Por que O Exorcista merece uma nova sequência?

Por que O Exorcista merece uma nova sequência?

Por Laísa Trojaike | Editado por Jones Oliveira | 10 de Agosto de 2021 às 22h30
Divulgação/Warner Bros Pictures

Há não muito tempo, a resposta para a pegunta “Qual é o melhor filme de terror?” era bastante óbvia: O Exorcista. Embora algumas listas possam apontar títulos como O Iluminado ou O Bebê de Rosemary, este é o mais comumente aceito como filme de terror mais popular, famoso, amaldiçoado e aterrorizante de todos os tempos. É importante notar, no entanto, que tudo muda e, para um público acostumado a ver sangue e violência, pouco a pouco o clássico começa a parecer mais inofensivo.

Lá nos primórdios do cinema, podíamos imaginar como O Solar do Diabo (1896), de Georges Méliès, poderia soar assustador. Para nós, no entanto, o filme parece cômico pelo artesanato da montagem rudimentar e pela pantomima que dominava as atuações da época. Em 1973, apesar de o mundo vivenciar momentos como a Guerra do Vietnã, O Exorcista foi um filme extremamente chocante.

"O Solar do Diabo" é considerado por diversas fontes como o primeiro terror da história do cinema (Imagem: Reprodução/Georges Méliès)

Apenas 13 anos antes, em 1960, Alfred Hitchcock havia lançado Psicose em preto e branco para não chocar a audiência com o vermelho do sangue. Quando O Exorcista chegou, o american way of life ainda estava em alta e a bolha social do estadunidense suburbano ainda não tinha sido invadida pelas desgraças do mundo, o que de certa forma também é mostrado no filme como um sintoma da época: o mundo da atriz Chris MacNeil desaba quando começa a notar que sua filha está com atitudes completamente fora do normal. O que fazer? A quem recorrer? Ela vai descobrir que o dinheiro não pode resolver tudo.

Quer ficar por dentro das melhores notícias de tecnologia do dia? Acesse e se inscreva no nosso novo canal no youtube, o Canaltech News. Todos os dias um resumo das principais notícias do mundo tech para você!

Apesar do contexto histórico e social, é a questão religiosa que chama a atenção em O Exorcista e, até hoje, soa como bastante herética a cena em que a Regan possuída se flagela sexualmente com um crucifixo. O filme de William Friedkin foi recebido como uma afronta por muitos religiosos e a temática ajudou a moldar o imaginário de várias gerações, com sintomas que foram vistos com certa intensidade também no Brasil. Duvida?

Em 1974, o nosso icônico padre cético chegou a surfar na moda e apareceu na capa da Revista Manchete para dizer que nada daquilo "ecziste", como nos indica a chamada: “Praticando a levitação: o Padre Quevedo explica os fenômenos do filme O Exorcista". Sim, Quevedo foi para o terror da época mais ou menos como Mr. M foi para a mágica, mas mesmo sabendo que dá para levitar pessoas com um truque, O Exorcista continuou assustando.

Imagem: Reprodução/Revista Manchete

Precisamos lembrar também que, nos anos 1970, as TVs não eram tão populares como hoje, e mesmo os cinemas não tinham tanto alcance. Muito de O Exorcista foi construído pelo boca-a-boca e, cada vez mais, o filme se parecia com a fita de O Chamado, com pessoas chegando a relatar que foram amaldiçoadas pelo filme. Embora haja sempre quem leve essas lendas urbanas a sério, essas histórias funcionam muito mais para criar memórias afetivas.

Mas por que um novo?

Não temos como saber o que motivou a produção a sentir que estava na hora de mexer no vespeiro, mas a decisão já foi tomada e, ao invés de rejeitar a evolução dos tempos, podemos pensar quais pontos de O Exorcista já não fazem mais sentido para a sociedade contemporânea. Aqui no Brasil, a mística do filme chegou àqueles que eram curiosos o suficiente para esperar os horários “mais restritos” da TV aberta: os anos 1990 foram selvagens. Mas não mais selvagens que agora.

Enquanto muitos continuam achando O Exorcista muito radical e traumatizante, o jovem com acesso ilimitado à internet está vendo coisas muito mais bizarras: o que é aquela make da Regan diante dos fatalities de Mortal Kombat, das armadilhas de Jogos Mortais ou mesmo diante do tão criticado remake A Morte do Demônio?

Imagem: Reprodução/Warner Bros.

Gostemos ou não, O Exorcista é uma obra histórica, praticamente peça de museu, e só faz parte do universo da cultura pop pelas constantes referências, que mantiveram o filme vivo por mais de 50 anos conforme personagens viravam a cabeça 180º, vomitavam verde ou levitavam da cama, para citar apenas algumas das sequências mais reproduzidas do clássico.

Hoje é mais fácil notarmos como detalhes bastante pequenos de O Exorcista se tornaram as marcas da direção de outros clássicos como Halloween: A Noite do Terror (John Carpenter) e Pânico (Wes Craven), mostrando que o legado maior do título não é exatamente o body horror, mas a construção do terror e da atmosfera de medo. Prestes a receber seu retcon, o medalhão se torna cada vez mais uma obra cultuada por sua importância histórica, enquanto vê seu poder de causar pesadelos se esvanecer.

Imagem: Reprodução/Warner Bros.

Isso não significa, no entanto, que a história não tenha algo para nos dizer. Ao revisitar O Exorcista, é possível ver espaço para muitas atualizações. Se tivéssemos um remake, Regan provavelmente teria uma personalidade completamente diferente, haveria muito mais sangue, o body horror seria bem mais chocante e, muito provavelmente, teríamos uma discussão muito mais séria sobre o papel da Igreja, que hoje enfrenta uma descrença muito maior do que nos anos 1970.

Isso significa que O Exorcista não assusta mais? Você vai precisar assistir para saber. E é justamente isso que uma nova sequência nos convida a fazer.

2023

O legado de Friedkin não pode nem deve ser apagado com facilidade, mas é nítido que O Exorcista já não dialoga muito bem com as novas gerações. O anúncio de uma nova sequência corrige a vergonha-alheia das antigas empreitadas, que também sofreram nas mãos de uma indústria sedenta por dinheiro. Quando William Peter Blatty adaptou seu outro romance, Legion, para o cinema, a história nada tinha a ver com o filme do Pazuzu, mas o estúdio achou de bom-tom chamar a produção de 1990 de O Exorcista 3.

Com o tempo, muitas outras produções usaram o sucesso do primeiro filme como muleta e, como resultado, conseguiram ajudar a desgastar o subgênero de filmes de exorcismo com trabalhos que nunca chegaram perto de provar um pouquinho da fama de O Exorcista. Há, também, uma sensação constante de que todos os filmes de exorcismo são assombrados pelo trabalho de Friedkin, como se, em alguma medida, fosse possível fazer algo tão bom quanto ou melhor.

É preciso desapegar. Mais do que nunca as produtoras têm revisitado seus clássicos, propondo novas perspectivas e provando que os clichês, quando readaptados, podem perder o gosto amargo, porque apesar de vermos a fórmula se repetir, é a mudança de tudo, de nós e do mundo, que nos permite ver o de sempre de uma forma completamente nova. O que será que o trabalho de David Gordon Green reserva para os antigos e novos fãs?

O Exorcista pode ser assistido no NOW e está disponível para aluguel ou compra no iTunes e na Play Store. No Looke, o título pode ser apenas alugado e, em breve, a HBO Max deve lançar esse clássico Warner Bros em seu catálogo.

Gostou dessa matéria?

Inscreva seu email no Canaltech para receber atualizações diárias com as últimas notícias do mundo da tecnologia.