Publicidade
Economize: canal oficial do CT Ofertas no WhatsApp Entrar

Câmara secreta em forma de L é achada aos pés das Pirâmides de Gizé

Por| Editado por Luciana Zaramela | 15 de Maio de 2024 às 19h26

Link copiado!

Sato et al./Archaeological Prospection
Sato et al./Archaeological Prospection

Uma estrutura misteriosa em formato de L foi encontrada no subterrâneo do cemitério oeste de Gizé, aos pés das Pirâmides do Egito, graças a técnicas de sensoriamento remoto. Na região, estão enterrados membros das famílias reais faraônicas e oficiais da alta estirpe do Egito Antigo. Muitas tumbas trazem mastabas na superfície, construções retangulares de pedra ou tijolos de barro com lajes achatadas.

No centro do cemitério oeste de Gizé, há uma região sem estruturas na superfície, no entanto. Para estudar a parte subterrânea do local, arqueólogos usaram tomografia de resistividade elétrica, que lança correntes elétricas em direção ao chão e mede sua resistência para identificar objetos. Radares de penetração também foram empregados, e foi assim que se encontrou a estrutura.

O que há na câmara secreta de Gizé?

Continua após a publicidade

A estrutura misteriosa foi achada a 2 metros de profundidade, tem pelo menos 10 metros de comprimento e está disposta em “L”, mais próxima da Pirâmide de Quéfren. O autor principal do estudo que descreve a construção é Motoyuki Sato, que o publicou junto à sua equipe no periódico científico Archaeological Prospection no último dia 5 de maio.

De acordo com as leituras tecnológicas feitas no cemitério, o local subterrâneo é uma “anomalia altamente resistiva” — o que quer dizer que seu interior pode estar repleto de uma mistura de areia e cascalho ou simplesmente ser um vácuo de ar. O ângulo fechado da câmara é o que fez os pesquisadores acreditarem ser uma estrutura feita por humanos.

Na região de Gizé, há algumas construções feitas para receber oferendas que têm o formato em “L”, mas elas costumam estar na superfície, e não no subterrâneo. O estudo foi feito na região entre 2021 e 2023, envolvendo um trabalho colaborativo entre as universidades de Higashi Nippon, de Tohoku e o Instituto Nacional de Astronomia e Geofísica do Egito.

Continua após a publicidade

Fonte: Archaeological Prospection