Publicidade
Economize: canal oficial do CT Ofertas no WhatsApp Entrar

Asteroide passa perto da Terra nesta sexta (2), mas não há perigo

Por| Editado por Luciana Zaramela | 01 de Fevereiro de 2024 às 11h33

Link copiado!

urikyo33/Pixabay
urikyo33/Pixabay

O asteroide 2008 OS7 vai passar pela da Terra nesta sexta-feira (2). Durante a aproximação máxima às 11h41, a rocha espacial vai ficar a cerca de 2,8 milhões de quilômetros do nosso planeta, o equivalente a 7,4 vezes a distância média da Terra à Lua. Apesar de ser considerada curta em termos astronômicos, a distância é mais que segura para a passagem do objeto.

Os membros do projeto Virtual Telescope tiraram uma foto do asteroide enquanto estava a 4 milhões de quilômetros do nosso planeta. “O telescópio rastreou o asteroide, é por isso que ele aparece como um ponto nítido de luz, enquanto as estrelas deixam rastros longos e brilhantes no fundo”, explicou Gianluca Masi, coordenador da iniciativa.

Continua após a publicidade

No esquema abaixo, você confere a órbita do asteroide e da Terra:

Detectado em 2008 pelo levantamento Catalina Sky Survey, o asteroide 2008 OS7 tem diâmetro de 271 m, segundo informações da NASA — para comparação, considere que a Torre Eiffel, em Paris, mede 300 m de altura. 

A equipe do projeto vai transmitir no YouTube imagens do asteroide às 15h pouco após a aproximação. Para acompanhar, é só acessar o link da live do Virtual Telescope. 

Por que o asteroide é potencialmente perigoso?

Esta rocha espacial é considerada um asteroide potencialmente perigoso (ou PHA, na sigla em inglês). A categoria rochas espaciais próximas da Terra que sejam maiores que 140 m e que fiquem a até 20 vezes a distância média entre nosso planeta e a Lua. No entanto, isso não significa que eles vão se chocar com nosso planeta.

Não há nenhum PHA conhecido atualmente com riscos de impacto com a Terra pelos próximos 100 anos. Por isso, os astrônomos continuam monitorando os asteroides e suas trajetórias, deixando-as cada vez mais precisas para terem certeza de que não estão a caminho de uma colisão com a Terra.

Fonte: NASA, Virtual Telescope