Crítica La Casa de Papel | Parte final cumpre com seu propósito e emociona

Crítica La Casa de Papel | Parte final cumpre com seu propósito e emociona

Por Natalie Rosa | Editado por Jones Oliveira | 06 de Dezembro de 2021 às 22h00
Netflix

Após longos meses de espera, finalmente pudemos conferir o fechamento da história dos ladrões de La Casa de Papel, produção espanhola original da Netflix. A série, que estreou em 2017 na plataforma de streaming, conquistou o seu espaço sem muito esforço, apenas por contar com uma trama envolvente, personagens cativantes e muita ação atrás de críticas políticas e sociais.

La Casa de Papel chegou ao fim após cinco temporadas, esta última sendo dividida em duas partes, uma saindo em setembro e a outra em dezembro. O fechamento, que poderia apenas ser o sucesso ou o fracasso, conseguiu encerrar um ciclo de forma emocionante para os fãs de todo o mundo, que em breve poderão conferir outras tramas derivadas.

A série chegou ao fim após uma jornada de quase cinco anos (Imagem: Divulgação/Netflix)

Atenção: esta crítica contém spoilers de La Casa de Papel!

Desde a primeira temporada de La Casa de Papel, a série esclareceu que os planos de roubo do Professor (Álvaro Morte) não eram apenas para honrar a memória do pai, mas para questionar a política e a economia enfraquecida da Espanha. Então, o protagonista sabia exatamente o que poderia acontecer na hora de executar as missões, criando diversas possibilidades para cada sucesso ou falha que pudessem ocorrer durante assaltos, o que acabou rendendo em diversas reviravoltas ao longo da trama.

O final não ficou longe disso. Ainda no início da quinta e última temporada, o assalto ao Banco Central da Espanha estava mais fora de controle do que o que foi o roubo à Casa da Moeda, e em diversos momentos tudo parecia que seria perdido. Mas Professor, claro, adquiriu conhecimento suficiente para descobrir os pontos fracos dos seus rivais e como poderia persuadi-los a fazer o que ele queria, o que encerrou a missão dos ladrões como ganha, apesar de alguns colegas não terem sobrevivido.

Berlim e o filho tiveram uma atenção especial na última parte (Imagem: Divulgação/Netflix)

Ação e emoção

A última parte da quinta temporada de La Casa de Papel conseguiu equilibrar ação com emoção na medida certa. Na emoção, vimos desde flashbacks do passado e as memórias de Berlim (Pedro Alonso), até um reforço dos momentos de união dos personagens e a cena de cantoria da canção "Bella Ciao" no ritmo de samba, como se fosse uma homenagem aos tão intensos fãs brasileiros.

No quesito ação, a série não decepcionou e conseguiu manter o ritmo de caos, com destaque aos momentos em que Sierra (Najwa Nimri) aceita que agora está em um novo lado e leva a sua bebê, literalmente recém-nascida, para fugas perigosas. Vemos também o sentimento da própria inspetora em relação ao Professor crescer, pois foi preciso deixar o orgulho de lado e aceitar a sua única saída, e quando isso acontece é a única vez em que vemos ela de forma tão vulnerável.

Os momentos finais de La Casa de Papel nos deixaram duas perdas dolorosas: Nairóbi (Alba Flores) e Tóquio (Úrsula Corberó). Enquanto o de Nairóbi tivemos uma temporada de distância para superar, a de Tóquio era mais recente, pois a tragédia aconteceu na primeira parte. Então, sua presença em flashbacks na sequência foi crucial para que o público não esquecesse de sua importância para os personagens e para o andamento de ambos os assaltos.

Tóquio foi uma das perdas mais tristes da temporada (Imagem: Divulgação/La Casa de Papel)

Professor: gênio e herói

Cada um dos personagens de La Casa de Papel tem o seu mérito, mas não há como negar de que a glória da série se deve ao Professor. Álvaro Morte conseguiu incorporar uma pessoa sábia, decidida e que se preocupa mais com o seu grupo do que com ele próprio ou o sucesso da missão. O ator até fez uma publicação nas redes sociais reconhecendo a honra do personagem, dizendo que seus heróis preferidos sempre foram o Batman e o Super-Homem, até conhecer o Professor.

A quinta temporada veio para provar que ele, de fato, conta com superpoderes por conseguir liderar um grupo à distância mesmo quando corre perigo, mostrando ser capaz de manter a sanidade em meio ao caos e quando tudo parece estar perdido, e ainda lidando com a morte de Tóquio, a quem nutria bastante sentimento.

A vitória e o adeus

A série ainda deixaria o seu legado intacto se as coisas não dessem certo no final. Felizmente, nossos heróis preferidos conseguiram cumprir a missão e ainda contar com o apoio da polícia, já que a mente complexamente inteligente do Professor conseguiu contornar todos os empecilhos e provar o seu ponto: o sistema da Espanha é falho. Quando parece que eles estão prestes a perder a guerra, o personagem consegue convencer os seus inimigos que ou ambos os lados ganham, ou os dois lados perdem, deixando as autoridades sem saída. A escolha, então, foi fazer com que os dois lados ganhassem. Se o outro lado fosse escolhido, a situação ficaria ainda mais complicada para a justiça, já que os ladrões foram consagrados pela população como heróis, ficando ao lado deles.

La Casa de Papel chegou ao fim comprovando todos os seus questionamentos e não desapontando os fãs. A série reconheceu a importância da sua história não só para o entretenimento, como para um todo, e seu legado nunca vai ser esquecido. Enquanto a série original chega ao fim, em breve poderemos explorar ainda mais o universo da trama com o spin-off sobre Berlim e com a versão sul-coreana da trama.

A última temporada de La Casa de Papel está disponível completa na Netflix.

Gostou dessa matéria?

Inscreva seu email no Canaltech para receber atualizações diárias com as últimas notícias do mundo da tecnologia.