Crítica Better Call Saul | Temporada final começa com tensão, fuga e desespero

Crítica Better Call Saul | Temporada final começa com tensão, fuga e desespero

Por Natalie Rosa | Editado por Jones Oliveira | 20 de Abril de 2022 às 21h30
AMC

Após sete anos da estreia na televisão, Better Call Saul acaba de entrar em clima de despedida com o lançamento da sexta e última temporada na Netflix. A série é derivada de Breaking Bad, uma das produções de maior sucesso dos últimos tempos, e foca no desenvolvimento do personagem Saul Goodman.

Interpretado por Bob Odenkirk, Saul, ou Jimmy McGill, é o personagem mais caricato do universo criado por Vince Gilligan e, sem dúvidas, merecedor dessa prequela tão bem feita. A trama mostra como o advogado iniciou sua carreira, como eram suas relações familiares e como acabou se envolvendo com o crime.

A história de Saul antes de Breaking Bad está sendo concluída (Imagem: Divulgação/AMC)

Atenção: esta crítica pode conter spoilers de Better Call Saul!

Série que é cinema

Better Call Saul estreou a sexta temporada na Netflix já com dois episódios. Ainda que a série esteja em sua reta final, o começo parece um sinal de que nada será apressado, com as questões a serem resolvidas sendo apresentadas de forma minuciosa.

Essa característica, inclusive, é bastante marcante na série, que se destaca pelos diálogos e atuações intensas e enquadramentos perfeitos, como uma grande aula de cinema. Better Call Saul consegue, do início ao fim de cada episódio, prender o espectador através da tensão, que pode ter sido alimentada pelos terrores do tráfico mostrados em Breaking Bad e outras séries do gênero. Ou seja: podemos sempre esperar pelo pior.

O destino de Lalo é bastante esperado na temporada final (Imagem: Divulgação/AMC)

O que deve vir por aí?

Os episódios iniciais já apresentaram as questões que devem ser resolvidas na temporada, como o que acontecerá com Nacho (Michael Mando) e Lalo Salamanca (Tony Dalton), com Howard (Patrick Fabian) e, principalmente, mostrando a mudança de personalidade de Kim (Rhea Seehorn). A personagem não está em Breaking Bad, e o que acontecerá com ela no final vem preocupando os fãs.

À primeira impressão, a última temporada de Better Call Saul realmente irá cumprir o que os criadores prometeram: ser tão épica quanto a original. Os produtores dizem que a conexão com a história de Breaking Bad vai mudar a nossa percepção sobre a série de origem, assim como a forma em que Walter White (Bryan Cranston) e Jesse Pinkman (Aaron Paul) serão introduzidos no enredo será surpreendente.

Você já pode conferir os dois primeiros episódios de Better Call Saul na Netflix.

Gostou dessa matéria?

Inscreva seu email no Canaltech para receber atualizações diárias com as últimas notícias do mundo da tecnologia.