Montadoras se unem à tecnologia para vender carros em tempos de coronavírus

Por Felipe Ribeiro | 11 de Maio de 2020 às 09h25
Matheus Argentoni/ Canaltech

Que o mundo não será mais o mesmo após a pandemia do novo coronavírus (Sars-CoV-2) já é consenso entre as pessoas, e muitos de nós, certamente, tiraremos lições importantes disso tudo. O isolamento social fez com que revessemos alguns conceitos em nossas vidas, não apenas no trato da saúde e pequenos hábitos, mas também quando pensamos no lado profissional e nossa rotina.

Com esse cenário, vimos alguns setores da economia serem mais afetados do que outros, como as companhias aéreas, agências de viagem, rede hoteleira e de automóveis. Segundo a Fenabrave (Federação Nacional Distribuição Veículos Automotores), a venda de carros no Brasil caiu 76% em abril, enquanto a produção despencou ainda mais: 99%. Mesmo assim, o segmento está sabendo se adequar a essa realidade passageira: o de automóveis.

Comprar um carro não é tão rápido no Brasil e é uma tarefa que, diante das peculiaridades do nosso mercado, exige tempo e sacrifício. É preciso levar em conta não apenas o modelo escolhido em si, mas também os custos de manutenção, seguro, revisões, consumo, valor de revenda e por aí vai. Sem contar, é claro, com o test-drive, que é determinante para que todo o negócio possa acontecer.

Mas como as montadoras têm lidado com isso em meio à crise do novo coronavírus? Cidades como São Paulo, por exemplo, estão em situação de fechamento quase que total do comércio e as concessionárias estão inseridas nessas proibições. Para tentar seguir com as vendas, mesmo que com grande queda, as marcas estão se reinventando e fazendo uso da tecnologia para efetuarem os negócios.

Vendas 100% online

A alternativa mais óbvia é transferir todo o balcão de negócios para uma plataforma online. Mas as empresas têm agido cada uma dentro de suas características para minimizar os impactos do coronavírus em sua saúde financeira e de vendas.

A Chevrolet, por exemplo, na esteira do lançamento da nova Tracker, anunciou que é possível efetuar a compra de todo o seu portfólio por meio do seu site oficial, sem a necessidade de fazer nenhuma etapa do processo fora de casa. O cliente, além de escolher o modelo, pode montá-lo como quiser, com todos os opcionais disponíveis. Caso queira experimentar o carro antes de efetuar, de fato, a compra, o concessionário mais próximo levará o automóvel em sua residência, em uma espécie de test-drive delivery. O serviço, aliás, também funciona para cidades onde não há quarentena, o que indica que, após a pandemia, essa alternativa pode continuar valendo.

Já a FIAT, que já possuía uma plataforma de vendas online, manteve o serviço e anunciou algumas medidas importantes durante a pandemia da COVID-19. Além de montar seu carro e entregar em domicílio, a montadora italiana oferece uma série de benefícios para profissionais da saúde que queiram adquirir um novo veículo, como a extensão do prazo para revisões e a gratuidade desse serviço até os 60 mil quilômetros.

Para os demais clientes e visando aquecer o mercado, a FIAT também anunciou que negócios fechados até o dia 31 de maio terão o financiamento iniciado apenas em 2021. Ou seja, a montadora, em meio à crise, está facilitando a compra dos automóveis não apenas pelo canal de vendas, mas também sob o ponto de vista econômico.

Nova Chevrolet Tracker pode ser comprada online (Foto: Chevrolet)

Bem parecido com o que fez a Ford, que, além de disponibilizar um serviço completo de vendas online, também está facilitando o pagamento com uma carência de 90 dias para o financiamento. Além disso, a montadora norte-americana aproveitou a ocasião da pandemia da COVID-19 para lançar um serviço completo de limpeza, higienização e desinfecção automotiva, o Ford Clean, que contempla um cuidado detalhado com os carros na hora das vendas e revisões.

A Nissan, por sua vez, adotou a inteligência artificial e chatbots para as vendas dos automóveis. A fabricante japonesa é uma das únicas a adotar esse expediente para atendimento automatizado imediato, criando o Nissan Bot, além do atendimento via redes sociais, WhatsApp e site. E sempre que um consumidor solicita atendimento humano por algum desses canais, a marca disponibiliza uma consultoria digital para tirar dúvidas e esclarecer pontos sobre os produtos e serviços de maneira ágil e precisa.

