Renault ficará sem produzir carros no Brasil por mais tempo; entenda

Renault ficará sem produzir carros no Brasil por mais tempo; entenda

Por Felipe Ribeiro | Editado por Jones Oliveira | 09 de Agosto de 2021 às 12h55
Divulgação/ Renault

A Renault vai precisar deixar sua fábrica em São José dos Pinhais/PR paralisada por mais tempo do que o esperado. Segundo comunicado enviado pela montadora, a planta, responsável pela produção de todos os seus carros no Brasil, deve seguir sem trabalhar até o dia 27 de agosto, superando em mais 15 dias a previsão estipulada pela empresa há uma semana. Os motivos seguem os mesmos: a falta de semicondutores.

Com a decisão, seguem sem fabricação e dependendo apenas de estoques para as vendas modelos como o Sandero (em todas as versões), Stepway, Kwid, Logan, Duster e Captur. Já os veículos comerciais da montadora, como o furgão Master, voltará a ser produzido no dia 12 de agosto, conforme previamente anunciado pela montadora. O Renault Zoe, carro elétrico da marca, é importado, portanto não sofre com essa paralisação.

Veja o comunicado na íntegra:

Quer ficar por dentro das melhores notícias de tecnologia do dia? Acesse e se inscreva no nosso novo canal no youtube, o Canaltech News. Todos os dias um resumo das principais notícias do mundo tech para você!

"A Renault do Brasil informa que em função dos impactos provocados pela Covid-19 na fabricação de componentes eletrônicos, a produção na fábrica de veículos de passeio, no Complexo Ayrton Senna, segue suspensa até o dia 27 de agosto.

Não será possível o retorno da produção no dia 12 de agosto conforme previsto anteriormente, com o término das férias coletivas em vigor".

(Imagem: Divulgação/Renault)

Vale lembrar que a empresa acabou de lançar a nova versão do SUV Renault Captur, que está mais equipado e com novo motor 1.3 turbo, colocando-o como um produto mais importante e estratégico dentro do portfólio da marca. Além disso, modelos como o Logan e o Sandero são alguns dos mais utilizados por locadoras e motoristas de aplicativo, que podem ser afetados caso a paralisação se estenda ainda mais.

Fonte: Motor1

Gostou dessa matéria?

Inscreva seu email no Canaltech para receber atualizações diárias com as últimas notícias do mundo da tecnologia.