Crítica Um Crush para o Natal | Um friends to lovers para dias difíceis

Crítica Um Crush para o Natal | Um friends to lovers para dias difíceis

Por Beatriz Vaccari | Editado por Jones Oliveira | 08 de Dezembro de 2021 às 18h30
netflix

Quando a Netflix anunciou 28 títulos para o Natal deste ano, um dos títulos que mais chamou atenção dos assinantes foi Um Crush para o Natal, o primeiro romance homossexual para o fim do ano da plataforma. O longa dirigido por Michael Mayer e escrito por Chad Hodge chegou ao streaming na semana passada e entrega os nossos clichês favoritos de comédias românticas e de uma trama friends to lovers embaixo do visco.

Já familiarizado com esse subgênero por trabalhar em filmes como Vestida para Casar, Mayer traz aqui uma história leve; a alternativa perfeita para uma sessão de cinema totalmente escapista — ao mesmo tempo em que consegue resgatar todos os elementos natalinos que trazem a atmosfera aconchegante para longas de fim de ano. É na simplicidade que Um Crush de Natal ganha um espaço no coração dos assinantes e torna-se, sem dúvidas, um dos melhores lançamentos de dezembro na Netflix.

Um Crush para o Natal: o primeiro filme homossexual natalino da Netflix (Imagem: Divulgação / Netflix)

Aqui conhecemos Peter (Michael Urie) e seu melhor amigo Nick (Philemon Chambers), dois rapazes que são assumidamente homossexuais e possuem posturas diferentes para lidar com as emoções e com os problemas na vida amorosa e, sobretudo, com o feriado do Natal. Ao tomar um pé na bunda e ter os planos de apresentar o namorado para a família totalmente arruinados, Peter convida Nick para as festas de fim de ano sob o contexto de fingir ser seu namorado por dez dias — no entanto, ao chegar lá, sua mãe lhe arranja um encontro às cegas com um bonitão da academia local.

Apesar da premissa inicial não durar tanto tempo, é uma boa surpresa Um Crush de Natal partir para um terreno que flerta discretamente com o triângulo amoroso. O filme de Mayer é tudo o que é uma comédia romântica gay deve ser: sem traumas, sem invalidações, sem uma obsessão do roteiro focada em sair do armário. Apenas romance, cenas divertidas e um elenco confortável em interpretar cada um dos seus papéis.

Nick é o protagonista dessa comédia romântica que se passa numa cidadezinha dos Estados Unidos (Imagem: Divulgação / Netflix)

Quanto aos clichês, Um Crush para o Natal segue exatamente a fórmula de sucesso desse tipo de filme, sobretudo os friends to lovers que não cansamos de assistir, como Harry e Sally..., Simplesmente Acontece e De Repente 30. Há tudo por aqui: os amigos e a família insistindo em sentimentos que todo mundo vê, menos o casal principal; o silêncio cheio de sentimentos após um diálogo desconfortável; as piadas internas; o momento em que uma das partes percebe que sempre foi apaixonada pela pessoa que está ao seu lado e até mesmo a carta de despedida deixada em cima da cama. Tudo está aqui, mas é justamente por não escorregar tanto numa zona de conforto já pré-estabelecida que o filme funciona e ainda oferece seus diferenciais.

Além disso, há também aquelas características que só um filme de Natal é capaz de oferecer e proporcionar no fim do ano. Em Um Crush de Natal, o roteirista Chad Hodge traz a típica família intrometida "e os namoradinhos?" e todas as situações que já conhecemos e vivenciamos anualmente dentro desse contexto; mesclada à direção de Michael Mayer, tudo isso é colocado num cenário mágico e aconchegante de Natal numa cidadezinha norte-americana.

A família intrometida, uma das características do Natal (Imagem: Divulgação / Netflix)

Uma história para dias difíceis

Apesar de ter seus protagonistas e sua história principal, Um Crush para o Natal sabe muito bem utilizar seus personagens coadjuvantes. Nenhum deles possui um arco próprio e estão todos lá para apenas contribuir no desenvolvimento do casal protagonista, mas em nenhum momento o filme os coloca como meros figurantes ou peças que não têm nada a agregar à história principal.

A veia principal da história desenvolve-se naturalmente e de forma fluida, deixando o espectador criar empatia por seus personagens por si só. Um Crush para o Natal gera identificação ao mesmo tempo que serve como uma válvula de escape para dias difíceis em que tudo o que precisamos é desligar o cérebro por 95 minutos, como toda comédia romântica. O diferencial aqui é a atmosfera criada pelo diretor, que tornou o filme uma ótima alternativa para aquecer o coração numa época tão fria.

A introdução de um triângulo amoroso na história (Imagem: Divulgação / Netflix)

Um Crush para o Natal serve também como uma história para "se jogar, sem medo", como diz James para Peter em uma das cenas finais. Nick e Peter têm suas camadas exploradas ao longo de toda a narrativa, cada um com suas preocupações e características que o tornam personagens tão complexos: enquanto um é um romântico incorrigível e bastante azarado no âmbito afetivo (o que dá vigor ao nome original da obra, Single All the Way), o outro mascara emoções e prefere colocar interações sociais na geladeira. Ao inserir ambos em ocasiões que os tiram totalmente da zona de conforto, Mayer cria situações divertidas e que podem muito bem tornarem-se cenas marcantes e referências de romcoms.

E falando em referências, Um Crush para o Natal sabe olhar para suas origens e homenageá-las. Há cenas que servem como easter eggs para obras como Um Lugar Chamado Notting Hill e As Patricinhas de Beverly Hills, colocadas com carinho e de forma tão discreta que se torna divertido percebê-las.

Uma comédia de Natal aconchegante (Imagem: Divulgação / Netflix)

O filme da Netflix é leve, aconchegante e fácil de acompanhar. Ele deixa o gostinho e a vontade de ter uma maior duração mesmo que seus quase 100 minutos sejam muito bem aproveitados; é definitivamente uma comédia romântica para se adicionar à lista da plataforma de streaming e à maratona anual de Natal com todos os clichês que não cansamos de assistir e os tradicionais suspiros enquanto os créditos rolam na tela.

Um Crush para o Natal está disponível no catálogo da Netflix para todos os assinantes.

Gostou dessa matéria?

Inscreva seu email no Canaltech para receber atualizações diárias com as últimas notícias do mundo da tecnologia.