SAIU O RESULTADO DO SORTEIO DO PRÊMIO CANALTECH!CONFERIR
Publicidade

Confirmado: explosão solar causou dano de satélites Starlink em 2022

Por| Editado por Patricia Gnipper | 31 de Março de 2023 às 13h22

Link copiado!

NASA/GSFC/SOHO/ESA
NASA/GSFC/SOHO/ESA
Tudo sobre SpaceX

Uma massa de plasma liberada pelo Sol foi mesmo a responsável pela tempestade geomagnética que afetou satélites Starlink no ano passado, reduzindo a altitude deles. Segundo pesquisadores da Universidade Católica da América, a massa veio de uma ejeção de massa coronal liberada por uma região ativa no Sol.

Em janeiro de 2022, o Sol liberou esse "jato" de partículas eletricamente carregadas que, após alguns dias, chegaram à Terra. Agora, os cientistas descobriram que o material formou uma espécie de "nuvem magnética" que viajou a cerca de 690 km/s e, quando chegou à magnetosfera do nosso planeta, causou uma tempestade geomagnética.

No dia 3 de fevereiro, a SpaceX lançou 49 satélites Starlink em uma órbita inicial com cerca de 200 km de altitude. Devido à tempestade, eles tiveram uma "vida" bem breve, quando comparados aos demais satélites lançados pela empresa. É que o fenômeno aumentou a densidade da atmosfera superior e, como consequência, aumentou o “arrasto” que o ar causa sobre os satélites.

Continua após a publicidade

É fácil imaginar o que aconteceu depois: a atmosfera ficou tão espessa que afetou os satélites recém-lançados, que sofreram os efeitos do arrasto atmosférico e saíram de suas órbitas, sendo queimados durante a reentrada na atmosfera. A perda dos dispositivos provavelmente teria sido evitada se a SpaceX tivesse adiado aquele lançamento, já que a comunidade de cientistas do clima espacial emitiu alertas sobre a possibilidade de a tempestade geomagnética acontecer.

No momento, o Sol está seguindo rumo ao máximo solar, nome dado ao período de maior atividade em seu ciclo. Portanto, podemos — e devemos — esperar a ocorrência de mais fenômenos como ejeções de massa coronal, erupções solares e tempestades geomagnéticas. Toda essa "agitação" do clima espacial significa uma maior incidência de auroras, mas também pode causar problemas em satélites — como aconteceu com os da SpaceX e de outras empresas.

Fonte: arXiv