Publicidade

Manchas solares 15 vezes maiores que a Terra são visíveis de Marte

Por| Editado por Luciana Zaramela | 09 de Fevereiro de 2024 às 11h28

Link copiado!

Eduardo Schaberger Poupeau
Eduardo Schaberger Poupeau

Grandes manchas solares apareceram em nosso astro. Elas fazem parte do grupo AR3576 e são tão vastas que apareceram em fotos do rover Perseverance, em Marte. Estas manchas se estendem por mais de 200 mil quilômetros, e têm pelo menos quatro núcleos maiores que a Terra. 

Foi na semana passada que o Perseverance tirou as primeiras fotos do grupo de manchas com seu instrumento MASTCAM. Algo semelhante aconteceu em julho do ano passado, quando o rover registrou a mancha AR3363 em nosso astro. 

Continua após a publicidade

O astrofotógrafo argentino Eduardo Schaberger Poupeau fez suas próprias fotos da mancha solar, e as descreveu como “fantásticas”. "A AR3576 apareceu como um grande arquipélago contendo uma infinidade de núcleos escuros”, disse.

Confira:

Continua após a publicidade

Como são grandes, estas manchas podem ser observadas da Terra sem a necessidade de equipamentos complexos. Mas vale lembrar: para vê-las em segurança, é preciso usar proteções nos olhos, como óculos específicos para observações do tipo. Além disso, jamais aponte câmeras e instrumentos para nosso astro sem usar filtros de proteção. 

Estas manchas solares complexas estão liberando explosões. Segundo a Administração Nacional Oceânica e Atmosférica (NOAA), os fenômenos podem ser da classe X, o que indica que têm alta intensidade. 

O que é mancha solar? 

As manchas solares são regiões escuras e mais frias que seus arredores no Sol. Elas podem causar eventos variados, como explosões solares e ejeções de massa coronal, que são grandes emissões de plasma e campos magnéticos do nosso astro.

Continua após a publicidade

A intensidade e frequência das manchas no Sol são usadas como indicadores para os cientistas monitorarem a atividade do nosso astro em seu ciclo de 11 anos. No momento, a estrela está chegando ao período de maior atividade em seu ciclo, o que faz com que regiões como a AR3576 se tornem mais frequentes. 

Fonte: Spaceweather