Publicidade
Economize: canal oficial do CT Ofertas no WhatsApp Entrar

Estudo coloca em xeque crença de que Peste Negra mudou imunidade humana

Por| Editado por Luciana Zaramela | 22 de Janeiro de 2024 às 18h26

Link copiado!

twenty20photos/Envato
twenty20photos/Envato

Ao analisar o DNA de pessoas enterradas na Inglaterra antes e depois da Peste Negra, surto de bactéria que eliminou mais de 30% da população europeia em meados do século XIV, pesquisadores descobriram que a doença não causou, ao contrário do que se pensava, uma mudança genética ou na imunidade dos seres humanos. Na verdade, há pouca evidência disso, e estudos mais profundos terão de comprovar o achado, tanto a partir de outros restos quanto na reavaliação de estudos passados.

Arqueólogos e cientistas moleculares e genéticos participaram da pesquisa, que avaliou os genomas de 275 indivíduos enterrados em Cambridgeshire, no Reino Unido. Foram buscadas variações genéticas nas populações entre o período anterior e o posterior à ocorrência da peste bubônica, bem como alguma mudança na suscetibilidade dos sobreviventes a doenças genéticas.

Peste Negra e DNA

Continua após a publicidade

Em estudos anteriores, cientistas já correlacionaram a incidência da bactéria causadora da peste bubônica (Yersinia pestis) à evolução de genes responsáveis pela imunidade em algumas populações. No estudo britânico, no entanto, não foram encontradas variações genéticas grandes quanto à imunidade contra a bactéria pandêmica ou mesmo diversidade dos genes.

Como diferentes genes significam diferentes respostas à doença e esta eliminou grande parte da população, esperava-se ver uma queda na diversidade, o que não foi constatado na pesquisa. É possível, segundo os cientistas, que a resposta imune contra a Y. pestis possa envolver diversos caminhos biológicos ainda desconhecidos, e, justamente por isso, seria difícil tirar conclusões quanto às mudanças que a doença causou. Ela até mesmo foi usada como arma biológica pelos mongóis.

O contexto social não deixa de ser importante em relação à Peste Negra — os indivíduos mais afetados eram os mais pobres, que apresentavam desnutrição e outras doenças que podiam resultar em alguma comorbidade, sucumbindo muito mais fácil do que populações abastadas e com cuidados de saúde à disposição. Houve, por exemplo, uma queda significativa nos casos de hanseníase na Europa medieval, já que os que sofriam da doença e os propensos a ela foram mais afetados pela peste bubônica.

Continua após a publicidade

O estudo em Cambridgeshire mostrou detalhes da composição social da cidade, revelando mudanças na ancestralidade genética a longo prazo por conta de migrações de pessoas vindas dos Países Baixos, Noruega e Dinamarca, por exemplo. Os resultados não querem dizer que a Peste não teve impacto na variação genética do local, mas indicam que a questão é mais complexa do que parece.

Outros estudos podem, por exemplo, ter atribuído mudanças genéticas à pandemia medieval sem considerar outros fatores, como migrações ou outras doenças.

Fonte: Science Advances