NASA suspende caminhadas no espaço após infiltração de água em traje espacial

NASA suspende caminhadas no espaço após infiltração de água em traje espacial

Por Wyllian Torres | Editado por Rafael Rigues | 24 de Maio de 2022 às 12h40
NASA

A NASA suspendeu temporariamente as atividades extra-veiculares (EVAs, popularmente chamadas de "caminhadas espaciais") na Estação Espacial Internacional (ISS) após infiltração de água no capacete de um traje espacial, durante uma caminhada em março deste ano.

A decisão vale para atividades previamente agendadas, das quais havia mais quatro para este ano. Os trajes espaciais, chamados de “unidades de mobilidade extra-veicular” (EMUs), ainda poderão ser utilizados em reparos ou situações de emergência, desde que a NASA concorde com isto após uma avaliação.

Água infiltrada no capacete do astronauta Luca Parmitano durante o incidente em 2013 (Imagem: Reprodução/NASA)

A vice-gerente do programa da ISS na NASA, Dana Weigel, disse que até as causas do incidente com o traje na última EVA serem compreendidas, não há como permitir uma caminhada espacial "de rotina". Não é a primeira vez que acontece uma infiltração de água no capacete de um traje espacial.

Em 2013, enquanto o astronauta Luca Parmitano, da Agência Espacial Europeia (ESA), realizava uma caminhada, água se infiltrou em seu capacete. Apesar do susto, Parmitano não ficou ferido, mas a atividade foi encerrada antes do tempo. Posteriormente, o astronauta relatou que sua visibilidade e respiração foram prejudicadas, pois havia água cobrindo seus olhos, nariz e ouvidos.

A partir deste incidente, a NASA iniciou uma investigação aprofundada para entender a causa do problema. A análise revelou algumas obstruções que desviavam a água para a linha de ventilação do capacete. Então, a NASA instalou uma “almofada de absorção de capacete” (HAP) na parte de trás e um tubo de respiração para emergências.

Recente infiltração de água

Outra adaptação foi a instalação de mais uma almofada absorvente no capacete para formar uma espécie de represa, impedindo que a água se espalhe em caso de uma nova infiltração.

O astronauta Matthias Maurer durante a caminhada espacial em março deste ano (Imagem: Reprodução/NASA TV)

Desde o incidente com Parmitano, em 2013, nenhum outro caso grave de infiltração foi relatado. Mas em março deste ano, a astronauta da NASA Kayla Barron encontrou água em seu capacete enquanto ajudava o astronauta da ESA Matthias Maurer a retirar o traje espacial após uma atividade fora da ISS.

Segundo Maurer, havia uma fina camada de água cobrindo de 30% a 50% da viseira de seu capacete e a almofada traseira estava úmida. A astronauta também identificou água no orifício de ventilação na parte de trás do pescoço.

A NASA trará o traje usado por Maurer de volta à Terra em julho, a bordo da uma nave de carga Dragon da SpaceX, para iniciar uma nova investigação. Duas caminhadas espaciais estavam programadas para agosto e duas para novembro, para finalizar a atualização do sistema de energia solar da ISS.

Enquanto a análise do traje não é concluída, estas atividades seguem suspensas. Até agora, os astronautas não conseguiram identificar nada de incomum no traje em questão. Pode ser que, dependendo de qual tenha sido a falha, não demore para os trajes espaciais serem liberado para uso após a avaliação de risco.

Fonte: Spaceflight Now

Gostou dessa matéria?

Inscreva seu email no Canaltech para receber atualizações diárias com as últimas notícias do mundo da tecnologia.