Além disso, a montadora também oferece um test-drive delivery com o veículo totalmente higienizado. Para o caso de manutenção, o concessionário mais próximo também busca o carro do cliente em casa.

A Volkswagen adotou a realidade virtual para auxiliar os clientes a comprarem veículos da marca. Graças a essa tecnologia, o cliente poderá fazer um tour por cada um dos produtos usando o DDX (Digital Dealer Experience). A montadora, que vai lançar o crossover Volkswagen Nivus em breve, espera que toda a sua rede de concessionárias já esteja com o sistema atualizado até lá.

"Este novo modelo de venda permite, por meio da tecnologia, acessar todo o portfólio de veículos da VW e configurar o carro de acordo com as expectativas e necessidades dos clientes. As concessionárias digitais fazem parte do processo de transformação digital que a Volkswagen está implementando. Elas oferecem uma nova experiência de compra de automóveis, muito mais dinâmica, que atende um perfil de consumidor cada vez mais bem informado sobre tecnologia e conectividade", explicou Gustavo Schmidt, vice-presidente de Vendas & Marketing da Volkswagen, à reportagem do Canaltech.

Há, também, quem optou por utilizar as redes sociais como canal de venda. A BMW disponibilizou alguns de seus modelos para serem vendidos diretamente pelo Instagram. O cliente escolhe entre os carros 18i Sport GP, 218i Sport GP, 320i Sport, X1 sDrive20i GP e X2 sDrive18i GP e, ao clicar no automóvel desejado, é levado para uma aba e tem de preencher um formulário, que inclui informações pessoais, disponibilidade do produto, endereço e concessionária em que quer finalizar a compra. A entrega também é feita em domicílio.

O próximo passo, segundo a BMW, será integrar a plataforma ao WhatsApp.

Serviços alternativos

Além das montadoras, existem muitas lojas que compram e vendem automóveis novos e usados. Há, inclusive, plataformas que facilitam esse processo, mas ele sempre precisa ser finalizado presencialmente, sobretudo na parte mais burocrática da negociação. Porém, um serviço alternativo e muito interessante que pode ser utilizado para a compra e venda de automóveis sem que o cliente precise sair de casa é dos auto brokers.

A BMZ Auto Brokers criou uma rede de concessionárias online que dispensa a necessidade de loja física. Com uma série de “corretores”, a empresa negocia os carros dos clientes 100% online e sem que um estoque precise ser criado.

Ancorada no modelo de franquias, a BMZ possui 47 franqueados espalhados em 13 estados do Brasil. Visando ampliar de todas as formas a comodidade dos clientes, a empresa simplifica o processo tanto para aqueles que pretendem vender quanto aos que desejam comprar um veículo.

Os franqueados atuam desde a captação, quando fotografam o veículo e realizam vistoria, à publicação online, quando o automóvel entra na plataforma online de venda 100% periciado e está pronto para a venda. Detalhe: o cliente não precisa sair de casa para absolutamente nada. “Caso você queira comprar um carro e, por um acaso, não o tenhamos em nosso sistema, o franqueado faz uma captação e localiza este automóvel para você e inicia a negociação com o dono desse carro em questão e coliga tudo por meio da BMZ”, explica Márcio Leitão, fundador da BMZ, em entrevista ao Canaltech.

BMZ Auto Brokers faz todo o processo de compra - também de venda - 100% on-line (Captura de Tela: Felipe Ribeiro)

Para os que querem vender, além de garantir segurança na forma de pagamento e na legitimidade do veículo assegurada pela perícia, a empresa permite que o cliente não se preocupe em receber um estranho em sua casa para avaliar o carro. Atualmente, o valor cobrado pela BMZ Auto Brokers pelo serviço prestado é de 6% sobre o valor da venda, apenas se o negócio for fechado.

“Todo o processo, tanto para compra quanto para venda, dura aproximadamente 20 dias. É um pouco mais demorado do que o habitual, mas o cliente não precisará sair de casa para absolutamente nada. Todos os nossos brokers farão o trabalho de documentação e as assinaturas podem ser feitas por meio de contratos online”, salienta Leitão.

Gostou dessa matéria?

Inscreva seu email no Canaltech para receber atualizações diárias com as últimas notícias do mundo da tecnologia.