NASA define local de pouso do rover que vai "farejar" água na Lua em 2023

NASA define local de pouso do rover que vai "farejar" água na Lua em 2023

Por Wyllian Torres | Editado por Patrícia Gnipper | 20 de Setembro de 2021 às 19h05
NASA Ames/Daniel Rutter

Como parte do programa Artemis, a NASA enviará o Volatiles Investigating Polar Exploration Rover (VIPER) à Lua em 2023. Agora, a agência espacial norte-americana informou que o rover pousará próximo à borda oeste da cratera Nobile, no polo sul lunar, para mapear e explorar a região em busca de recursos como a água. O VIPER será lançado a partir do foguete Falcon Heavy, da SpaceX, a bordo do módulo lunar Griffin, da Astrobotic.

O polo sul da Lua é o objetivo mais visado das próximas missões tripuladas. Por enquanto, a região só foi mapeada e estudada de maneira remota, como dados obtidos pela sonda Lunar Reconnaissance Orbiter (LRO). Os dados de missões como este ajudaram os cientistas a entender que o gelo e outros recursos em potencial existem em áreas permanentemente sombreadas da Lua — neste caso, nas crateras encontradas ali.

Área montanhosa à oeste da cratera Nobile (Imagem: Reprodução/NASA)

Após um longo trabalho avaliando qual seria o melhor local de pouso para a missão VIPER, a equipe escolheu a região montanhosa a oeste da cratera Nobile. Segundo a NASA, este ponto foi definido por conta do seu terreno acessível para um rover e a variedade de locais próximos que são de interesse científico, incluindo essas áreas que estão sempre na sombra.

Quer ficar por dentro das melhores notícias de tecnologia do dia? Acesse e se inscreva no nosso novo canal no youtube, o Canaltech News. Todos os dias um resumo das principais notícias do mundo tech para você!

Thomas Zurbuchen, administrador associado de ciência da NASA, explicou que, uma vez na superfície lunar, o VIPER fornecerá verdadeiras medições do solo para detectar a presença de água e outros recursos no polo sul da Lua. Os dados obtidos nesta missão fornecerão aos cientistas uma visão mais aprofundada da origem, evolução e história do nosso satélite natural.

A cratera Nobile se formou por meio de uma colisão com outro corpo celeste menor e está quase o tempo todo coberta por sombras, o que permite a existência de gelo de água ali. O rover também investigará crateras menores ao redor do perímetro. “O VIPER está entrando em território desconhecido — informado pela ciência — para testar hipóteses e revelar informações críticas para a futura exploração espacial humana”, acrescentou Daniel Andrews, gerente do projeto VIPER.

Para definir o local, a equipe da NASA considerou onde o VIPER poderia usar seus painéis solares para obter energia e se manter aquecido durante uma missão de 100 dias, sendo que a área próxima à cratera Nobile garante tal proeza. A trajetória definida, até então, permitirá que o rover visite pelo menos seis outros locais de interesse científico — com um tempo de sobra.

A partir do VIPER, a equipe também esperar entender como a água congelada e outros recursos chegaram à Lua e como permaneceram preservados por bilhões de anos — ou, se escaparam, para onde foram.

Fonte: NASA

Gostou dessa matéria?

Inscreva seu email no Canaltech para receber atualizações diárias com as últimas notícias do mundo da tecnologia.