K. Mattingly II

Ken Mattingly esteve na tripulação da Apollo 16 como piloto do módulo de serviços, realizando observações e experimentos na órbita enquanto Duke e Young trabalhavam na superfície lunar. Ele continuou trabalhando com a NASA após o fim do programa Apollo e voou com o primeiro ônibus espacial STS-4 em 1982, durante o último teste de voo do ônibus espacial Columbia. Três anos depois, ele comandou o voo STS-51C que foi seu último, e se aposentou da NASA em 1989. Hoje, Mattingly trabalha na indústria privada.

Apollo 17

Harrison Schmitt, Ronald Evans e Eugene Cernan (Imagem: Reprodução/NASA)

A última missão tripulada do programa foi lançada em dezembro de 1972. Entre os objetivos científicos da missão, estavam o levantamento geológico, coleta de amostras de materiais e análise das características da superfície lunar. A Apollo 17 foi também a última missão tripulada de qualquer país para além da órbita da Terra, e os astronautas abaixo fizeram parte dessa missão histórica:

Eugene A. Cernan

Eugene Cernan comandou a Apollo 17 na última visita humana à Lua. Junto do geólogo Schmitt, eles ficaram mais três dias em nosso satélite lunar, sendo que um dia foi passado fora do módulo lunar e coletaram mais de 100 kg de materiais para análise. Enquanto caminhavam na Lua, Cernan e Schmitt cantaram a música “I Was Strolling on the Moon One Day”.

Ele se aposentou da Marinha em 1976 e, após deixar a NASA, fundou a The Cernan Co, que oferecia consultorias em áreas relacionadas ao espaço; ele também dirigiu a Johnson Engineering, especializada em estações espaciais tripuladas. Mesmo idoso, nunca deixou de incentivar a exploração espacial. Cernan faleceu em 16 de janeiro de 2017, aos 82 anos.

Harrison H. Schmitt

Schmitt é geólogo, e foi a primeira pessoa a ser treinada inicialmente como cientista para andar na Lua. Durante a Apollo 17, ele coletou amostras de solo que indicavam a ocorrência de atividade vulcânica.

Ele se aposentou da NASA em 1975 para concorrer como senador do Novo México e, desde então, atuou na NASA Advisory Council e na Sociedade Planetária. Além disso, já deu várias palestras sobre as experiências na Lua.

Ronald Evans

Antes de se tornar astronauta, Evans foi oficial da Marinha. Ele foi o piloto do módulo de comando da Apollo 17. Ele foi responsável por catalogar as formações da Lua que conseguia ver da órbita enquanto Jack e Cernan trabalhavam na superfície lunar. Durante a viagem de volta para casa, ele fez um spacewalk de cerca de uma hora de duração.

Evans passou mais algum tempo trabalhando na NASA, e se aposentou da agência espacial em 1977 para atuar na indústria privada. Ele teve um ataque cardíaco e faleceu em 7 de abril de 1990, aos 56 anos.

Fonte: Space.com (1, 2, 3, 4, 5, 6), NASA (1, 2, 3, 4, 5, 6, 7)

Gostou dessa matéria?

Inscreva seu email no Canaltech para receber atualizações diárias com as últimas notícias do mundo da tecnologia.