Publicidade
Economize: canal oficial do CT Ofertas no WhatsApp Entrar

Evento raro vai mostrar à ciência relação entre Stonehenge e a Lua

Por| Editado por Luciana Zaramela | 15 de Abril de 2024 às 18h28

Link copiado!

PxHere/CC0/Domínio Público
PxHere/CC0/Domínio Público

Cientistas que estudaram o Stonehenge já sabem que o monumento britânico é alinhado a marcos solares importantes, como os solstícios de inverno e verão, mas a relação da construção com a Lua ainda é desconhecida. Neste ano, há planos para analisar o alinhamento das pedras com uma paralisação lunar — ou lunistício.

O fenômeno acontece a cada 18,6 anos, quando a posição onde a Lua nasce e onde ela se põe ficam nos pontos mais distantes possíveis em relação ao horizonte. Acredita-se que esse tipo de movimentação do satélite natural foi notado pelos construtores de Stonehenge no início da obra, que aplicaram um alinhamento relacionado no desenho final.

Como o próximo lunistício se dará entre 2024 e 2025, o momento é perfeito, segundo cientistas, para avaliar de perto essa confluência. O trabalho será compartilhado entre a instituição English Heritage e as Universidades de Oxford, Bornemouth e Leicester, bem como a Sociedade Astronômica Real do Reino Unido.

Continua após a publicidade

Stonehenge e a Lua

A paralisação lunar, segundo contou Fabio Silva, da Universidade de Bournemouth, à BBC, quer dizer que o nascer da Lua será mais ao norte do que o normal, e, 15 dias depois, mais ao sul do que o normal. Esse movimento será monitorado, e, após identificado, o nascer da Lua mais ao sul — na posição de alinhamento com Stonehenge — será transmitido pela internet.

Entre 3000 a.C. e 2500 a.C., no início da construção do monumento, os mortos eram cremados e enterrados junto a oferendas na vala e no banco da terraplanagem feita para Stonehenge. Muitas delas ficam no sudeste, alinhadas mais ou menos com o ponto sul do lunistício, junto às quatro Pedras da Estação. Um dos objetivos da pesquisa é descobrir se isso foi proposital, como foi feito e a motivação para tal.

A English Heritage, além da transmissão online, fará palestras sobre o tema, construirá um planetário temporário e convida o público para observações de estrelas e para ver uma nova mostra em seu espaço de exposição, em Salisbury, na Inglaterra. Os cientistas responsáveis são conhecidos como arqueoastrônomos — os que estudam como os humanos do passado encaravam os fenômenos dos céus.

Fonte: BBC, The Guardian