O espaço tem cheiro — e ele não é muito agradável

Por Daniele Cavalcante | 24 de Julho de 2019 às 10h11

As representações visuais do espaço são, geralmente, deslumbrantes. Não importa se estamos assistindo a um filme de ficção científica ou vendo imagens reais de agências espaciais: somos impactados com a beleza inóspita de planetas, sistemas estelares, cinturões de asteróides, luas — sejam esses corpos celestes imaginados por um diretor de cinema ou não. Mas isso costuma limitar nossa percepção do espaço ao sentido da visão, apenas. Já parou para pensar qual é a temperatura no espaço e nos mais diversos planetas? Será que as matérias dos corpos celestes têm um sabor? E o cheiro? Qual é o cheiro do espaço?

Temos boas pistas para sabermos como é o odor lá fora. Mas antes de pensar em respostas, lembre-se: o espaço não é um vácuo completo e absoluto. Aliás, tudo depende da região. Por exemplo, se estivermos no espaço exterior (área não ocupada por corpos celestes), teremos vácuo parcial, mas ainda com a presença de plasma de hidrogênio e hélio, radiação eletromagnética, neutrinos e poeira interestelar.

Temos ainda o que é conhecido como espaço interplanetário, que é a região em volta do Sol e dos planetas do nosso sistema, e o espaço interestelar, que vai além da área de influência das estrelas. No espaço interplanetário, apesar do vácuo parcial, há presença de raios cósmicos, partículas subatômicas, gases, plasma e poeira interplanetária na forma de nuvem. E é de se esperar que, em meio a essa matéria, mesmo fora da superfície dos planetas e luas, haja algum odor. E tal odor não parece ser muito agradável.

Qual seria então o cheiro do espaço?

De acordo com astronautas enviados a missões espaciais, o cheiro do espaço ao redor da Terra e da Lua se parece com pólvora queimada. Um dos relatos sobre o cheiro do espaço é de Gene Cernan, astronauta da missão Apollo 17, a sexta e última missão tripulada do Programa Apollo, da NASA, rumo à Lua. Foi ele quem descreveu o odor da poeira da superfície lunar como “cheiro de pólvora queimada”, de acordo com os artigos Crônicas da Apollo, da agência espacial.

Claro, os astronautas não tiravam seus capacetes na Lua para sentir o cheiro lunar. Acontece que todos aqueles que tiveram contato direto com a superfície lunar tiveram seus trajes impregnados com a poeira que, segundo os relatos, era "incrivelmente pegajosa". Assim, com toda aquela matéria grudada nos equipamentos, puderam conferir o cheiro do nosso satélite natural ao removerem o capacete dentro da nave espacial — e era um fedor desagradável.

(Foto: NASA)

Já de acordo com Buzz Aldrin, da Apollo 11, missão da NASA que completou 50 anos este mês, a poeira lunar tinha cheiro "como carvão queimado ou as cinzas de uma chaminé". "Sobretudo se você derramar um pouco de água sobre ela", completou. E o piloto da Apollo 16, Charlie Duke, contou que é “um cheiro muito forte; tem gosto e cheiro de pólvora”. Pois é, eles também ousaram provar a poeira pegajosa no paladar. Tudo pelo bem da ciência, certo?

Além da órbita da Terra e da Lua

E não pense que o fedor do espaço se limita à Lua. Afinal, no Sistema Solar há alguns planetas gasosos com potencial de emitir um cheiro nada agradável. Urano, por exemplo, parece cheirar a flatulências. Pois é. Embora seja impossível irmos ao planeta conferir isso aí (e se fôssemos, não sobreviveríamos), Mark Hofstadter, cientista planetário do Laboratório de Propulsão a Jato da NASA, afirma que em Urano há “nuvens fedorentas” graças principalmente ao sulfeto de hidrogênio e à amônia, que podem se condensar em nuvens na atmosfera do planeta.

Para se ter uma ideia do caos odorífico de Urano, pense que o sulfeto de hidrogênio é o gás que dá o fedor aos peidos. A amônia, por sua vez, se estiver muito concentrada, terá cheiro de urina humana. Então, dependendo da concentração desses gases na atmosfera, talvez Urano possa cheirar tão mal quanto um banheiro público ao final de um festival de música gratuito no centro da cidade.

Mas há um detalhe que não podemos deixar escapar: nós conhecemos os odores desses gases e substâncias apenas quando estamos na Terra, onde essas partículas são afetadas pelas complexas condições atmosféricas terrestres. É possível que, se pudéssemos visitar a Lua ou Urano sem capacetes, sentiríamos diferentes manifestações desses odores.

Donald Pettit, engenheiro químico e astronauta que esteve por bastante tempo na Estação Espacial Internacional (ISS, na sigla em inglês), explicou que o cheiro de pólvora da poeira lunar que os astronautas sentiram provavelmente foi resultado da interação desse pó com o ar do módulo espacial. Já Gary Lofgren, do Laboratório de Amostras Lunares do Centro Espacial Johnson da NASA, atribui o cheiro à combinação da poeira lunar com íons emitidos pelo Sol, que chegam ao satélite e se misturam dentro da cabine "produzindo quem sabe que odores".

A solução para esse impasse é analisar a matéria lunar em sua própria superfície. Quem sabe a ambição da SpaceX de explorar Marte nos revele também o cheiro do Planeta Vermelho?

Fonte: The AtlanticPopular ScienceGizmodoBBC

Gostou dessa matéria?

Inscreva seu email no Canaltech para receber atualizações diárias com as últimas notícias do mundo da tecnologia.