Publicidade
Economize: canal oficial do CT Ofertas no WhatsApp Entrar

Oficina de machados de obsidiana de 1,2 milhões de anos é encontrada na Etiópia

Por| Editado por Luciana Zaramela | 30 de Janeiro de 2023 às 11h05

Link copiado!

ArnoWinter/CC-BY-3.0
ArnoWinter/CC-BY-3.0

A obsidiana é uma rocha única, vinda da cristalização do magma e providenciando lâminas das mais afiadas já utilizadas pelos seres humanos. O que complica seu uso é a fragilidade, já que é um material delicado e perigoso de se manipular. Acreditávamos que os humanos só haviam conseguido domar a obsidiana no final da Idade da Pedra, mas um achado recente empurrou a técnica para trás na história em mais de meio milhão de anos.

Arqueólogos encontraram, no sítio arqueológico Melka Kunture, do Vale do Awash, na Etiópia, uma oficina primitiva de machados de obsidiana datada de 1,2 milhões de anos atrás. Além da incrível revelação do uso mais antigo do material, a descoberta também trouxe à luz a única fábrica de machadinhas que data do início do Período Pleistoceno.

Continua após a publicidade

Hábeis lascadores

Até o momento, só haviam sido encontradas "oficinas de lascagem" datadas em meados do Pleistoceno, e apenas na Europa. Aparecendo principalmente no Reino Unido e na França, essas oficinas eram todas voltadas à manufatura de lâminas de sílex. Até o novo achado, só havia sido observado o uso generalizado de obsidiana de meados da Idade da Pedra para a frente.

Abaixo de uma camada sedimentar, as escavações arqueológicas revelaram 578 ferramentas de pedra, com todas — menos três — sendo feitas de obsidiana. Com a ajuda de análise estatística, os cientistas notaram que a atividade era focada e padronizada, tornando o local uma genuína oficina. A uniformidade das lâminas é, segundo os pesquisadores, notável, com toques secundários na modelagem e foco na regularização dos artefatos.

O caráter único e impressionante da padronização vem da dificuldade para trabalhar com obsidiana, requerendo habilidades refinadas e muita destreza no ofício. A rocha é frágil, e precisa de muito mais cautela do que o trabalho com sílex ou basalto. Os golpes não poderiam ser muito fracos, para evitar criar lascas pequenas e sem uso, e nem muito fortes, para não esmagar o centro do material.

Evolução da cognição

Por conta da dificuldade, até mesmo trabalhadores modernos lidam com a obsidiana com luvas protetivas, evitando rasgar as mãos, já que a pedra é incrivelmente afiada por natureza. Mesmo assim, a padronização atingida há mais de 1 milhão de anos indica habilidades com a modelagem da rocha totalmente dominadas, marcando um salto cognitivo enorme para os humanos primitivos que as trabalhavam.

A adaptação das técnicas antigas de lascagem para a criação de peças de obsidiana mais desafiadoras representam, para os cientistas, um exemplo de pensamento convergente, uma ocorrência associada à resolução criativa de problemas, importantíssima para o desenvolvimento humano. Não sabemos, ainda, qual espécie humana produziu as lâminas, mas é certo que nossos antigos ancestrais africanos eram hábeis artesãos — mesmo sem luvas.

Continua após a publicidade

Fonte: Nature Ecology & Evolution