Loki │ Fãs encontram furo de roteiro na história das variantes

Loki │ Fãs encontram furo de roteiro na história das variantes

Por Durval Ramos | Editado por Jones Oliveira | 29 de Julho de 2021 às 11h05
Divulgação/Marvel

A série Loki acabou já há algumas semanas, mas os fãs seguem pensando sobre as várias explicações apresentadas e as consequências que os episódios vão trazer para o futuro do Universo Cinematográfico da Marvel (MCU, na sigla em inglês). E é justamente ao prestar atenção demais em algumas questões que acabam aparecendo alguns furos de roteiro deixados pelo seriado.

Um deles foi apontado pelos fãs como um problema enorme que Loki precisa resolver em sua segunda temporada para manter sua estrutura coesa e coerente a tudo o que foi apresentado até aqui. Afinal, como pode a juíza Ravonna Renslayer (Gugu Mbatha-Raw) ter objetos coletados de uma versão alternativa sua ao mesmo tempo que nenhum outro membro da Autoridade de Variância Temporal (TVA, na sigla original) sabe que eles são variantes?

Ravonna Renslayer não deixou só pontas soltas, mas também alguns furos no roteiro de Loki (Imagem: Reprodução/Disney+)

A dúvida surgiu ao fim do último capítulo da série, quando a caçadora B-15 (Wunmi Mosaku) leva um outro agente até a escola na qual uma das versões de Renslayer vive sob o nome de Rebecca Tourminet para provar seu ponto de que todos na TVA são variantes sem memória. É ao se deparar com a verdade que ela percebe a grande farsa na qual viveu e se rebela contra a agência.

Quer ficar por dentro das melhores notícias de tecnologia do dia? Acesse e se inscreva no nosso novo canal no youtube, o Canaltech News. Todos os dias um resumo das principais notícias do mundo tech para você!

Isso é o que foi apresentado. Só que, alguns episódios antes, temos uma cena em que Mobius (Owen Wilson) estranha a caneta usada por Renslayer. Nesse momento, ele diz que não se lembra de ter trazido o objeto de nenhuma linha temporal que foi podada e a juíza responde que foi outro agente que lhe deu o presente.

E é aí que está o furo apontado pelos fãs. Afinal, se a caneta realmente veio de uma realidade podada, significa que outra variante de Renslayer surgiu e teve que ser apagada pela TVA. Nesse caso, como os agentes enviados reagiram ao se deparar diante de uma variante de sua superior? Isso não deveria ser o suficiente para trazer velhas memórias de volta, como aconteceu com a caçadora C-20, ou mesmo iniciar uma outra rebelião? E o mais importante: se qualquer coisa desse tipo aconteceu, como foi que a juíza conseguiu manter segredo de todos?

Juíza sabe que é uma variante, mas como escondeu esse segredo do restante da TVA: (Imagem: Divulgação/Marvel Studios)

Mais do que isso, podemos supor que há variantes de outros agentes surgindo a todo momento. Nesse caso, como resolver e manter a verdade escondida de tanta gente ao mesmo tempo?

Esse é um grande furo no roteiro e que fragiliza bastante a construção de mundo apresentada em Loki. Até então, tudo parecia muito bem conectado e explicado, mas não é fácil lidar com questões de viagens no tempo e realidades alternativas sem deixar algumas lacunas em aberto — e parece que nem a Marvel consegue fugir desse problema.

Só que é possível imaginar algumas soluções prováveis que podem ser apresentadas na segunda temporada da série, que ainda não tem data para chegar. A primeira delas é que Ravonna tenha simplesmente mentido sobre o fato de a caneta ter sido trazida por outro agente e que ela assuma a responsabilidade de podar realidades que possam comprometer a estabilidade da TVA. Assim, ao ver que uma variante sua estava criando um evento Nexus, ela mesmo foi resolver o problema para impedir que o seu segredo vazasse.

Teoria levantada por fãs é que outros agentes também tem mais variantes — e, nesse caso, como podá-los sem ter suas memórias de volta? (Imagem: Divulgação/Marvel Studios)

A gente viu que ela sabe sobre sua verdadeira natureza, mas não se incomoda muito com isso, então é uma solução possível para o furo encontrado. Outra saída seria a de repetir o que fez com a caçadora C-20, ou seja, podar os agentes que descobrem a verdade sob a ideia de manter a paz no ambiente de trabalho. Ela já fez isso antes e não seria nenhuma surpresa ver isso outras vezes.

Uma terceira solução que pode ser explorada — e que casa muito bem com o tom autoritário de Ravonna e da própria TVA — é que os agentes que descobrem a verdade não são podados, mas obrigados a passar por uma nova lavagem cerebral que faz com que eles esqueçam inclusive de coisas básicas, como o que é um peixe, e destacados para realizar a serviços administrativos.

Mas há também a chance de a Marvel não se importar com essa questão e deixar o furo para lá e seguir com a sua história. Se o estúdio não se preocupou em mostrar as consequências do ataque de Sylvie (Sophia Di Martino) na linha do tempo, não vai ser uma caneta que vai mexer com o planejamento de Kevin Feige e companhia. Ainda assim, é um buraco na história que tira um pouco do brilho da série.

Fonte: FoolForLove (Reddit)

Gostou dessa matéria?

Inscreva seu email no Canaltech para receber atualizações diárias com as últimas notícias do mundo da tecnologia.