5 tecnologias que a NASA vem aprimorando para enviar humanos a Marte

Por Danielle Cassita | 21 de Julho de 2020 às 22h00
NASA/Pat Rawlings, SAIC
Tudo sobre

NASA

Saiba tudo sobre NASA

Ver mais

A NASA tem planos para uma missão tripulada com destino a Marte na década de 2030. Há quem veja essa data com cautela devido às variáveis envolvidas na missão, mas a agência espacial vem trabalhando em novas tecnologias para torná-la realidade - tanto que talvez seja possível conhecer algumas das novidades já durante as missões Artemis, que levarão humanos novamente à Lua a partir de 2024.

A preparação da NASA para explorar o Planeta Vermelho envolve o desenvolvimento de vários dispositivos e sistemas, pensados especialmente em explorações mais profundas no espaço. Conheça abaixo cinco tecnologias que estão em andamento e serão essenciais para missões tripuladas a Marte:

Trajes de alta tecnologia

A primeira mulher e o próximo homem que pisarem na Lua vestirão os trajes espaciais de última geração da NASA, chamados de Unidade de Mobilidade para Exploração Extraveicular, ou simplesmente "xEMU".

Esses trajes também deverão ser capazes de proteger a tripulação das condições ambientais de Marte, além de permitir que os astronautas realizem movimentos mais naturais e parecidos com aqueles que fazemos na Terra, gravando ainda imagens em HD. Tudo isso irá ajudá-los a completar tarefas que não seriam possíveis com os antigos trajes da época das missões Apollo.

Sistemas de propulsão mais poderosos e eficientes

Para chegar a Marte, a tripulação terá que viajar mais de 200 milhões de quilômetros. Como a distância não é nada pequena, o desenvolvimento das tecnologias de propulsão será essencial para eles chegarem lá o mais rápido o possível.

A agência espacial vem trabalhando em opções para conseguir reduzir o tempo de viagem, como propulsão nuclear elétrica ou termal. Ambas usam a fissão nuclear, mas têm diferentes vantagens e desvantagens de desempenho. Independente daquela que for escolhida, é certo que a propulsão nuclear será essencial para reduzir o tempo de viagem da tripulação.

Escudos infláveis para os astronautas

(Imagem: NASA’s Langley Research Center)

A NASA está criando um escudo inflável térmico que poderia permitir pousar qualquer espaçonave em um planeta que tenha atmosfera – como é o caso de Marte, ainda que sua atmosfera seja bastante fina. Assim, o escudo iria se expandir e inflar antes de chegar à atmosfera, para que a tripulação e cargas possam pousar com segurança.

Vale lembrar que o escudo ainda não foi finalizado, mas um voo de teste será realizado para demonstrar como ele se comportaria na atmosfera terrestre e se irá aguentar as altas temperaturas da entrada em Marte.

Comunicação a laser

A comunicação tradicional entre a Terra e Marte demora um tempo para acontecer. Por isso, um sistema de comunicação a laser é um recurso importante para missões futuras, pois seria possível enviar grandes quantidades de dados em tempo real, incluindo fotos e vídeos. Os dados são codificados em um feixe de luz que é transmitido para a Terra por meio de naves. Tudo isso ocorre de 10 a 100 vezes mais rápido do que nos sistemas atuais de radiofrequência.

A NASA já realizou uma demonstração dessa tecnologia em 2013, na Lua. Agora, a agência espacial está trabalhando na construção de pequenos sistemas para testar em voos com humanos, incluindo a Estação Espacial Internacional (ISS) e nas missões lunares Artemis.

Soluções energéticas

A energia gerada por fissão nuclear, processo conhecido pela grande emissão de energia, é uma opção interessante e confiável para os astronautas explorarem Marte. Em testes anteriores, a NASA demonstrou que essa tecnologia é segura e eficaz para permitir missões por lá.

Agora, a agência espacial planeja utilizar o sistema de energia de fissão nuclear na Lua, por ser mais próxima da Terra e facilitar ações de emergência caso algo dê errado. Se tudo correr bem, a ideia é aplicá-lo no Planeta Vermelho. Essa tarefa será complexa, já que o sistema precisa ser leve e capaz de funcionar em diversas localizações e condições climáticas.

Fonte: NASA 

Gostou dessa matéria?

Inscreva seu email no Canaltech para receber atualizações diárias com as últimas notícias do mundo da tecnologia.